Exportar registro bibliográfico

O bem-estar docente: limites e possibilidades para a felicidade do professor no trabalho (2005)

  • Authors:
  • Autor USP: LAPO, FLAVINES REBOLO - FE
  • Unidade: FE
  • Subjects: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO; AMBIENTE DE TRABALHO; FELICIDADE; DESEMPENHO DO PROFESSOR
  • Language: Português
  • Abstract: Este estudo tem como principal objetivo compreender as dinâmicas que geram e mantém o bem-estar docente e de que modo se concretiza a possibilidade, para os professores, de construir a felicidade no trabalho. Delimitada como bem-estar subjetivo, conceito definido por Edward Diener (1997) e Michael Argyle (1994) como um estado relacionado à satisfação com a vida, aos estados emocionais positivos e à ausência de estados depressivos ou de ansiedade, a felicidade do professor é possível quando o resultado da avaliação que ele faz de si próprio como trabalhador e das condições existentes para a realização de sua atividade laboral for positivo. Os dados a partir dos quais se identificou o grau de satisfação dos professores com os múltiplos aspectos do trabalho, a relação destes com a auto percepção de felicidade e as estratégias de enfrentamentos utilizadas em situações de insatisfação e conflitos vivenciados na escola, foram coletados com a aplicação de um questionário baseado no modelo de Richard Walton (1975) para) a análise da qualidade de vida no trabalho, e em entrevistas grupais, desenvolvidas com a técnica de grupos focais. Dos duzentos e cinqüenta professores (residentes em uma cidade do interior de SP) que responderam o questionário, cento e cinqüenta e dois se declararam felizes no trabalho e noventa e oito não felizes. O grupo que se considera feliz, em sua grande maioria (93%), avalia quarenta e um, dos quarenta e três fatores que integram oquestionário, de forma satisfatória, enquanto que, para o grupo dos não felizes, são treze os fatores apontados como insatisfatórios. Nas vivências relatadas pelos vinte e cinco professores que participaram dos grupos focais as relações interpessoais e o trabalho em si foram apontados como as principais fontes de ) bem-estar. As estratégias de enfrentamento mais utilizadas por esses professores se caracterizam como coping focalizado no problema (Folkman e Lazarus,1984), com a finalidade de modificar a situação a partir da redução da dissonância cognitiva (Festinger,1962) e de negociações interpessoais. Conclui-se que a felicidade no trabalho é possível, mas é algo que precisa ser construído, que exige esforço por parte do professor e que não depende apenas dele. É necessário que o contexto do trabalho ofereça condições satisfatórias que permitam a realização e a compensação desses esforços
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 20.05.2005

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      LAPO, Flavinês Rebolo; BUENO, Belmira Oliveira. O bem-estar docente: limites e possibilidades para a felicidade do professor no trabalho. 2005.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.
    • APA

      Lapo, F. R., & Bueno, B. O. (2005). O bem-estar docente: limites e possibilidades para a felicidade do professor no trabalho. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Lapo FR, Bueno BO. O bem-estar docente: limites e possibilidades para a felicidade do professor no trabalho. 2005 ;
    • Vancouver

      Lapo FR, Bueno BO. O bem-estar docente: limites e possibilidades para a felicidade do professor no trabalho. 2005 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021