Exportar registro bibliográfico

História evolutiva das metaloproteases AAA (2004)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: MARBACH, PHELLIPPE ARTHUR SANTOS - ESALQ
  • Unidades: ESALQ
  • Sigla do Departamento: LGN
  • Subjects: EVOLUÇÃO MOLECULAR; FILOGENIA; PROTEÍNAS DE PLANTAS
  • Language: Português
  • Abstract: As metaloproteases AAA são ubíquas nos Domínios Bacteria e Eukarya, contudo não são encontradas no domínio Archaea. Estas enzimas são proteínas integrais de membrana e estão envolvidas em processos celulares centrais como respiração celular, fotossíntese e biogênese de organelas. A metaloprotease AAA de Escherichia coli denominada FtsH é o membro mais estudado deste grupo de proteínas. A análise da distribuição dos genes que codificam esta enzima em genomas procarióticos revelou que a grande maioria das espécies bacterianas possuem apenas uma isoforma deste gene no genoma. A existência de mais de uma mais de uma isoforma de FtsH por genoma parece estar limitada a alguns grupos bacterianos. A análise filogenética das metaloproteases AAA bacterianas mostrou a existência de três isoformas distintas resultantes de antigos eventos de duplicação. Estas isoformas possuem grande similaridade em nível de estrutura primária e secundária. A análise filogenética das metaloproteases eucarióticas mostrou que elas podem ser agrupadas em cinco clados. Membros de um mesmo clado foram preditos terem a mesma localização subcellular, plastídeo or mitocôndria. Os clados plastidiais foram denominados FtsHp1, FtsHp2 e FtsHp3, e os mitocondriais, FtsHm1 e FtsHm2. A distribuição das metaloproteases AAA nos domínios da vida, bem como sua localização subcelular, sugerem uma origem endossimbiótica para os represe,ntantes eucarióticos. De fato, a análise filogenéticadas metaloproteases AAA eucarióticas e bacterianas mostrou uma relação de ancestralidade entre metaloproteases AAA de cianobactérias e plastidiais O mesmo foi observado entre as metaloproteases eucarióticas do grupo FtsHm1 e o ancestral das atuais proteobactérias. Surpreendentemente, esta análise filogenética sugere que as FtsHm2s originaram de um evento de transferência horizontal entre uma bactéria da divisão CFB e a célula eucariota primitiva. A localização subcelular das FtsHp1, FtsHp2 e FtsHm1 de cana-deaçúcar foi estudada para testar hipótese de que o perfil filogenético das metaloproteases AAA de plantas pode ser usado para determinar a sua localização subcelular. Fusões gênicas envolvendo a seqüência de direcionamento destas proteínas e GFP (Green Fluorescent Protein) foram expressas em céluas do epitélio de cebola e a localização da GFP foi feita em microscópio de fluorescência. A GFP fusionada à seqüência de direcionamento das FtsHp1 e FtsHp2 foi direcionada para os plastídeos enquanto que a GFP fusionada à seqüência de direcionamento da FtsH-m 1 foi enviada para as mitocôndrias. Os resultados confirmam a hipótese de que localização subcelular das metaloproteases AAA vegetais pode ser predita com base no seu perfil filogenético
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 30.04.2004

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      MARBACH, Phellippe Arthur Santos; SILVA FILHO, Márcio de Castro. História evolutiva das metaloproteases AAA. 2004.Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2004.
    • APA

      Marbach, P. A. S., & Silva Filho, M. de C. (2004). História evolutiva das metaloproteases AAA. Universidade de São Paulo, Piracicaba.
    • NLM

      Marbach PAS, Silva Filho M de C. História evolutiva das metaloproteases AAA. 2004 ;
    • Vancouver

      Marbach PAS, Silva Filho M de C. História evolutiva das metaloproteases AAA. 2004 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020