Exportar registro bibliográfico

Identificação do sangue ingerido, utilizando a técnica de ELISA, por fêmeas de Aedes scapularis do Parque Ecológico do Tietê, São Paulo, Estado de São Paulo (2007)

  • Authors:
  • Autor USP: VICENTIN, ELAINE CRISTINA MATOS - FSP
  • Unidade: FSP
  • Sigla do Departamento: HEP
  • Subjects: ECOLOGIA DE VETORES; AEDES; SANGUE; PREFERÊNCIAS ALIMENTARES; VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA; ELISA (INSTRUMENTAÇÃO)
  • Language: Português
  • Abstract: A febre do Nilo Ocidental é doença emergente em diversas regiões do mundo. O agente etiológico é vírus da família Flaviviridae que infecta aves, eqüinos e, acidentalmente, o homem. No Brasil o vírus não foi encontrado até o momento, entretanto, vem sendo realizada a vigilância epidemiológica com vistas à detecção precoce da presença do agente viral no país. O conhecimento do hábito alimentar dos mosquitos é importante para estudos em Saúde Pública, pois indica a potencialidade desses organismos para veicular agentes infecciosos que podem causar doenças. Assim, o uso do teste imunoenzimático ELISA (Enzyme Linked ImmunoSorbent Assay) indireto para a identificação do sangue ingerido por fêmeas de culicídeos é ferramenta importante para a definição e discussão do hábito alimentar das espécies. O objetivo do estudo foi investigar o sangue ingerido por fêmeas de Aedes scapularis capturadas no Parque Ecológico do Tietê (PET), situado na região metropolitana da Grande São Paulo. O PET apresenta diversos ambientes que são adequados a múltiplas espécies de mosquitos. As coletas foram realizadas, mensalmente, no período de junho de 2005 a junho de 2006. Nas coletas, forma utilizados aspiradores de Nasci, movidos à bateria. Foram escolhidas 04 áreas do PET. Esses locais foram determinados com base em estudos anteriores. Dessa maneira, foi possível escolher os ambientes que apresentavam, maior probabilidade de encontro de Aedes scapularis.Foram coletadas 843 fêmeas de Aedes scapularis. Dentre os insetos testados, os resultados obtidos foram: 67/336 (19,94 por cento) positivos para homem; 20/336 (5,95 por cento) positivos para aves; 129/336 (38,39 por cento) positivos para cão, 17/336 (5,06 por cento) positivos para rato, além de 103/336 (30,66 por cento) positivos para repastos múltiplos. A baixa positividade para ingestão de sangue de rato e de aves aponta o possível envolvimento de outros hospedeiros como fonte alimentar. Os resultados para o repasto múltiplo demonstram que os mosquitos alimentam-se do sangue de vários hospedeiros antes de realizar a oviposição.
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 27.07.2007

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      VICENTIN, Elaine Cristina; SALLUM, Maria Anice Mureb. Identificação do sangue ingerido, utilizando a técnica de ELISA, por fêmeas de Aedes scapularis do Parque Ecológico do Tietê, São Paulo, Estado de São Paulo. 2007.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.
    • APA

      Vicentin, E. C., & Sallum, M. A. M. (2007). Identificação do sangue ingerido, utilizando a técnica de ELISA, por fêmeas de Aedes scapularis do Parque Ecológico do Tietê, São Paulo, Estado de São Paulo. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Vicentin EC, Sallum MAM. Identificação do sangue ingerido, utilizando a técnica de ELISA, por fêmeas de Aedes scapularis do Parque Ecológico do Tietê, São Paulo, Estado de São Paulo. 2007 ;
    • Vancouver

      Vicentin EC, Sallum MAM. Identificação do sangue ingerido, utilizando a técnica de ELISA, por fêmeas de Aedes scapularis do Parque Ecológico do Tietê, São Paulo, Estado de São Paulo. 2007 ;


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021