Exportar registro bibliográfico

Política da inclusão e a formação de professores (2005)

  • Authors:
  • Autor USP: VIANNA, FLAVIA MELLO GALLUCCI - FFCLRP
  • Unidade: FFCLRP
  • Sigla do Departamento: 594
  • Subjects: FORMAÇÃO DE PROFESSORES; EDUCAÇÃO ESPECIAL
  • Language: Português
  • Abstract: A Lei de Diretrizes e Bases n° 9394/96 ratificou, no Brasil, o princípio da educação inclusiva, já adotada pela Constituição da República Federativa de 1988, prevendo que o atendimento dos alunos com necessidades educacionais especiais ocorra na classe regular de ensino e assegurando que eles sejam atendidos por professores do ensino regular capacitados e, também, por professores especializados. O presente estudo buscou investigar se estes preceitos legais estão sendo atendidos no município de Ribeirão Preto e qual é a formação dos professores das séries iniciais do Ensino Fundamental no que diz respeito ao preparo para trabalhar com esses alunos, estabelecendo possíveis diferenças entre os da rede pública e os da rede privada. Objetivou-se, também, conhecer como vem sendo realizada a inclusão escolar no município, bem como descrever a percepção dos professores em relação ao seu trabalho profissional com esses alunos inseridos em suas turmas e, ainda, apontar sugestões apresentadas por eles as quais podem vir a contribuir para uma melhoria na formação do docente. Participaram da pesquisa 44 professores que atendem crianças com necessidades educacionais especiais, mas que não são especialistas em Educação Especial. Desse total de professores, 25 são da rede pública municipal e 19, da rede particular. Para a coleta de dados, foi realizada entrevista com roteiro estruturado, e os dados foram analisados segundo o Sistema Quantitativo-Interpretativo. Os resultadosmostram que 76,0% dos professores da rede municipal têm como formação o curso Normal e o superior, enquanto 47,4% dos da rede privada apresentam tal formação; 36,8% dos professores da rede particular têm como formação somente o curso superior, enquanto 16,0% dos da rede pública têm tal formação. O curso superior realizado por 77,3 % dos professores participantes deste estudo foi Pedagogia. 95,5%, dos professores relataram não terem realizado curso ou ... treinamento prévio para trabalhar com alunos com necessidades educacionais especiais, e a falta de informações por parte da escola sobre as características e necessidades desses alunos foi um fato citado por 56,8% dos professores. De acordo com os relatos dos professores, essa falta de informações sobre os alunos que iriam receber, aliada à falta de capacitação profissional fez com que 40,9% deles se sentissem inseguros e temerosos em relação ao trabalho que iriam desenvolver com essa clientela. A expectativa em relação ao desenvolvimento do trabalho pedagógico com as crianças com necessidades educacionais especiais foi vivida por 52,3% dos professores. Quando questionados sobre o desenvolvimento do processo ensino-aprendizagem, 29,6% dos professores perceberam que essas crianças evoluíram no processo de socialização, 20,4% perceberam desenvolvimento cognitivo / motor, enquanto 27,8% perceberam que houve crescimento profissional do docente. Como críticas sobre aimplementação da educação inclusiva, 35,5% dos professores apontaram a falta de estrutura da escola-classes numerosas, falta de funcionários, de professores auxiliares e de apoio de professores especialistas - para atender esses alunos, e esse fato foi mais citado pelos professores das escolas públicas; 35,5% dos professores salientaram a falta de capacitação do docente como empecilho para que a inclusão escolar seja bem sucedida. Como sugestões, apontam que o atendimento das crianças com maior grau de comprometimento ocorra em períodos alternados entre classe regular / classe especial ou classe regular / oficina profissionalizante. Conclui-se que a inserção de crianças com necessidades educacionais especiais, nas classes regulares, da forma como vem ocorrendo em Ribeirão Preto, não traduz uma adequada proposta de inclusão, visto que os professores não tiveram formação acadêmica nem treinamento prévio para atender esses alunos, não ... estão recebendo apoio / suporte de professores especialistas e não contam com os recursos técnicos e humanos. É evidente que a proposta da educação inclusiva representa um grande avanço na conquista pelos direitos da pessoa com deficiência, porém há muito por se fazer para que essas crianças deixem de ser inseridas nas classes regulares e possam realmente estar incluídas
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 05.06.2005

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      VIANNA, Flavia Mello Gallucci; PETEAN, Eucia Beatriz Lopes. Política da inclusão e a formação de professores. 2005.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2005.
    • APA

      Vianna, F. M. G., & Petean, E. B. L. (2005). Política da inclusão e a formação de professores. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Vianna FMG, Petean EBL. Política da inclusão e a formação de professores. 2005 ;
    • Vancouver

      Vianna FMG, Petean EBL. Política da inclusão e a formação de professores. 2005 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021