Exportar registro bibliográfico

Obtenção de levedura híbrida fluorescente e resistente a nistatina (2007)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: BERTINI, SIMONE CRISTINA BRAGA - ESALQ
  • Unidades: ESALQ
  • Sigla do Departamento: LGN
  • Subjects: ANTIFÚNGICOS; CANA-DE-AÇÚCAR; FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA; LEVEDURAS; MELHORAMENTO GENÉTICO
  • Language: Português
  • Abstract: A contaminação de dornas por leveduras selvagens pode prejudicar o rendimento e a produtividade da produção industrial de etanol, inexistindo métodos eficientes para o controle deste tipo de contaminação. Facilidade, rapidez e o baixo custo seriam características desejáveis para o controle de leveduras que eventualmente contaminam o processo de fermentação. Com este objetivo, TAVARES (1989) desenvolveu um processo de produção de etanol com o controle de leveduras contaminantes, que utiliza um híbrido M606 de Saccharomyces cerevisiae de alta produtividade e resistente a nistatina, um antifúngico de amplo espectro que pode ser usado para garantir a pureza genética do inóculo industrial. Para facilitar a identificação de leveduras GOMES et al. (2000), utilizaram a propriedade de fluorescência expressada pelo gene GFP \"Green Fluorescent Protein\" sob o controle do promotor da da ADH2 em baixas concentrações de glicose. Associar estas duas propriedades em uma levedura industrial permitiria manter a pureza do inóculo e facilitaria a sua identificação. Com este objetivo, foram efetuados experimentos de transformação genética do híbrido M606 com o plasmídio pYGFP3 construído por Gomes et al (2000), sem obter o sucesso desejado. Por isto, como passo inicial para obtenção de ambas propriedades em híbrido altamente produtivo, optou-se pela metodologia de cruzamentos entre uma linhagem segregante haplóide resistente a nistatina M606-2c(n) e a linhagem X2904- GFP3 portadora doplasmídio pYGFP3. Alguns híbridos deste cruzamento natural foram selecionados, para posterior avaliação do nível de resistência à nistatina, da estabilidade do plasmídio pYGFP3 e da capacidade fermentativa. Verificou-se que os híbridos selecionados (P16, P34 e P42) foram capazes de crescer numa concentração de 10mg.L-1 de nistatina. Contudo, detectou-se instabilidade do plasmídio pYGFP3 em todos os ) híbridos selecionados. Os híbridos P34 e P42 demonstraram uma capacidade fermentativa inferior às linhagens controle, o que pode ser explicado pela fragilidade do sistema de membranas decorrente da natureza da resistência à nistatina. O híbrido P16 não apresentou diferenças na capacidade de fermentação em relação as linhagens controle. Apesar de obter híbridos resistentes a nistatina expressando o gene GFP3, verifica-se que há necessidade de modificar o plasmídio pYGFP3 tornando-o integrativo no genoma da levedura, para permitir a estabilidade do gene GFP3
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 06.02.2007
  • Online source access
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      BERTINI, Simone Cristina Braga; TAVARES, Flavio Cesar Almeida. Obtenção de levedura híbrida fluorescente e resistente a nistatina. 2007.Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2007. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11138/tde-14032007-150445/ >.
    • APA

      Bertini, S. C. B., & Tavares, F. C. A. (2007). Obtenção de levedura híbrida fluorescente e resistente a nistatina. Universidade de São Paulo, Piracicaba. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11138/tde-14032007-150445/
    • NLM

      Bertini SCB, Tavares FCA. Obtenção de levedura híbrida fluorescente e resistente a nistatina [Internet]. 2007 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11138/tde-14032007-150445/
    • Vancouver

      Bertini SCB, Tavares FCA. Obtenção de levedura híbrida fluorescente e resistente a nistatina [Internet]. 2007 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11138/tde-14032007-150445/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020