Exportar registro bibliográfico

A oralidade em o dia dos prodígios, de Lídia Jorge (2006)

  • Authors:
  • Autor USP: NUNES, ELIDA JACOMINI - FFLCH
  • Unidade: FFLCH
  • Sigla do Departamento: FLC
  • Subjects: LITERATURA PORTUGUESA (CRÍTICA E INTERPRETAÇÃO); ROMANCE; NARRATIVA (ANÁLISE)
  • Language: Português
  • Abstract: Nesta tese, apresenta-se um estudo sobre a oralidade presente em O Dia dos Prodígios, obra da autora portuguesa Lídia Jorge, em que é possível identificar alusões à Revolução dos Cravos, quando se atenta à estranheza dos fenômenos ocorridos com os habitantes da aldeia nomeada Vilamaninhos cuja principal característica é o emprego da língua oral como única forma de expressão lingüística entre seus moradores. O microcosmo de Vilamaninhos é composto por indivíduos iletrados em sua quase totalidade. As barreiras impostas pela dificuldade de comunicação causam o isolamento da aldeia em relação aos centros urbanos desenvolvidos, restando ao povo da aldeia compartilhar as condições arcaicas de vida.O propósito deste estudo é identificar, a partir do aporte teórico da Análise da Conversação, as estratégias empregadas pela autora na representação da oralidade em sua narrativa literária. Entende-se que O Dia dos Prodígios apresenta características da fala não só na explicitação dos diálogos entre as personagens, mas em toda sua escrita. A oralidade é representada, além de por palavras, também por recursos gráficos, de estruturação do texto, gerando a sensação, no leitor, de ouvir e de ver as personagens em interação, ao longo da narrativa. A identificação dos elementos de oralidade constantes da narrativa permite, como em circunstâncias reais de conversação, sob perspectiva ideológica, conhecer os indivíduos nesse processo inseridos, por meio do quedizem, explicitam e, inclusive, do que dissimulam. O ) indivíduo é a chave, o ponto de partida para se conhecer o grupo social a que ele pertence. Pela Análise da Conversação, em O Dia dos Prodígios obtêm-se indícios sobre a sociedade e suas relações de conflito. Os papéis sociais são manifestos pela oralidade, ao mesmo tempo em que, por outro lado, a competência do indivíduo, ao se expressar pela fala, é um fator importante no estabelecimento de seu papel face ao seu grupo social.A linguagem empregada por Lídia Jorge, na caracterização das personagens de sua obra, representa a oralidade, sem ser caricata ou pejorativa. A oralidade de O Dia dos Prodígios é um artifício com o que se enseja a reflexão sobre língua, interação, desenvolvimento humano e social
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 26.09.2006
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      NUNES, Élida Jacomini; BRIDI, Marlise Vaz. A oralidade em o dia dos prodígios, de Lídia Jorge. 2006.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8150/tde-24082007-145522/ >.
    • APA

      Nunes, É. J., & Bridi, M. V. (2006). A oralidade em o dia dos prodígios, de Lídia Jorge. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8150/tde-24082007-145522/
    • NLM

      Nunes ÉJ, Bridi MV. A oralidade em o dia dos prodígios, de Lídia Jorge [Internet]. 2006 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8150/tde-24082007-145522/
    • Vancouver

      Nunes ÉJ, Bridi MV. A oralidade em o dia dos prodígios, de Lídia Jorge [Internet]. 2006 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8150/tde-24082007-145522/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021