Exportar registro bibliográfico

Fungos associados às sementes de ipê-amarelo (Tabebuia serratifolia), ipê-roxo (Tabebuia impetiginosa), aroeira-pimenteira (Schinus terebinthifolius) e aroeira-salsa (Schinus molle): incidência, efeitos na germinação, transmissão para plântulas e controle (2007)

  • Authors:
  • Autor USP: BOTELHO, LUANA DA SILVA - ESALQ
  • Unidade: ESALQ
  • Sigla do Departamento: LEF
  • Subjects: AROEIRA; FUNGICIDAS; GERMINAÇÃO DE SEMENTES; IPÊ; FUNGOS FITOPATOGÊNICOS (PATOGENICIDADE)
  • Language: Português
  • Abstract: Os objetivos deste trabalho foram detectar e identificar os fungos presentes em amostras de sementes de ipê-amarelo (Tabebuia serratifolia), ipê-roxo (Tabebuia impetiginosa), aroeira-pimenteira (Schinus terebinthifolius) e aroeira-salsa (Schinus molle), coletadas em diferentes localidades (Piracicaba-SP, Mogi-Guaçu-SP, Rio das Pedras-SP, Ijaci-MG, Itumirim-MG e Lavras-MG) uma parte das amostras foram submetidas à assepsia e a outra não; verificar o efeito desses fungos na germinação dessas sementes; avaliar a transmissão de fungos das sementes para as plântulas; avaliar a patogenicidade de Pestalotiopsis sp. em mudas de aroeira-pimenteira e comparar o efeito de diferentes fungicidas (captam, carbendazim+tiram e carboxim+tiram) na incidência dos fungos e na germinação. Constatou-se que os fungos mais frequentes e em maior incidência encontrados associados às sementes, tanto de ipê-amarelo quanto de ipê-roxo, foram Cladosporium sp., Alternaria alternata, Epicoccum sp., Phoma sp., Geotrichum sp., Penicillium sp., Trichothecium sp., Phomopsis sp., Drechslera sp., Aspergillus spp., Curvularia sp. e Fusarium spp. De maneira geral, a assepsia proporcionou uma redução drástica de todos os fungos, em ambas espécies. Não houve diferença significativa na porcentagem de plântulas normais, entre as amostras, porém o tratamento com hipoclorito de sódio, reduziu a germinação em 64%. Na transmissão observou-se, em média, 17% e 10% de plântulas com sintomas, nas amostras semassepsia e com assepsia, respectivamente. Os fungos mais freqüentes transmitidos pelas sementes de ipê foram: Alternaria alternata., Fusarium spp., Aspergillus spp., Phoma sp. e Phomopsis sp. Em relação às espécies de aroeira, os fungos quantificados foram Cladosporium sp., Alternaria alternata, Aspergillus spp., Pestalotiopsis sp., Penicillium sp., Fusarium spp., Epicoccum sp., Nigrospora sp., Curvularia sp., ) Drechslera sp., Trichoderma sp., Myrothecium sp. e Phoma sp. A assepsia reduziu ou manteve a incidência dos fungos, exceto para Pestalotiopsis sp. e Aspergillus spp. que aumentaram em algumas amostras de sementes de aroeira-pimenteira. Não houve diferença estatística da germinação das com e sem assepsia e entre amostras; para aroeira-salsa não verificou-se germinação. Foi confirmada a transmissão, principalmente dos fungos Cladosporium sp., Aspergillus spp. e Pestalotiopsis sp. Em mudas de aroeira-pimenteira verificou-se a patogenicidade de Pestalotiopsis sp. No tratamento de sementes com fungicidas, todos, de uma maneira geral, mostram resultados satisfatórios no controle de todos os fungos detectados, tanto para ipê quanto para aroeira. Captam apresentou resultado satisfatório principalmente em sementes de ipê, onde não foi verificado efeito fitotóxico em relação aos demais fungicidas comparados. Porém, o uso de copolímero de poliéter e silicone, um espalhante adesivo utilizado para facilitar a distribuição do produto, interferiu de forma negativa nosresultados de germinação de sementes de ipê; para aroeira não foi verificado este efeito. Torna-se necessário comparar diferentes doses e produtos para não só controlar fungos associados às sementes mas evitar problemas durante a germinação das mesmas e garantir a produção de mudas sadias e vigorosas em viveiros.
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 31.01.2007
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      BOTELHO, Luana da Silva; MENTEN, Jose Otavio Machado. Fungos associados às sementes de ipê-amarelo (Tabebuia serratifolia), ipê-roxo (Tabebuia impetiginosa), aroeira-pimenteira (Schinus terebinthifolius) e aroeira-salsa (Schinus molle): incidência, efeitos na germinação, transmissão para plântulas e controle. 2007.Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2007. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11138/tde-08032007-142028/ >.
    • APA

      Botelho, L. da S., & Menten, J. O. M. (2007). Fungos associados às sementes de ipê-amarelo (Tabebuia serratifolia), ipê-roxo (Tabebuia impetiginosa), aroeira-pimenteira (Schinus terebinthifolius) e aroeira-salsa (Schinus molle): incidência, efeitos na germinação, transmissão para plântulas e controle. Universidade de São Paulo, Piracicaba. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11138/tde-08032007-142028/
    • NLM

      Botelho L da S, Menten JOM. Fungos associados às sementes de ipê-amarelo (Tabebuia serratifolia), ipê-roxo (Tabebuia impetiginosa), aroeira-pimenteira (Schinus terebinthifolius) e aroeira-salsa (Schinus molle): incidência, efeitos na germinação, transmissão para plântulas e controle [Internet]. 2007 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11138/tde-08032007-142028/
    • Vancouver

      Botelho L da S, Menten JOM. Fungos associados às sementes de ipê-amarelo (Tabebuia serratifolia), ipê-roxo (Tabebuia impetiginosa), aroeira-pimenteira (Schinus terebinthifolius) e aroeira-salsa (Schinus molle): incidência, efeitos na germinação, transmissão para plântulas e controle [Internet]. 2007 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11138/tde-08032007-142028/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020