Exportar registro bibliográfico

Estudo da prevalência de maus-tratos em crianças de 0 a 6 anos matriculadas em creches e pré-escolas da rede pública e particular na cidade de Ribeirão Preto-SP (2004)

  • Authors:
  • Autor USP: MATIAS, ALESSANDRA DA SILVA ARAUJO - FFCLRP
  • Unidade: FFCLRP
  • Sigla do Departamento: 594
  • Subjects: CRIANÇAS (PREVALÊNCIA); PRÉ-ESCOLAR (PREVALÊNCIA); MAUS-TRATOS INFANTIS; CRECHES; ESCOLA PÚBLICA
  • Language: Português
  • Abstract: A literatura aponta a necessidade e a importância de estudos epidemiológicos que visem identificar a prevalência de maus-tratos, servindo-se de outras fontes que os dados oficiais, de modo que se possa elaborar políticas públicas e sociais mais acertadas. Assim, neste estudo, buscou-se estabelecer, a partir de uma amostra, a prevalência de maus-tratos, para a população de crianças de 0 a 6 anos, que freqüenta creches e pré- escolas públicas e particulares da cidade de Ribeirão Preto. Em termos específicos visava-se determinar o número de casos por tipo de escola, região, sexo, idade modalidade de maltrato, e os fatores de risco associados, estabelecendo também uma projeção da prevalência para esta população. As formas de maus-tratos estudadas seguem as definições empregadas em estudos internacionais sendo estas 10: maltrato físico, abandono físico, maltrato emocional, abandono emocional, abuso sexual, trabalho infantil, mendicidade, corrupção, participação da criança em ações delituosas falta de controle parental. O referencial teórico adotado é o do Modelo Ecológico-Sistêmico, de Garbarino e Belsky, e o Transacional de Ciccheti e Rizley. A amostra compreendeu 3.022 crianças, de 0 a 6 anos e corresponde a 16% do total de crianças matriculados nos estabelecimentos de ensino - públicos e privados - na cidade Ribeirão Preto. Esta amostra foi investigada a partir de seus educadores (n=154), por meio de um instrumento específico -"Cartilha Epidemiológica", já testada emoutras realidades sócio-culturais (Espanha e Argentina). Esta pressupõe que os educadores que têm contato direto com as crianças têm condições de despistar os caso de maus-tratos. Assim, lhes é solicitado que assinalem a ocorrência dos maus-tratos, bem com existência de fatores de risco a partir de indicadores fornecidos. Os dados encontrados foram submetidos a uma análise quantitativa descritiva. Os resultados indicaram existência de 239 casos ... de maus-tratos o que equivale a uma prevalência de 8%, sendo que para a população, estima-se uma prevalência segundo um intervalo de confiança de 95%, entre 7% e 9%. A maioria dos assinalamentos refere-se a crianças que freqüentam pré-escola particular (46%). Em termos de localização, 42% dos casos concentra-se na região oeste da cidade. Em relação ao sexo, 58% referem-se a meninos. Já em relação a idade, a maior concentração de casos corresponde a crianças com 4 anos ou mais (74%). Os tipos de maus-tratos mais assinalados foram "falta de controle parental" (28,4%), "abandono emocional" (23,6%) e "físico" (19,5%). No que se refere aos fatores de riscos, o maior assinalamento recaiu sobre dificuldades econômicas (32%), seguido de ansiedade/depressão nos pais (29%). Este tipo de estudo mostra-se muito relevante, seja por revelar a prevalência de maus-tratos para o segmento estudado, de forma mais fidedigna, seja por possibilitar o conhecimento das freqüências dos maus-tratos por tipo, idade, sexo, regiãosócio-demográfica, tipo de escola, assim como os fatores de risco associados, fornecendo indicadores importantes para a proposição de políticas públicas na cidade. Outros estudos de prevalência fazem-se ainda necessários visando abarcar, por exemplo, o mesmo segmento etário, mas que não freqüenta estabelecimentos educacionais, que para a realidade Ribeirão-pretana representa a maioria
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 17.11.2004

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      MATIAS, Alessandra da Silva Araujo; BAZON, Marina Rezende. Estudo da prevalência de maus-tratos em crianças de 0 a 6 anos matriculadas em creches e pré-escolas da rede pública e particular na cidade de Ribeirão Preto-SP. 2004.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2004.
    • APA

      Matias, A. da S. A., & Bazon, M. R. (2004). Estudo da prevalência de maus-tratos em crianças de 0 a 6 anos matriculadas em creches e pré-escolas da rede pública e particular na cidade de Ribeirão Preto-SP. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Matias A da SA, Bazon MR. Estudo da prevalência de maus-tratos em crianças de 0 a 6 anos matriculadas em creches e pré-escolas da rede pública e particular na cidade de Ribeirão Preto-SP. 2004 ;
    • Vancouver

      Matias A da SA, Bazon MR. Estudo da prevalência de maus-tratos em crianças de 0 a 6 anos matriculadas em creches e pré-escolas da rede pública e particular na cidade de Ribeirão Preto-SP. 2004 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021