Exportar registro bibliográfico

Doenças pós-colheita em citros e caracterização da população fúngica em packinghouses e na Ceagesp-SP (2007)

  • Authors:
  • Autor USP: FISCHER, IVAN HERMAN - ESALQ
  • Unidade: ESALQ
  • Sigla do Departamento: LEF
  • Subjects: FRUTAS CÍTRICAS; MOFO VERDE; PODRIDÃO (DOENÇA DE PLANTA); PÓS-COLHEITA
  • Language: Português
  • Abstract: Este trabalho objetivou caracterizar os danos pós-colheita em frutos de laranja 'Valência' e de tangor 'Murcott', destinados à exportação, e em frutos de laranjas 'Pêra', 'Lima' e 'Natal' e de tangor 'Murcott', destinados ao mercado interno, após diferentes etapas do beneficiamento em packinghouse, em 2004 e 2005 e na Ceagesp-SP em 2006; identificar os pontos críticos e a magnitude de impacto em linhas de beneficiamento de citros dos packinghouses; e caracterizar a micoflora ambiental nos packinghouses e nos pontos de revenda de atacadistas da Ceagesp, assim como a micoflora da superfície de equipamentos e instalações e a presença de isolados de Penicillium spp. resistentes a fungicidas nos packinghouses. Frutos cítricos foram coletados na chegada ao packinghouse, após a pré-lavagem, após o desverdecimento, na banca, no palete e na Ceagesp, e armazenados durante 14 a 21 dias a 25 'graus'C e 85-90% de UR. A incidência de injúrias foi avaliada visualmente a cada três dias. Para a avaliação da magnitude de impactos nos pontos de transferência da linha de beneficiamento empregou-se uma esfera instrumentada com registrador de aceleração (G). A micoflora ambiental foi amostrada mediante o método gravimétrico, com placas de Petri, contendo meio batata-dextrose-ágar, abertas por dois minutos. A micoflora de superfície de equipamentos e instalações foi amostrada mediante placas Rodac. Observou-se baixa incidência (<3,5%) de podidões nos frutos destinados à exportação Asprincipais podridões encontradas em laranja 'Valência' e tangor 'Murcott' foram a podridão peduncular de Lasiodiplodia e a antracnose, respectivamente. Nos frutos para o mercado interno a incidência de podridões atingiu valores médios entre 12,8% e 36,2%, ao final do armazenamento, sendo o bolor verde a principal doença pós-colheita nos diferentes frutos cítricos. As injúrias mecânicas de oleocelose foram crescentes com o beneficiamento até a banca Conntinuação) embalagem e a aplicação de cera reduziu a incidência de frutos murchos. Na avaliação dos impactos na linha de beneficiamento do packinghouse de exportação, 95% dos impactos variaram entre 30-95 G. Já no packinghouse de mercado interno, 94% dos impactos variaram entre 24-131 G. A população fúngica no ambiente e na superfície do packinghouse de exportação foi de 12,3 e 52,3 ufc/placa, respectivamente, enquanto a população fúngica no packinghouse de mercado interno foi de 46,3 e 68,2 ufc/placa, respectivamente. Posição intermediária aos packinghouses foi observada na Ceagesp, com uma população fúngica ambiental de 25,3 ufc/placa. Cladosporium e Penicillium foram os gêneros fúngicos mais abundantes. A contaminação de "zonas limpas" nos packinghouses (lavagem dos frutos, banca, caixa e contêiner) não foi substancialmente menor que nas "zonas sujas" (recepção dos frutos e primeira seleção). A porcentagem de isolados de P. digitatum resistentes a tiabendazol foi de 25,9 no ambiente e de 30,1 na superfície dopackinghouse de exportação, enquanto que para imazalil foi de 1,5 no ambiente e de 16,0 na superfície. No packinghouse de mercado interno, a porcentagem de isolados de P. digitatum resistentes a tiabendazol foi de 51,9 no ambiente e de 39,2 na superfície, enquanto que para imazalil foi de 0,1 e 0,9, respectivamente
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 15.06.2007
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      FISCHER, Ivan Herman; AMORIM, Lilian. Doenças pós-colheita em citros e caracterização da população fúngica em packinghouses e na Ceagesp-SP. 2007.Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2007. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11135/tde-02102007-142426/ >.
    • APA

      Fischer, I. H., & Amorim, L. (2007). Doenças pós-colheita em citros e caracterização da população fúngica em packinghouses e na Ceagesp-SP. Universidade de São Paulo, Piracicaba. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11135/tde-02102007-142426/
    • NLM

      Fischer IH, Amorim L. Doenças pós-colheita em citros e caracterização da população fúngica em packinghouses e na Ceagesp-SP [Internet]. 2007 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11135/tde-02102007-142426/
    • Vancouver

      Fischer IH, Amorim L. Doenças pós-colheita em citros e caracterização da população fúngica em packinghouses e na Ceagesp-SP [Internet]. 2007 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11135/tde-02102007-142426/


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021