Exportar registro bibliográfico

Leishmaniose visceral canina:: aspectos clínico-epidemiológicos de casos atendidos no período de 1997 a 2007, no Hospital Veterinário da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo (2007)

  • Authors:
  • Autor USP: SONODA, MARCIA CRISTINA - FMVZ
  • Unidade: FMVZ
  • Sigla do Departamento: VCI
  • Subjects: LEISHMANIOSE VISCERAL; CÃES; IMUNOHISTOQUÍMICA; ELISA
  • Language: Português
  • Abstract: A leishmaniose é uma enfermidade zoonótica causada por protozoário pleomórfico do gênero Leishmania. Face a magnitude de alastramentro da doença, em especial no Brasil, foi realizado levantamento retrospectivo de casos de leishmaniose visceral canina diagnosticados (1997-2007) nos Serviços de Dermatologia e de Clínica Médica de cães e gatos do HOVET/USP. A amostragem compôs-se de 36 casos caninos, naturalmente infectados por Leishmania sp. O diagnóstico fora estabelecido pela caracterização propiciada pelos dados anamnésticos, de exames físico e dermatológico, complementados por exames hematológicos, bioquímicos e imagéticos, afora sorologia (ELISA e/ou RIFI), histopatologia de pele e/ou pela evidencialização do protozoário em exames parasitológicos de biópsia aspirativa de linfonodos e/ou medula óssea e pela técnica de imunoistoquímica. Os objetivos foram: evidenciar os aspectos clínico-dermatológicos de animais com diagnóstico estabelecido; caracterizar epidemiologicamente os casos, enfocando aspectos de aloctonia ou de autoctonia. Afora o de avaliar a aplicação da técnica de imunoistoquímica de pele visando o diagnóstico etiológico, comparando e relacionando-a aos exames complementares. Pôde-se concluir que: todos os casos foram alóctones; não houve predisposição por um determinado sexo; a faixa etária (52,8%) foi aquela dos 13 a 48 meses de vida, com maior acometimento de cães de raças definidas (Poodles e Labradores). Quanto aosmunicípios de origem: Ilha Bela e Ubatuba, um caso de cada, são considerados como silencioso não receptivo não vulnerável; Campinas, Campo Limpo Paulista, Holambra, São Roque, Sorocaba e Uberaba (um caso de cada) como silenciosos não receptivos vulneráveis. Os demais 28 cães do Estado de São Paulo originaram-se de municípios com transmissão: canina e humana (Araçatuba - três, Bauru - um), canina (Cotia - cinco, Embu - quatro) ou sob ) investigação (São Paulo - 11, Mogi das Cruzes - um). Já Portugal (um) e Minas Gerais (Belo Horizonte - dois) são locais caracterizados como de transmissão canina e humana. Pôde-se evidenciar deslocamentos breves ou longos, a 14 municípios paulistas (Araçatuba, Birigui, Caraguatatuba, Cotia, Eldorado, Embu e Embu Guaçu, Guarujá, Ilha Bela, Itapecerica da Serra, Peruíbe, Presidente Prudente, São Roque e São Paulo Capital) e cinco Estados (Maranhão, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro e Santa Catarina). De acordo com a classificação sintomatológica 50% eram oligossintomáticos, 47,2% sintomáticos e 2,8% assintomáticos. As alterações cutâneas se localizavam principalmente em região cefálica, membros e região abdominal, incluíam-se: rarefação pilosa e/ou alopecia (45,7%), escamas (40%), ulcerações (37,1%) e crostas (37,1%), sendo o prurido associado em 63,9% dos casos. Os achados clínicos mais freqüentes foram: linfoadenomegalia (74%), pirexia (44,4%), disorexia (40,7%), emagrecimento (29,7%), hepato (29,7%) e esplenomegalia (25,6%). Asalterações laboratoriais foram: hiperproteinemia (56,5%), hipoalbuminemia (52,1%), anemia e trombocitopenia (34,8% cada). Correlacionando a técnica de imunoistoquímica com os exames de ELISA e RIFI, observou-se que a RIFI (100%) foi mais representativa dos casos positivos, em seguida ao exame de ELISA (87,5%) e ao de imunoistoquímica (37,5%). A técnica de imunoistoquímica, empregada em cortes histológicos de 12 (33%) permitiu evidenciar a presença do agente em sete (58,3%): dois (33,3%) oligossintomáticos e cinco (83,3%) sintomáticos. Desta forma, permite-se caracterizá-la como metodologia de inegável valia, superando os resultados positivos da histopatologia (30,8%).
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 29.11.2007
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      SONODA, Marcia Cristina; LARSSON, Carlos Eduardo. Leishmaniose visceral canina:: aspectos clínico-epidemiológicos de casos atendidos no período de 1997 a 2007, no Hospital Veterinário da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo. 2007.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/10/10136/tde-12122007-171752/ >.
    • APA

      Sonoda, M. C., & Larsson, C. E. (2007). Leishmaniose visceral canina:: aspectos clínico-epidemiológicos de casos atendidos no período de 1997 a 2007, no Hospital Veterinário da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/10/10136/tde-12122007-171752/
    • NLM

      Sonoda MC, Larsson CE. Leishmaniose visceral canina:: aspectos clínico-epidemiológicos de casos atendidos no período de 1997 a 2007, no Hospital Veterinário da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo [Internet]. 2007 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/10/10136/tde-12122007-171752/
    • Vancouver

      Sonoda MC, Larsson CE. Leishmaniose visceral canina:: aspectos clínico-epidemiológicos de casos atendidos no período de 1997 a 2007, no Hospital Veterinário da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo [Internet]. 2007 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/10/10136/tde-12122007-171752/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021