Exportar registro bibliográfico

Estresse dos enfermeiros que atuam em unidades de terapia intensiva no Brasil (2007)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: GUERRER, FRANCINE JOMARA LOPES - EE
  • Unidades: EE
  • Sigla do Departamento: ENC
  • Subjects: ESTRESSE PROFISSIONAL; ENFERMAGEM EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA
  • Language: Português
  • Abstract: O presente estudo propõe um levantamento do nível de estresse e dos principais estressores presentes entre enfermeiros de unidades de terapia intensiva (UTI) das regiões geográficas do Brasil. A população estudada foi constituída por 263 enfermeiros atuantes nas UTIs dos diversos hospitais de alta complexidade das capitais dos Estados brasileiros. Os dados foram coletados utilizando-se a Escala Bianchi de Stress, constituída por caracterização sociodemográfica e 51 itens que versam sobre as atividades desempenhadas pelos enfermeiros. A análise estatística foi descritiva e inferencial, foi utilizado o alfa de Cronbach para avaliar a confiabilidade dos dados, os testes não-paramétricos de Man-Whitney e Kruskall-Wallis para testar a diferença nas classificações de grupos independentes, e a análise de variância ANOVA, quando o valor do teste foi significativo. Com a finalidade de promover a comparação e estudo dos dados, foi realizado o escore de estresse em 6 domínios, englobando o relacionamento (A), funcionamento da unidade (B), administração de pessoal (C), assistência de enfermagem (D), coordenação da unidade (E) e condições de trabalho (F). Os níveis obtidos foram classificados em baixo (até 3,0), médio (de 3,1 a 4,0), alerta (de 4,1 a 5,9) e alto (acima de 6,0). A amostra foi eminentemente feminina (91,6%), jovem (80,2% com menos de 40 anos), sendo a maioria da população com 2 a 5 anos de formado (34,6%), atuantes na UTI há aproximadamente 5 anos,sendo 87,8% enfermeiros assistenciais, 71,5% atuantes de UTI geral, 74,5% com pós-graduação Latu-Sensu, 38,8% atuantes na Região Nordeste. Os enfermeiros obtiveram escore individual de estresse entre 2,41 e 5,21, porém a maioria ficou entre médio e alerta. Considerando-se o escore de estresse por Região, obteve-se que SE>CO>N>NE>S para a análise dos 6 domínios, obteve-se C>F>E>D>B>A, independentemente da região ) geográfica a que pertencia o enfermeiro. A presença de uma pós-graduação para os domínios C e D apresentaram relação estatisticamente significante (p < 0,05), na qual foi encontrada diferença para os enfermeiros da Região Sudeste que apresentaram níveis mais elevados comparados aos da Região Nordeste. Fica patente que a resposta aos estressores da UTI depende da avaliação individual e que a administração de pessoal é um estressor presente em todas as Regiões Brasileiras
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 09.03.2007
  • Online source access
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      GUERRER, Francine Jomara Lopes; BIANCHI, Estela Regina Ferraz. Estresse dos enfermeiros que atuam em unidades de terapia intensiva no Brasil. 2007.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7139/tde-20042007-102303/ >.
    • APA

      Guerrer, F. J. L., & Bianchi, E. R. F. (2007). Estresse dos enfermeiros que atuam em unidades de terapia intensiva no Brasil. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7139/tde-20042007-102303/
    • NLM

      Guerrer FJL, Bianchi ERF. Estresse dos enfermeiros que atuam em unidades de terapia intensiva no Brasil [Internet]. 2007 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7139/tde-20042007-102303/
    • Vancouver

      Guerrer FJL, Bianchi ERF. Estresse dos enfermeiros que atuam em unidades de terapia intensiva no Brasil [Internet]. 2007 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7139/tde-20042007-102303/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020