Exportar registro bibliográfico

Regime de distúrbio e dinâmica da regeneração natural na Floresta Pluvial Atlântica Submontana (2007)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: LIMA, RENATO AUGUSTO FERREIRA DE - ESALQ
  • Unidades: ESALQ
  • Sigla do Departamento: LCF
  • Subjects: CRESCIMENTO VEGETAL; ECOLOGIA DE COMUNIDADES; FLORESTAS PLUVIAIS; LUZ; MORTALIDADE; MATA ATLÂNTICA
  • Language: Português
  • Abstract: Em uma parcela permanente de 10,24 ha na Floresta Pluvial Atlântica Submontana do Parque Estadual Carlos Botelho (Sete Barras, SP, Brasil), este estudo teve o intuito de descrever o regime de distúrbio do dossel e avaliar a regeneração natural sob diferentes regimes de luz. Para tanto, foi realizado o levantamento de todas as clareiras da parcela, que foram mensuradas e tiveram sua idade aproximada estimada. Em seguida, foram instaladas 42 parcelas de 10x10m para avaliar a regeneração natural em três regimes luminosos: dossel contínuo (18 parcelas), clareiras pequenas a médias (11) e clareiras grandes com abundância de Guadua tagoara (Nees) Kunth (13). O regime de luz foi caracterizado por fotografias hemisféricas tomadas ao centro das parcelas. O estudo da regeneração natural foi divido em: estrato herbáceo (i.e., ervas menores que um metro de altura), avaliado através da cobertura do solo estimada pelo método de interceptação de linha; e estrato arbustivo, avaliado através dos indivíduos com altura maior que 1m, e com diâmetro à altura do peito menor que 5cm. Para estes indivíduos anotou-se a espécie, diâmetro, altura total e área de copa, além da presença de partes reprodutivas e substrato de germinação. Informações sobre hábito, grupo sucessional e síndrome de dispersão das espécies também foram obtidas. Após um ano, uma reavaliação permitiu analisar a mortalidade, danos, recrutamento e crescimento. Apesar de 67% das clareiras terem sido menores que 150 m2 , o regimede distúrbio foi atípico, principalmente pela contribuição de clareiras maiores que 750 m2 , e pela área média e total que variaram respectivamente de 419 a 799 m2 , e de 26 a 49%, dependendo do método de delimitação de clareira. A densidade foi de 6 clareiras.ha -1 e a taxa de recorrência variou entre 91 e 220 anos, dependendo dos métodos. Houve diferença significativa entre os ambientes para a ) maioria dos índices de luz, especialmente para a radiação total incidente com médias entre 909 e 2.400 mols.m-2.ano-1. Observou-se diferença significativa entre ambientes na cobertura por ervas, porém os resultados variaram entre espécies. No estrato arbustivo, houve diferença significativa na composição e abundância das espécies, inclusive entre clareiras médias e sub-bosque. A densidade de ervas e arbustos foi maior nos ambientes mais iluminados, assim como a densidade de pioneiras e secundárias iniciais. O recrutamento em um ano (16%) apresentou diferenças nos ambientes, com 63% dos recrutas apenas nas grandes clareiras. O mesmo não ocorreu com a taxa de mortalidade cujas principais causas foram os danos físicos e dessecamento. Para os 13% de indivíduos danificados em um ano, houve destaque para danos ligados à extração de palmito. Apenas os danos físicos naturais apresentaram diferença entre ambientes, com grandes clareiras sendo as mais danosas. No geral e entre as 25 espécies avaliadas separadamente, houve uma tendência de crescimento maior com o aumento daincidência luminosa. Clareiras pequenas a médias tiveram significativamente maior riqueza, diversidade e menor dominância de espécies que o sub-bosque. Clareiras grandes com bambu tiveram menor riqueza e diversidade, mas contribuíram com a manutenção da diversidade beta da parcela permanent
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 19.04.2007
  • Online source access
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      LIMA, Renato Augusto Ferreira de; GANDOLFI, Sergius. Regime de distúrbio e dinâmica da regeneração natural na Floresta Pluvial Atlântica Submontana. 2007.Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2007. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11150/tde-12062007-094338/ >.
    • APA

      Lima, R. A. F. de, & Gandolfi, S. (2007). Regime de distúrbio e dinâmica da regeneração natural na Floresta Pluvial Atlântica Submontana. Universidade de São Paulo, Piracicaba. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11150/tde-12062007-094338/
    • NLM

      Lima RAF de, Gandolfi S. Regime de distúrbio e dinâmica da regeneração natural na Floresta Pluvial Atlântica Submontana [Internet]. 2007 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11150/tde-12062007-094338/
    • Vancouver

      Lima RAF de, Gandolfi S. Regime de distúrbio e dinâmica da regeneração natural na Floresta Pluvial Atlântica Submontana [Internet]. 2007 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11150/tde-12062007-094338/


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020