Exportar registro bibliográfico

Estudo epidemiológico sobre pneumonia hospitalar em pacientes com trauma por acidente de transporte (2005)

  • Authors:
  • Autor USP: PAGNANO, ROSANA CLAUDIA LOVATO - FMRP
  • Unidade: FMRP
  • Sigla do Departamento: RMS
  • Subjects: PNEUMONIA; INFECÇÃO HOSPITALAR; TRANSPORTE DE PACIENTES; MEDICINA PREVENTIVA
  • Language: Português
  • Abstract: O trauma é uma doença que representa um problema de saúde pública de grande magnitude e transcendência no Brasil, que tem causado forte impacto na morbidade e mortalidade da população, com profundas repercussões nas estruturas sociais, econômicas e políticas de nossa sociedade. Diante da necessidade de métodos de diagnóstico e tratamento invasivos e devido à lesão traumática criar um estado de relativa imunossupressão, a evolução clínica do politraumatizado apresenta muitas variáveis que se destacam como fatores de risco para infecções hospitalares, dentre elas a pneumonia hospitalar. Esta investigação tem por objetivo estimar a incidência de pneumonia hospitalar em pacientes com trauma por acidente de transporte, identificar aqueles que desenvolveram a infecção segundo sexo, idade, doenças de base, segmento(s) afetado(s), gravidade da lesão, tempo de permanência da internação hospitalar, condições de alta, intubação endotraqueal e/ou traqueostomia, uso de ventilação mecânica, realização de toracotomia e drenagem torácica, uso de antimicrobianos profiláticos e realização de procedimentos cirúrgicos, e identificar fatores de risco para seu aparecimento. Foi realizado um estudo analítico, transversal, no qual a população estudada foi de pacientes com trauma por acidente de transporte, atendidos na Unidade de Emergência do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - Universidade de São Paulo. O processamento dos dados foi realizado utilizando-seprogramas ST ATA 2.0 e Epi-Info versão 2002 e para o modelo de regressão logística múltiplo o programa usado foi o SAS versão 8. Do total de 309 registros levantados, 44 foram excluídos do levantamento, resultando em 265 prontuários considerados como a amostra do estudo. Os critérios de inclusão usados foram referentes a todas as vítimas de acidente de transporte, com idade maior ou igual a 12 anos, que permaneceram internados por período mínimo ) de 48 horas, durante os meses de janeiro a dezembro de 2002. A média de idade foi de 33,4 anos com mediana de 30 (amplitude de variação entre 12 a 80 anos), sendo que 224 (84,5%) eram do sexo masculino e 41 (15,5%) do sexo feminino. A média para o Injury Severity Score (ISS) foi de 13,2 com mediana de 9 (amplitude de variação entre 1 a 75). O tempo médio de internação hospitalar foi de 12,3 dias com mediana de 7 dias (amplitude de variação entre 2 a 80 dias). Dos 265 pacientes da amostra, 59 internaram no Centro de Terapia Intensiva (22,2%) mostrando média de permanência de 14 dias com mediana de 10 (amplitude de variação entre 1 a 75 dias). A taxa de incidência encontrada para a pneumonia hospitalar foi de 15,1%, onde o tempo médio de comprovação do diagnóstico foi de 6 dias. O modelo de regressão logística múltiplo encontrou que a variável sexo apresenta um risco adicional de 1,75 para a pneumonia nas mulheres (Odds Ratio ajustado de 16,0; p = 0,02). Constatou-se também que o ISS, a intubação traqueal e a drenagem torácicaapresentaram percentuais maiores no sexo feminino em relação ao masculino. Na amostra total foi encontrado que o trauma de cabeça apresenta um risco adicional de 16,36 (Odds Ratio ajustado de 6,79; p = 0,04). Para a gravidade do nível da lesão o teste mostrou significância para os valores do ISS entre 19 a 22, dando um risco adicional de 82,22 (Odds Ratio ajustado de 59,61; P = 0,04). Para os dias de internação hospitalar ocorreu uma forte significância no reagrupamento, cujo intervalo de permanência hospitalar variou de 16 a 80 dias, apresentando um risco adicional de 48,66 (Odds Ratio ajustado de 135,61; P < 0,01). O procedimento de intubação traqueal mostrou risco adicional de 63,00 (Odds Ratio ajustado de 45,68; p < 0,01) e para a drenagem torácica encontramos um risco adicional de 9,33 (Odds Ratio ajustado de 13,64; p = 0,04). Como conclusão, este estudo indica que a ) incidência de pneumonia hospitalar se deve principalmente ao fato desta população ter sido submetida a procedimentos invasivos de tratamento, fato demonstrado também na literatura. Entretanto, na população estudada vimos que o nível de gravidade da lesão e o tempo de permanência hospitalar mostram-se menores em relação a outros estudos. Estes resultados fornecem uma linha de base para discussões sobre mudanças na abordagem destes doentes
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 11.02.2005
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      PAGNANO, Rosana Claudia Lovato; DAL-FABBRO, Amaury Lelis. Estudo epidemiológico sobre pneumonia hospitalar em pacientes com trauma por acidente de transporte. 2005.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2005. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/17/17139/tde-14022007-154904/ >.
    • APA

      Pagnano, R. C. L., & Dal-Fabbro, A. L. (2005). Estudo epidemiológico sobre pneumonia hospitalar em pacientes com trauma por acidente de transporte. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/17/17139/tde-14022007-154904/
    • NLM

      Pagnano RCL, Dal-Fabbro AL. Estudo epidemiológico sobre pneumonia hospitalar em pacientes com trauma por acidente de transporte [Internet]. 2005 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/17/17139/tde-14022007-154904/
    • Vancouver

      Pagnano RCL, Dal-Fabbro AL. Estudo epidemiológico sobre pneumonia hospitalar em pacientes com trauma por acidente de transporte [Internet]. 2005 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/17/17139/tde-14022007-154904/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021