Exportar registro bibliográfico


Metrics:

Amamentação em mulheres que trabalham: o não trabalho no trabalho (2006)

  • Authors:
  • Autor USP: MEDEIROS, IVANY YARA DE - FSP
  • Unidade: FSP
  • Sigla do Departamento: HSP
  • DOI: 10.11606/D.6.2006.tde-05052008-195957
  • Subjects: ALEITAMENTO MATERNO; TRABALHO FEMININO; CONHECIMENTOS, ATITUDES E PRÁTICA; PROMOÇÃO DA SAÚDE
  • Language: Português
  • Abstract: Introdução- Versa sobre as relações da mulher que trabalha com a amamentação culminando com uma pesquisa de campo que procura ouvir as mulheres em sua realidade objetiva, à parte da lógica sanitária e da lógica laboral. Objetivo: Avaliar as dificuldades e disponibilidade para amamentação em mulheres que trabalham através de suas representações sociais. Método: foram pesquisados dois grupos de mulheres que trabalham com filhos entre 4 e 24 meses de idade, através de um questionário semi-estruturado gravado de fita-magnética. A partir das respostas, foram selecionadas as representações sociais das mães referentes aos diferentes tópicos das perguntas utilizando-se o método do Discuros do Sujeito Coletivo (DSC). Em sequência foram elaborados os Discursos do Sujeito Coletivo globais que, em seguida, foram subdivididos formando dois novos DSCs de acordo com os dois grupos em questão. Resultados: Foram entrevistadas 54 mulheres divididas entre menor renda e maior renda sendo comparados os DSCs relativos a esses extratos. Os dados quantitativos mais significativos foram os que demostraram que, quanto maior o nível profissional da mulher (executivas e profissionais liberais) mais cedo retorna ao trabalho (uma média de respectivamente 3,3 e 3,5 meses após o parto). As semi-graduados, que tem normalmente proteção legal (CLT) e cobertura das empresas retornam após 5,4 meses. Já as não graduadas (trabalhadoras mais simples) retornam após 4,4 meses, em média.Com relação aos dados qualitativos os DSCs mais representativos foram: a) os que demosntram a importância do trabalho na vida dessas mulheres. Trabalha por satisfação pessoal: 34,62 por cento; não consegue imaginar a vida sem trabalho: 32,35 por cento e b) como enxergam a amamentação: toda mulher tem que amamentar porque é bom para a saúde do bebê: 38,82 por cento ; é complicado amamentar por cauda dos horários das mamadas e distância do serviço 25,29 por cento; acha errado, um absurdo as mulheres que não amamentam seus filhos: 22,58 por cento. Conclusões: As mulheres entrevistadas têm uma boa noção sobre valores da amamentação e são, em seus discursos, favoráveis a sua prática. Quanto ao trabalho, é encarado de forma intensa e satisfatória. Existe um reconhecimento das dificuldades em conciliar os dois papéis e, no caso de optar, acabam abrindo mão de uma amamentação mais plena ou prolongada.
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 16.08.2006
  • Acesso à fonteAcesso à fonteAcesso à fonteDOI
    Informações sobre o DOI: 10.11606/D.6.2006.tde-05052008-195957 (Fonte: oaDOI API)
    • Este periódico é de acesso aberto
    • Este artigo é de acesso aberto
    • URL de acesso aberto
    • Cor do Acesso Aberto: gold
    • Licença: cc-by-nc-sa

    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      MEDEIROS, Ivany Yara de; LEFÈVRE, Fernando. Amamentação em mulheres que trabalham: o não trabalho no trabalho. 2006.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006. Disponível em: < http://hygeia.fsp.usp.br/laudio/mp3/teses/2008/med001.mp3 > DOI: 10.11606/D.6.2006.tde-05052008-195957.
    • APA

      Medeiros, I. Y. de, & Lefèvre, F. (2006). Amamentação em mulheres que trabalham: o não trabalho no trabalho. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://hygeia.fsp.usp.br/laudio/mp3/teses/2008/med001.mp3
    • NLM

      Medeiros IY de, Lefèvre F. Amamentação em mulheres que trabalham: o não trabalho no trabalho [Internet]. 2006 ;Available from: http://hygeia.fsp.usp.br/laudio/mp3/teses/2008/med001.mp3
    • Vancouver

      Medeiros IY de, Lefèvre F. Amamentação em mulheres que trabalham: o não trabalho no trabalho [Internet]. 2006 ;Available from: http://hygeia.fsp.usp.br/laudio/mp3/teses/2008/med001.mp3

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021