Exportar registro bibliográfico

Propriedades espectrais das plantas no infravermelho termal (2,5 - 14 um): da química ao dossel (2005)

  • Authors:
  • Autor USP: LUZ, BEATRIZ RIBEIRO DA - IB
  • Unidade: IB
  • Sigla do Departamento: BIE
  • Subjects: PLANTAS; ÓPTICA; DOSSEL (BOTÂNICA)
  • Language: Português
  • Abstract: Este trbalho explora as propriedades óticas das plantas no infravermelho termal para avaliar como esse tipo de dado poderia ser usado em estudos de ecossistemas, tanto no laboratório, quanto no campo, ou com sensoriamento remoto, e também, para analisar vários aspectos da química de diferentes espécies. Espectros de refletância total atenuada (ATR) das folhas mostram bandas de absorção devidas às vibrações moleculares de diferentes compostos, e quando ATR de folhas frescas foi comparado com espectros de compostos padrões selecionados, foi possível relacionar bandas das folhas com bandas de celulose, cutina, sílica ('alfa' quartzo microcristalino), água e triterpeno ácido. Usando um procedimento de busca foi possível localizar espécies com características químicas semelhantes, dentro de uma biblioteca espectral. Potenciais fontes de variações foram exploradas para comprrender se o ATR poderia ser usado na identificação de espécies. Variações temporais, espaciais e posicionais. Por exemplo, folhas de sol mostraram diferenças espectrais de folhas de sombra. Espectros das superfícies adaxiais quase sempre eram diferentes das abaxiais. Indivíduos da mesma espécies quase sempre mostraram espectros muito similares. Numa simulação de um estudo ecológico de campo usando ATR como ferramenta para a identificação de espéces, 82% dos indivíduos foram corretamente identificados. Imagens de microscopia de varredura (SEM) das folhas foram usadas com medidas de refletância hemisféricadirecional (DHR) para estudar os efeitos da tridimensionalidade estrutural sobre o comportamento espectral. Por exemplo, estruturas formadas pelas ceras na superfície foliar podem causar atenuação das características espectrais devidas ao efeito Holblaum (de cavidade). Medidas de DHR poder ser relacionadas à emissividade pela lei de Kirchhoff ('épsilon'=1-R), e por isso importante compreende-las, pelas informações que podem estar disponíveis por sensoriamentoremoto. Para explorar os efeitos da estrutura do dossel nos espectros, medidas de emissividade foram feitas usando um espectrômetro de campo. Os dados mostram, pela primeira vez, que é possível discriminar características de emissividade espectral de plantas daquelas do ambiente ao redor. Medidas espectrais feitas com distâncias horizontais crescentes de alguns dosséis de árvores mostraram uma atenuação progressiva das características de emissividade espectral, devido ao número crescente de cavidades no campo de visão, e problemas de correção atmosférica. Apesar disso, há potencial no estudo de plantas usando sensoriamento remoto no infraveremlho ermal. Um sensor em plataforma de avião operando na janela atmosférica entre 8-14 um teria que ter uma alta razão sina-ruído, e um campo de visão pequeno que permitisse medidas das folhas individualmente. Métodos de calibragem e algoritmos para análises espectrais precisariam ser refinados a fim de permitir a extração dascaracterísticas sutis de emissividade das plantas
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 30.06.2005
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      LUZ, Beatriz Ribeiro da; BITENCOURT, Marisa Dantas. Propriedades espectrais das plantas no infravermelho termal (2,5 - 14 um): da química ao dossel. 2005.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/41/41134/tde-10082005-115315/ >.
    • APA

      Luz, B. R. da, & Bitencourt, M. D. (2005). Propriedades espectrais das plantas no infravermelho termal (2,5 - 14 um): da química ao dossel. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/41/41134/tde-10082005-115315/
    • NLM

      Luz BR da, Bitencourt MD. Propriedades espectrais das plantas no infravermelho termal (2,5 - 14 um): da química ao dossel [Internet]. 2005 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/41/41134/tde-10082005-115315/
    • Vancouver

      Luz BR da, Bitencourt MD. Propriedades espectrais das plantas no infravermelho termal (2,5 - 14 um): da química ao dossel [Internet]. 2005 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/41/41134/tde-10082005-115315/


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020