Exportar registro bibliográfico

Taxonomia de invertebrados fósseis (Oligoceno-Mioceno) da Ilha Rei George (Antártica Ocidental) e paleobiogeografia dos bivalvia cenozóicos da Antártica (2007)

  • Authors:
  • Autor USP: QUAGLIO, FERNANDA - IGC
  • Unidade: IGC
  • Sigla do Departamento: GSA
  • Subjects: PALEONTOLOGIA DE INVERTEBRADOS; BIVALVIA; PALEOBIOGEOGRAFIA; CENOZOICO; ZOOLOGIA (CLASSIFICAÇÃO)
  • Language: Português
  • Abstract: As pesquisas apresentadas nesta dissertação integram o projeto CNPq-PROANTAR 550352/02-3 "Mudanças paleoclimáticas na Antártica durante o Cenozóico: o registro geológico terrestre", que estuda os depósitos cenozóicos da ilha Rei George em busca elucidação do histórico ambiental e climático desta região antártica. A evolução dos padrões de circulação marinha e atmosférica no Hemisfério Sul ocorreu em resposta ao isolamento geográfico e térmico da Antártica, resultado de sua separação da Austrália, no limite Eoceno/Oligoceno, e da América do Sul, no final do Oligoceno. Sob este aspecto, o estudo de organismos fósseis registrados nos depósitos cenozóicos da Antártica contribui para o entendimento das evoluções biológicas e ambientais ocorridas concomitantemente às mudanças paleogeográficas, oceanográficas e climáticas na região ao longo do Cenozóico. Frente à dificuldade de acesso, demanda logística e extensa cobertura de gelo, apenas uma pequena porção do registro geológico da Antártica está acessivel para pesquisa. Afloramentos da ilha Rei George registram as mudanças climáticas e ambientais ocorridas do Oligoceno ao Mioceno, incluindo evidências do primeiro evento de glaciação perene no oeste do continente (Oligoceno). A despeito da abundância de fósseis nos estratos cenozóicos da ilha, são poucos os trabalhos taxonômicos com descrição sistemática detalhada de bivalves fósseis. O primeiro módulo do presente estudo apresenta a descrição taxonômica de invertebrados dedepósitos cenozóicos aflorantes em duas localidades da ilha Rei George, Antártica ocidental. Da Formação Cape Melville (Mioceno), península Melville, foram descritos sete táxons de bivalves, incluindo seis espécies novas. Da Formação Polonez Cove (Oligoceno), Pico Vauréal, uma região previamente inexplorada paleontologicamente, foram descritos sete táxons de invertebrados (bivalves, braquiópodes, tubos de serpulídeos, briozoários e fragmentos de equinodermes), incluindo duas espécies novas. O segundo módulo corresponde à reunião dos gêneros de bivalves registrados em depósitos cenozóicos da Antártica. A análise do registro apontou para o conhecimento bastante incipiente sobre a diversidade de bivalves antárticos ao longo do Cenozóico. Além disso, a comparação entre gêneros de bivalves cenozóicos registrados na Antártica e Nova Zelândia revelou que a maior parte dos gêneros compartilhados está registrada em depósitos eocênicos, o que suporta o isolamento geográfico da Antártica e a redução do intercâmbio faunístico entre a Antártica e regiões periféricas após o Oligoceno. A análise do registro sugeriu um evento de dispersão intenso durante o Eoceno, e pequenos pulsos de dispersão após o Oligoceno. O padrão de distribuição dos táxons concorda parcialmente com as reconstituições de paleocorrentes disponíveis na literatura. A dispersão durante o Eoceno teria ocorrido da Antártica para a Nova Zelândia na direção do Atlântico para oPacífico. Este evento de dispersão concorda com a hipótese de existência de conexões marinhas de plataforma rasa entre o oeste e o leste da Antártica ("Passagem de Shackleton") e da província Weddeliana do final do Cretáceo ao Eoceno. Os eventos de dispersão pós-oligocênicos teriam ocorrido durante e após o estabelecimento da Corrente Circum-Antártica, não mais pela "Passagem de Shackleton", mas margeando a Antártica pelas bordas ocidental atlântica e oriental em direção à Nova Zelândia. A análise do registro dos bivalves cenozóicos da Antártica também concorda com a hipótese de glaciação perene a partir do início do Oligoceno na região leste do continente, e na metade do Oligoceno na região oeste, com temperaturas mais amenas que as observadas atualmente
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 11.10.2007
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      QUAGLIO, Fernanda; ANELLI, Luiz Eduardo. Taxonomia de invertebrados fósseis (Oligoceno-Mioceno) da Ilha Rei George (Antártica Ocidental) e paleobiogeografia dos bivalvia cenozóicos da Antártica. 2007.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44139/tde-25042008-153222/ >.
    • APA

      Quaglio, F., & Anelli, L. E. (2007). Taxonomia de invertebrados fósseis (Oligoceno-Mioceno) da Ilha Rei George (Antártica Ocidental) e paleobiogeografia dos bivalvia cenozóicos da Antártica. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44139/tde-25042008-153222/
    • NLM

      Quaglio F, Anelli LE. Taxonomia de invertebrados fósseis (Oligoceno-Mioceno) da Ilha Rei George (Antártica Ocidental) e paleobiogeografia dos bivalvia cenozóicos da Antártica [Internet]. 2007 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44139/tde-25042008-153222/
    • Vancouver

      Quaglio F, Anelli LE. Taxonomia de invertebrados fósseis (Oligoceno-Mioceno) da Ilha Rei George (Antártica Ocidental) e paleobiogeografia dos bivalvia cenozóicos da Antártica [Internet]. 2007 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44139/tde-25042008-153222/


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020