Exportar registro bibliográfico

A evolução organizacional do MST (2007)

  • Authors:
  • Autor USP: PESCHANSKI, JOãO ALEXANDRE - FFLCH
  • Unidade: FFLCH
  • Sigla do Departamento: FLP
  • Subjects: MOVIMENTO DOS SEM-TERRA (EVOLUÇÃO); LIDERANÇA POLÍTICA; CONFLITO SOCIAL
  • Language: Português
  • Abstract: Nesta dissertação, analisa-se a evolução da organização do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) de sua formação, no fim da década de 1970, a 2006. São tratadas duas hipóteses: em primeiro, o formato organizacional do movimento social resulta de uma combinação dinâmica entre os objetivos dos sem-terra, os riscos e as oportunidades em cada conjuntura e a atuação das lideranças; em segundo, é decisiva para a continuidade do MST a capacidade de se reinventar levando em consideração as mudanças no ambiente externo. Essas hipóteses, comprovadas no decorrer da pesquisa, rejeitam duas visões correntes nos estudos sobre o movimento dos sem-terra, de acordo com as quais o formato organizacional evolui em um sentido inexorável, fundamentado nas relações internas dos integrantes do MST. Esta dissertação se baseia em uma reconstrução da história da formação organizacional do movimento dos sem-terra, salientando as motivações das famílias camponesas a participar de ocupações de terra no fim da ditadura. Nesse período inicial, é determinante a participação de grupos católicos progressistas, que inspiram os primeiros experimentos organizacionais dos sem-terra e atuam como um vetor de difusão e articulação de mobilizações camponesas em vários estados. Simultaneamente à formalização do MST, em 1984, setores da igreja vinculados ao movimento social se distanciam deste, em função das novas circunstâncias políticas geradas com a redemocratização. Isso leva a um tumultoorganizacional nas instâncias decisórias dos sem-terra, que põe em risco a sobrevivência do MST. Quatro anos depois, após vários experimentos de organização malsucedidos, as lideranças do movimento social criam a Direção Nacional (DN) para manter sua unidade. Com base em uma série de tabelas que descrevem a composição dessa instância entre 1988 e 2006, percebem-se variações na DN: em alguns períodos, um mesmo ) grupo de dirigentes concentrou a maioria das cadeiras; em outros, principalmente nos anos mais recentes, houve renovação das pessoas no cargo. Apresentam-se duas explicações para essas variações. Em primeiro, a necessidade de a DN e de todo o MST se adaptarem ao perfil dos diferentes presidentes desse período, considerando que o governo federal é um interlocutor de grande importância para a realização dos objetivos do movimento social. Em segundo, a pressão de mulheres sem terra, cada vez mais articuladas e atuantes, para ocupar cargos de decisão no movimento social, em especial na DN, que lhes foi pouco aberta até 2005. A não-adaptação da Direção a essas duas situações poderia desencadear um novo tumulto organizacional, pondo em risco a continuidade do MST
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 17.10.2007
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      PESCHANSKI, João Alexandre; KOWARICK, Lucio Felix Frederico. A evolução organizacional do MST. 2007.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8131/tde-12022008-114924/ >.
    • APA

      Peschanski, J. A., & Kowarick, L. F. F. (2007). A evolução organizacional do MST. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8131/tde-12022008-114924/
    • NLM

      Peschanski JA, Kowarick LFF. A evolução organizacional do MST [Internet]. 2007 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8131/tde-12022008-114924/
    • Vancouver

      Peschanski JA, Kowarick LFF. A evolução organizacional do MST [Internet]. 2007 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8131/tde-12022008-114924/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021