Exportar registro bibliográfico

Staphylococcus aureus e Staphylococcus aureus meticilina resistentes (MRSA) em profissionais de saúde e as interfaces com as infecções nosocomiais (2006)

  • Authors:
  • Autor USP: PALOS, MARINÉSIA APARECIDA PRADO - ENFERM
  • Unidade: ENFERM
  • Sigla do Departamento: Interunidades
  • Subjects: INFECÇÕES ESTAFILOCÓCICAS; INFECÇÃO HOSPITALAR; OCUPAÇÕES EM SAÚDE
  • Language: Português
  • Abstract: Introdução: o Staphylococcus aureus consiste em importante microrganismo no ambiente nosocomial, disseminado principalmente pelas mãos dos profissionais de saúde. É com essa compreensão acerca da temática, que nos propusemos realizar esta investigação. Objetivos: avaliar a prevalência de Staphylococcus aureus e de Staphylococcus aureus meticilina resistentes (MRSA) em profissionais das equipes médicas e de enfermagem de uma instituição de saúde de Goiânia-GO, e as interfaces com as infecções nosocomiais; e caracterizar o perfil fenotípico dos Staphylococcus aureus. Material e método: estudo realizado com as equipes médicas e de enfermagem, das unidades de terapia intensiva, clínica médica, clínica cirúrgica, gineco/obstétrica e centro cirúrgico de uma instituição de saúde de Goiânia-Goiás. Desenvolvido no período de agosto de 2005 a julho de 2006. Foi coletada a saliva de 268 profissionais, em 3 momentos distintos, o que resultou em 804 amostras analisadas. As amostras foram semeadas em ágar manitol e as colônias desenvolvidas contadas e submetidas à fenotipagem e teste de suscetibilidade aos antimicrobianos, determinado pelo método de difusão de disco. Os resultados foram submetidos à análise quantitativa, por meio de estatística descritiva, utilizando-se programa Epi-Info (versão 3.3.2-Center for Disease Control). Resultados: dos 268 profissionais da saúde que concordaram em participar da pesquisa, analisaram-se 804 amostras de saliva; dessas osStaphylococcus aureus foram isolados de 404 amostras, correspondendo a 227 profissionais colonizados. Identificou-se que 9,7% (26/268) dos profissionais da saúde investigados, eram portadores de MRSA O fenótipo MLSB (macrolídeos, lincosaminas e estreptogaminas) foi detectado em 11,2% (46/409) dos Staphylococcus aureus. Destes, 8,7% resistentes à oxacilina. No tocante ao perfil dos profissionais da saúde colonizados por MRSA quanto à categoria profissional, ) destacou-se que 61,5% eram técnicos de enfermagem, 19,2% eram enfermeiros, 15,4% eram médicos e 3,8% auxiliares de enfermagem. Quanto ao local de trabalho dos profissionais da saúde acometidos por MRSA, identificou-se a UTI clínica (26,9%), seguida pela clínica médica (19,2%), pela UTI cirúrgica (15,4%), pela clínica cirúrgica (15,4%), pela clínica gineco/obstétrica (15,4%) e pelo centro cirúrgico (7,7%). A produção de lecitinase foi identificada em 48,5% dos Staphylococcus aureus isolados dos (130/268) profissionais da saúde que participaram das três coletas. Quanto à adesão dos profissionais da saúde aos equipamentos de proteção individual (EPI), durante a assistência direta ao cliente, verificou-se que 92,9% deles os utilizavam e 3,4% não os utilizavam sendo que de 3,7% não se teve o questionário recuperado. Dos que utilizavam EPI, a luva foi a mais usada por 93,7% dos profissionais, seguido pela máscara, (92,9%) e pelo jaleco (88,4%). Apesar de somente 3,4% não utilizarem os EPI, essa conduta é preocupantese considerar as suas justificativas: desinteresse, esquecimento, comprometimento do visual, entre outros. Em se tratando de MRSA, um único profissional é capaz de disseminar esse microrganismo tanto no local de trabalho como na comunidade em geral. Conclusão: a colonização de profissionais da saúde por Staphylococcus aureus meticilina resistentes é uma realidade, constituindo-se fonte potencial de infecção nosocomial grave podendo ter impacto na saúde dos clientes, dos familiares e do próprio profissional. Os resultados sinalizam a fragilidade da adesão dos profissionais de saúde às medidas preventivas. Dessa forma, recomenda-se a elaboração de estratégias específicas direcionadas a esses profissionais, acerca do MRSA, para que possam ser implementadas nas instituições de saúde, com vistas à adesão deles a tais medidas e, conseqüentemente, à diminuição dos índices de infecções ) hospitalares. Acredita-se que os resultados desta pesquisa levem a vislumbrar a construção de um banco de dados epidemiológicos sobre Staphylococcus aureus meticilina resistentes, na instituição, e que possam oferecer subsídios para um sistema de vigilância prospectiva populacional dessa bactéria, entre os profissionais de saúde da instituição referida
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 04.11.2006
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      PALOS, Marinésia Aparecida Prado; GIR, Elucir. Staphylococcus aureus e Staphylococcus aureus meticilina resistentes (MRSA) em profissionais de saúde e as interfaces com as infecções nosocomiais. 2006.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2006. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/83/83131/tde-15012007-174556/ >.
    • APA

      Palos, M. A. P., & Gir, E. (2006). Staphylococcus aureus e Staphylococcus aureus meticilina resistentes (MRSA) em profissionais de saúde e as interfaces com as infecções nosocomiais. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/83/83131/tde-15012007-174556/
    • NLM

      Palos MAP, Gir E. Staphylococcus aureus e Staphylococcus aureus meticilina resistentes (MRSA) em profissionais de saúde e as interfaces com as infecções nosocomiais [Internet]. 2006 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/83/83131/tde-15012007-174556/
    • Vancouver

      Palos MAP, Gir E. Staphylococcus aureus e Staphylococcus aureus meticilina resistentes (MRSA) em profissionais de saúde e as interfaces com as infecções nosocomiais [Internet]. 2006 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/83/83131/tde-15012007-174556/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021