Exportar registro bibliográfico

A distinção entre os indefinidos 'um' e 'algum' no português brasileiro (2007)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: SILVA, LIDIA LIMA DA - FFLCH
  • Unidades: FFLCH
  • Sigla do Departamento: FLL
  • Subjects: PORTUGUÊS DO BRASIL (GRAMÁTICA); ARTIGO INDEFINIDO; SEMÂNTICA; MODALIDADE (LINGUAGEM)
  • Language: Português
  • Abstract: Este trabalho discute a denotação dos sintagmas indefinidos contendo \'um\' e \'algum\' na posição pré-nominal no português do Brasil e argumenta em favor de uma distinção entre ambos. O objetivo é delimitar as propriedades semânticas desses dois indefinidos e as contribuições de cada um para as sentenças em que aparecem. Tendo como ponto de partida os trabalhos de Kratzer & Shimoyama (2002) para o indefinido \'irgendein\' do alemão, Alonso-Ovalle & Menéndez-Benito (2003) para o \'algún\' do espanhol e para o \'some\' do inglês e Pires de Oliveira (2005) para o indefinido \'qualquer\', esta dissertação defende que \'algum\' é um indefinido que marca a falta de conhecimento do falante em relação ao referente, ao passo que \'um\' pode ser usado para referir-se a um indivíduo específico e não apresenta tal efeito. Por meio da análise da intuição dos falantes do PB e da análise dos dados a partir das propostas dos autores citados acima, foi possível constatar que \'um NP\', quanto ao comportamento quantificacional, (i) apresenta variabilidade de força quantificacional; (ii) pode ser antecedente de pronome anafórico; (iii) não tem seu escopo restringido por sentenças-se, (iv) pode combinar-se com sentenças relativas não-restritivas. Não é um indefinido epistêmico e devido a isso (i) pode ser lido como fazendo referência a um indivíduo em especial; (ii) não induz a alargamento de domínio; (iii) não está associado à livre escolha dentro de um conjunto dealternativas e (iv) não induz a um efeito epistêmico. Por sua vez, \'algum NP\' quanto ao comportamento quantificacional, (i) não apresenta variabilidade de força quantificacional; (ii) pode ser antecedente de pronome anafórico; (iii) tem seu escopo restringido por sentenças-se, (iv) não pode combinar-se com sentenças relativas não-restritivas. \'Algum NP\' é um indefinido epistêmico e devido a isso (i) não pode ser lido ) como fazendo referência a um indivíduo em especial; (ii) induz a alargamento de domínio; (iii) está associado à livre escolha dentro de um conjunto de alternativas e (iv) induz a um efeito epistêmico. A análise proposta nesse trabalho é feita sob a perspectiva teórica da Semântica Formal e é relevante na medida em que contribui para uma tipologia translingüística
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 20.07.2007
  • Online source access
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      SILVA, Lidia Lima da; MULLER, Ana Lucia de Paula. A distinção entre os indefinidos 'um' e 'algum' no português brasileiro. 2007.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8139/tde-31012008-103215/ >.
    • APA

      Silva, L. L. da, & Muller, A. L. de P. (2007). A distinção entre os indefinidos 'um' e 'algum' no português brasileiro. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8139/tde-31012008-103215/
    • NLM

      Silva LL da, Muller AL de P. A distinção entre os indefinidos 'um' e 'algum' no português brasileiro [Internet]. 2007 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8139/tde-31012008-103215/
    • Vancouver

      Silva LL da, Muller AL de P. A distinção entre os indefinidos 'um' e 'algum' no português brasileiro [Internet]. 2007 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8139/tde-31012008-103215/


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020