Exportar registro bibliográfico

Maus-tratos físicos de crianças: contribuições para a avaliação de fatores de risco psicossociais (2007)

  • Authors:
  • Autor USP: BERGAMO, LILIAN PAULA DEGOBBI - FFCLRP
  • Unidade: FFCLRP
  • Sigla do Departamento: 594
  • Subjects: MAUS-TRATOS INFANTIS; FATORES DE RISCO; FATORES PSICOSSOCIAIS
  • Language: Português
  • Abstract: Sabe-se que o fenômeno dos maus-tratos se constitui em uma problemática complexa que envolve na sua etiologia vários fatores, sendo necessária a observação deste fenômeno por uma perspectiva multidimensional. A abordagem Ecológico-Sistêmica do desenvolvimento humano e o modelo teórico Transacional pressupõem, respectivamente, a existência de diversos contextos e variáveis de risco que se influenciam mutuamente para a produção dos maus-tratos. Dentro disto, numerosas pesquisas, principalmente no âmbito internacional, têm encontrado associação significativa entre a problemática dos maus-tratos e variáveis no nível ontogenético, no microssistema, e no exossistema, dispondo-se inclusive de um conhecimento quanto às especificidades referentes a cada tipo de maus-tratos em particular. Neste panorama, o presente trabalho teve como objetivo verificar se a associação entre determinados fatores de risco atinentes à figura do cuidador e os maus-tratos físicos seria encontrada na realidade brasileira. Vale destacar que os fatores priorizados no estudo referem-se a aspectos psicológicos, como a angústia, nível de estresse associado à função parental, nível de apoio social, estilo parental e histórico de maus-tratos na própria infância. Para tanto, comparou-se dois grupos de pais/cuidadores, sendo um notificado ao Conselho Tutelar devido a abusos físicos contra os filhos (Grupo Clínico) e outro sem histórico conhecido de abuso (Grupo de Comparação),ambos constituídos por trinta participantes (n=60), pareados entre si em características sócio-demográficas, como nível econômico e número de filhos / crianças sob seus cuidados. O primeiro grupo foi recrutado a partir dos registros do Conselho Tutelar e o segundo foi composto por conveniência, a partir de indicações, na comunidade. Os instrumentos utilizados para a coleta de dados tiveram a função de avaliar um ou mais fatores de risco, sendo eles: o Child Abuse ) Potential Inventory - CAP; o Índice de Estresse Parental - ISP; o Inventário de Estilos Parentais - IEP; o Questionário de Apoio Social - QAS e a Entrevista da História da Infância do Adulto. É necessário sublinhar que também foi utilizado um Questionário de Caracterização Sócio-demográfica, sendo que os dados coletados com este instrumento permitiam caracterizar os respondentes para proceder à equiparação dos grupos, mas também levantar algumas informações referentes a variáveis de risco no plano sócio-demográfico. Cada instrumento foi corrigido segundo seus próprios critérios, sendo que os dados obtidos puderam ser categorizados e comparados estatisticamente por meio do teste t de Student para amostras independentes ou Mann Whitney Rank Sum Test, quando necessário. Os dados obtidos com a História da Infância do Adulto foram, primeiramente, analisados descritivamente, por meio da obtenção de freqüências e porcentagens e, quando possível, utilizou-se o teste Qui-quadrado ou o teste Exatode Fisher, para também comparar estatisticamente os grupos, adotando-se como nível de significância p ‘< OU =’ 0,05. Os resultados encontrados indicaram diferenças significativas (p ‘< OU =’ 0,05) entre os grupos para a maioria das dimensões que compõem a Escala de Abuso do CAP: angústia, rigidez, problemas com a criança e consigo e problemas com os outros, verificando-se um maior potencial de risco para os participantes do grupo clínico em relação ao grupo de comparação. Quanto ao ISP, os grupos apresentaram diferenças em relação à dimensão características da criança e no escore total, indicando que o grupo clínico vive mais estresse nas interações com a criança do que o grupo de comparação. No IEP os grupos se diferenciaram somente na dimensão monitoria positiva, denotando que o grupo clínico emprega com menos freqüência práticas positivas na educação dos filhos que o grupo de comparação. O QAS diferenciou os ) grupos nas dimensões de apoio afetivo, de interação social positiva e no escore total, apontando também que os participantes do grupo clínico se percebem com menos apoio social do que o grupo de comparação. A análise da História da Infância indicou que de forma geral, os adultos pertencentes ao grupo clínico viveram mais situações difíceis na infância que o grupo de comparação, sendo que estas, por vezes, se configuraram em situações de maus-tratos. Os grupos se diferenciaram também no que se refere a duas variáveis sócio-demográficas específicas: aidade do responsável por ocasião do nascimento do primeiro filho e o grau de satisfação com o bairro, denotando que os participantes do grupo clínico eram mais jovens que os do grupo de comparação por ocasião do nascimento do primeiro filho, tendo em média 19 anos, e que também eram mais insatisfeitos com o local de moradia que os do grupo de comparação. Os resultados permitem dizer que as variáveis que discriminam os dois grupos compõem indicadores de risco para os maus-tratos físicos em nosso contexto sócio-cultutal, corroborando o que é apresentado na literatura científica, quanto aos fatores que reiteradamente têm se mostrado associados ao problema no âmbito internacional. Todos eles, tomados em separado ou conjuntamente, podem servir para orientar o desenvolvimento e a
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 23.11.2007
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      BÉRGAMO, Lílian Paula Degobbi; BAZON, Mariana Rezende. Maus-tratos físicos de crianças: contribuições para a avaliação de fatores de risco psicossociais. 2007.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2007. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59137/tde-07012009-222425/ >.
    • APA

      Bérgamo, L. P. D., & Bazon, M. R. (2007). Maus-tratos físicos de crianças: contribuições para a avaliação de fatores de risco psicossociais. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59137/tde-07012009-222425/
    • NLM

      Bérgamo LPD, Bazon MR. Maus-tratos físicos de crianças: contribuições para a avaliação de fatores de risco psicossociais [Internet]. 2007 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59137/tde-07012009-222425/
    • Vancouver

      Bérgamo LPD, Bazon MR. Maus-tratos físicos de crianças: contribuições para a avaliação de fatores de risco psicossociais [Internet]. 2007 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59137/tde-07012009-222425/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021