Exportar registro bibliográfico

Os direitos fundamentais da criança e do adolescente e a discricionariedade do Estado (2006)

  • Authors:
  • Autor USP: LAMENZA, FRANCISMAR - FD
  • Unidade: FD
  • Sigla do Departamento: DCV
  • Subjects: DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE; ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE; DIREITO À VIDA; DIREITO À SAÚDE; DIREITO À EDUCAÇÃO; RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO
  • Language: Português
  • Abstract: Historicamente, vimos a vida das crianças e dos adolescentes permeada de episódios de violação a seus direitos fundamentais. No Brasil, em especial, temos inúmeros fatos a respeito, desde a época da colonização até os dias de hoje, passando pelas fases de industrialização e de expansão populacional. Neste trabalho, abordamos inicialmente os fatos que envolveram essas violações aos direitos infanto-juvenis. Em se tratando de tempos recentes, indicamos a evolução do Direito da Infância e da Juventude que se deu a partir da época do Código de Menores (Lei nº 6697/79). Com a promulgação da Constituição da República de 1988 e especialmente com o advento do Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei n° 8069/90), essas mudanças foram ainda mais significativas. Os direitos fundamentais da criança e do adolescente 4(vida, saúde, liberdade, respeito, dignidade, entre outros) 'foram detalhados neste trabalho, fazendo-se inclusive abordagem sobre sua incidência sobre o cotidiano infanto-juvenil. Também foram feitas comparações entre o modo como o Direito brasileiro aborda a temática da defesa desses direitos com o tratamento dado na esfera internacional, apontando-se para o Direito de vários países. Aqui também se faz uma síntese do pensamento doutrinário sobre a questão do Estado e dos fundamentos a respeito do poder que exerce sobre toda a sociedade. Faz-se uma análise do que vêm a ser a atuação vinculada e a discricionária, com ênfase nesta. Discute-se no trabalhoa amplitude dessa atividade por parte do Estado, questionando-se sua aplicação (ou não) de forma soberana em se tratando do Direito da Criança e do Adolescente. Faz-se essa abordagem devido à enorme resistência que o Poder Judiciário vinha enfrentando em relação ao tema. Era bastante comum vermos o questionamento dos direitos da criança e do adolescente na órbita judicial, sendo sempre alegado pelo Estado que não se poderia invadir sua competência administrati va. Como conseqüência, vários julgados apontavam para a impossibilidade de defesa de todo e qualquer direito fundamental indisponível das crianças e dos adolescentes pelo Ministério Público. bem como para a negativa de análise de atos administrativos, sob O argumento de independência entre os Poderes. No presente trabalho, conclui-se que felizmente esse panorama vem pouco a pouco sendo modificado. Constatou-se que são muitas as decisões em que magistrados abordam corajosamente o tema, reconhecendo a superioridade dos direitos fundamentais da criança e do adolescente em face do Estado, invocando sobre tudo os princípios de cooperação (entre família, sociedade e Poder Público) e de prioridade absoluta da infância e da juventude que deve ser dada por todos nós
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 12.12.2006

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      LAMENZA, Francismar; ELIAS, Roberto João. Os direitos fundamentais da criança e do adolescente e a discricionariedade do Estado. 2006.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.
    • APA

      Lamenza, F., & Elias, R. J. (2006). Os direitos fundamentais da criança e do adolescente e a discricionariedade do Estado. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Lamenza F, Elias RJ. Os direitos fundamentais da criança e do adolescente e a discricionariedade do Estado. 2006 ;
    • Vancouver

      Lamenza F, Elias RJ. Os direitos fundamentais da criança e do adolescente e a discricionariedade do Estado. 2006 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021