Exportar registro bibliográfico

Produção, purificação e caracterização do complexo pectinolítico do fungo aspergillis niveus (2008)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: MALLER, ALEXANDRE - FMRP
  • Unidades: FMRP
  • Sigla do Departamento: RBI
  • Subjects: ASPERGILLUS (PROCESSOS QUÍMICOS); BIOQUÍMICA
  • Language: Português
  • Abstract: Pectina é o maior componente da parede celular de plantas. Esses polissacarídeos podem ser degradados por enzlmas pécticas, nomeadas, pectinases. Podem ser classificadas, baseado em seu mecanismo de degradação, em enzimas desesterificantes e despolimerizantes. Pectinases são importantes enzimas industriais, utilizadas principalmente para aumentar a eficiência de filtração e clarificação de sucos de frutos, na maceração, liquefação e extração de tecidos vegetais, mas podem ser responsáveis pela patogênese em plantas. São amplamente produzidas por vários fungos filamentosos, como Aspergi/Jus sp. O objetivo deste trabalho foi estudar a produção do sistema pectinolítico do Aspergillus niveus, purificação e caracterização bioquímica das poligalacturonases. Depois do "screening" entre alguns fungos filamentosos, o A. niveus foi o microrganismo selecionado devido aos altos níveis de enzimáticos produzidos, especialmente poligalacturonases, e a pouca informação sobre esta enzima deste fungo na literatura. Poligalacturonases são secretadas principalmente a partir do 2º e 3º dia de cultivo sob agitação, mas em maior quantidade no 9º dia em regime estacionário. As condições padrões de cultura submersa foram com meio Czapeck, inoculado com ‘5x10 POT. 4’ esporos/mL, pH inicial 6,0, sob agitação, por 48 horas. As melhores fontes de carbono foram diferentes tipos de pectinas (especialmente 2,0% de pectina 8003 CPKelco), acompanhada por casca de laranja e maracujá.Em relação à fermentação em substrato sólido, a melhor produção ocorreu com pectina caramelizada ‘Vetec POT. ®’ e casca de limão. Poligalacturonases brutas apresentaram excelente estabilidade a 60°C, por 90 minutos, e em pH ácido. Esta atividade foi 96% inibida por 10mM de ‘Hg POT. ++’ e 77% por ‘Cu POT. ++’. Em contrapartida, ‘1mM Mn POT. ++’ e EDTA aumentaram a atividade 17% e 10%, respectivamente. A temperatura ótima da pectina liase bruta foi 5,5°C. Duas poligalacturonases (PGPI e PGPII) foram caracterizadas utilizando processos cromatográficos. PGPI foi purificada, utilizando coluna de DEAE-celulose, seguida de Biogel P100, com fator de purificação de 17 vezes. A purificação foi confirmada por SDS-PAGE, onde foi observado homogeneidade eletroforética PGPII apresentou duas bandas em SDDS-PAGE e não foi caracterizada. A massa molecular da PGPI foi 123 kDa por SDS-PAGE, mas 102kDa por coluna Bio-Sil-Sec-400, com 0,7x30cm, em FPLC BioRad model 2800-Solvent Delivery System. A enzima possui 37,7% de conteúdo de carboidrato e ponto isoelétrico de 5,4. O produto final formado pela ação da PGPI em polipectato de sódio foi somente ácido monogalacturônico, sendo desta maneira classificada como exopoligalacturonase. Sua temperatura ótima e pH foram em torne de 50°C e numafaixa de 4,0 -6,5, respectivamente. Apresentou alta estabilidade térmica acima de 50°C e foi extremamente estável numa faixa de pH 4,0 -8,0, por 24 horas. A enzima foiativada por ‘Mn POT. ++’, ‘F POT. -‘ e ‘K POT. +’ e inibida por -PB POT. ++’ e ‘Ba POT. ++’. O ‘K IND. M’ foi 6,7mg/mL e ‘V IND. Max’ de 230U/mg. Ainda, a PGPI possui homologia com exopoligalacturomases de Aspergi//us fumigatus e Neosartorya fischeri. A atividade não foi afetada por tolueno, n-hexano, benzeno e éter etílico, mas foi inibida por formaldeído e isopropanol. Estes resultados mostram o potencial desta enzima para aplicação industrial quando se utiliza diferentes pHs ou solventes orgânicos em processos de produção, como na indústria de sucos e bebidas ou na extração de produtos naturais de plantas
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 28.02.2008

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      MALLER, Alexandre; POLIZELI, Maria de Lourdes Teixeira de Moraes. Produção, purificação e caracterização do complexo pectinolítico do fungo aspergillis niveus. 2008.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2008.
    • APA

      Maller, A., & Polizeli, M. de L. T. de M. (2008). Produção, purificação e caracterização do complexo pectinolítico do fungo aspergillis niveus. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Maller A, Polizeli M de LT de M. Produção, purificação e caracterização do complexo pectinolítico do fungo aspergillis niveus. 2008 ;
    • Vancouver

      Maller A, Polizeli M de LT de M. Produção, purificação e caracterização do complexo pectinolítico do fungo aspergillis niveus. 2008 ;


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020