Exportar registro bibliográfico

Cryptococcus spp de fontes ambientais em Ribeirão Preto: ocorrência, fatores de virulência e sensibilidade aos antifúngicos (2004)

  • Authors:
  • USP affiliated author: PEDROSO, REGINALDO DOS SANTOS - FCFRP
  • School: FCFRP
  • Sigla do Departamento: 602
  • Subjects: FUNGOS (AVALIAÇÃO;EPIDEMIOLOGIA); MICROBIOLOGIA MÉDICA; CRYPTOCOCCUS
  • Language: Português
  • Abstract: A criptococose é uma doença fúngica oportunista que acomete principalmente indivíduos imunocomprometidos, causada por Cryptococcus neoformans. Esta levedura capsulada apresenta duas variedades: C. neoformans var. neoformans e var. gattii, sendo a primeira encontrada no ambiente principalmente em excretas de pombos (Columba livia), e a segunda associada à madeira em decomposição, ocos, flores e folhas de árvores vivas. Os objetivos do estudo foram avaliar a ocorrência de Cryptococcus spp em excretas de aves, ocos de árvores vivas, e do ar em praças e parques públicos da cidade de Ribeirão Preto, São Paulo. Verificar, entre as espécies de Cryptococcus isoladas, a produção de fosfolipase, proteinase e melanina; crescimento à temperatura de ’37 GRAUS’ C e a CIM de anfotericina B, itraconazol, fluconazol e 5-fluorocitosina. As leveduras foram isoladas no meio de batata-cenoura, identificadas pela metodologia clássica, provas de assimilação e fermentação de carboidratos, urease, fenol-oxidase, crescimento a ’37 GRAUS’ C, produção de cápsula e micromorfologia. Das 62 amostras de excretas, 28 apresentaram crescimento de leveduras e foram identificados 35 isolados do gênero Cryptococcus, 13 C. neoformans var. neoformans, 13 C. albidus, 7 C. laurentii e 2 C. uniguttulatus. Das 47 amostras de ocos de árvores foram isolados 1 C. albidus e 4 C. laurentii. Das 45 amostras colhidas do ar, foram isolados 3 C. neoformans varo neoformans, 3 C. albidus e 1 C. laurentii. Quanto àprodução de proteinase, 62,5% das cepas de C. neoformans var. neoformans, 64,7% de C. albidus, 7,1 % de C. laurentii e uma de C. uniguttulatus foram positivas. Com relação à produção de fosfolipase, 75% de C. neoformans var. neoformans, 70,6% de C. albidus, 71,4% de C. laurentii, e uma cepa de C. uniguttulatus foram positivas. À temperatura de ’37 GRAUS’ C, 100% das cepas de C. neoformans var. neoformans, 17,6% das de C. albidus e 46,2% de C. ... laurentii apresentaram crescimento. O meio L-dopa foi o que apresentou melhor desempenho na produção de melanina em relação às cepas de C. neoformans var. neoformans. Considerando as duas metodologias utilizadas, macrodiluição e microdiluição em caldo (NCCLS, 2002), a faixa de CIM para anfotericina B foi 0,12 a 2’mü’g/mL, para itraconazol variou de 0,06 a 8’mü’g/mL, para fluconazol variou de 0,5 a maior que 64’mü’g/mL e para 5-fluorocitosina, de 0,5 a maior que 64’mü’g/mL. Os índices de concordância obtidos entre as duas metodologias foram de 100% para anfotericina B e fluconazol, considerando ‘+ OU -‘ 2 diluições, para todas as cepas de Cryptococcus testadas. Para itraconazol foi de 81,3% para os testes com a espécie C. neoformans var. neoformans e 100% com as outras espécies. A 5-fluorocitosina apresentou concordância de 94,1 a 100% para as diferentes espécies de Cryptococcus. Conclui-se que: C. neoformans var. neoformans, C. albidus, C. laurentii e C. uniguttulatus podem ser isoladas a partir deespécimes obtidos do ambiente; essas espécies apresentam capacidade de produzir fatores de virulência in vitro; dentre os antifúngicos avaliados, anfotericina B e fluconazol foram os mais efetivos
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 25.08.2004

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      PEDROSO, Reginaldo dos Santos; CANDIDO, Regina Célia. Cryptococcus spp de fontes ambientais em Ribeirão Preto: ocorrência, fatores de virulência e sensibilidade aos antifúngicos. 2004.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2004.
    • APA

      Pedroso, R. dos S., & Candido, R. C. (2004). Cryptococcus spp de fontes ambientais em Ribeirão Preto: ocorrência, fatores de virulência e sensibilidade aos antifúngicos. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Pedroso R dos S, Candido RC. Cryptococcus spp de fontes ambientais em Ribeirão Preto: ocorrência, fatores de virulência e sensibilidade aos antifúngicos. 2004 ;
    • Vancouver

      Pedroso R dos S, Candido RC. Cryptococcus spp de fontes ambientais em Ribeirão Preto: ocorrência, fatores de virulência e sensibilidade aos antifúngicos. 2004 ;


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020