Exportar registro bibliográfico

Expressão de Quimiocinas em pacientes com leucemias agudas (2006)

  • Authors:
  • Autor USP: PAIXÃO, BEATRIZ MARIA DE CARVALHO - FMRP
  • Unidade: FMRP
  • Sigla do Departamento: RCM
  • Subjects: LEUCEMIA; EXPRESSÃO GÊNICA
  • Language: Português
  • Abstract: O grande aumento do número de células observado nos tecidos neoplásicos ocorre devido à perda da homeostase dos tecidos que é determinada pelo equilíbrio entre a proliferação e a apoptose. As principais causas deste desequilíbrio são as mutações do tipo fusões gênicas, deleções, inserções e substituições. No desenvolvimento do câncer, as quimiocinas exercem um papel importante. Citocinas quimioatrativas ou quimiocinas são uma superfamília de proteínas secretoras subdivididas entre quatro grupos baseados na posição relativa de seus resíduos de cisteína. Em humanos existem aproximadamente 50 tipos diferentes de quimiocinas. A produção de quimiocinas em câncer está diretamente relacionada com a natureza e extensão da infiltração de leucócitos. No entanto, não estão totalmente determinadas quais são as quimiocinas características de um determinado tipo de câncer humano. Identificando-se que, a produção de quimiocina é maior em cânceres em relação a tecidos normais, é possível determinar que quimiocinas circulantes possam ser úteis ao tumor além de poderem ser utilizadas como marcadores prognósticos. Podemos relacionar a expressão diferencial de quimiocinas e seus receptores a processos de invasão e acúmulo de células leucêmicas em diversos tecidos. Em Leucemia Mielóide Aguda (LMA), podemos encontrar diferentes padrões de expressão de quimiocinas ao longo dos diferentes subtipos classificados de acordo com a FAB. Em Leucemia linfóide Aguda (LLA) a migração e otráfego de células precursoras malignas estão envolvidos com produção diferencial de quimiocinas específicas. O estudo das quimiocinas vem sendo importante para o entendimento dos processos que regulam a migração e disseminação dos clones malignos. Os mecanismos envolvidos com a regulação e tráfego de células leucêmicas não estão totalmente esclarecidos. Nosso trabalho demonstrou, através de análises qualitativas (RT-PCR), semi-quantitativas(RT-PCR) e ) quantitativas (Q-PCR), a expressão diferencial de 5 genes : Paxillina (PXN), o receptor Interleucina 8 receptor beta (IL8RB), e seu ligante Interleucina 8 (IL8), o receptor de quimiocina da família CXC (CXCR4), e seu ligante CXCL12, em 23 amostras de pacientes portadores de leucemias agudas em comparação com 10 amostras de tecidos controles normais. Dos genes analisados, CXCR4 foi o que apresentou um melhor padrão de expressão diferencial entre amostras normais e tumorais, sendo mais expresso em pacientes com leucemia, e entre LMA e LLA, sendo mais expresso dentro das LLAs. O gene IL8 se mostrou com expressão elevada em praticamente todas as amostras analisadas
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 09.02.2006

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      PAIXÃO, Beatriz Maria de Carvalho; SILVA JÚNIOR, Wilson Araújo da. Expressão de Quimiocinas em pacientes com leucemias agudas. 2006.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2006.
    • APA

      Paixão, B. M. de C., & Silva Júnior, W. A. da. (2006). Expressão de Quimiocinas em pacientes com leucemias agudas. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Paixão BM de C, Silva Júnior WA da. Expressão de Quimiocinas em pacientes com leucemias agudas. 2006 ;
    • Vancouver

      Paixão BM de C, Silva Júnior WA da. Expressão de Quimiocinas em pacientes com leucemias agudas. 2006 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021