Exportar registro bibliográfico

Efeito da paracoccina sobre macrófagos: um possível mecanismo de supressão da imunidade medida por células na paracoccidioidomicose (2004)

  • Authors:
  • Autor USP: FORTUNATO, ANALIA SULAMITA CASABONA - FMRP
  • Unidade: FMRP
  • Sigla do Departamento: RBI
  • Assunto: PARACOCCIDIOIDES BRASILIENSIS
  • Language: Português
  • Abstract: O reconhecimento de açúcar é uma etapa essencial em uma variedade de fenômenos biológicos que são baseados em interações célula-célula, incluindo aquelas envolvidas na relação parasita-hospedeiro. Nós isolamos uma proteína ligante de GlcNAc, denominada paracoccina, de leveduras de Paracoccidioides brasiliensis. O fungo dimórfico P. brasiliensis é o agente causal da paracoccidioidomicose (PCM), uma micose sistêmica prevalente na América Latina. No presente trabalho nós avaliamos o efeito da paracoccina no curso do PCM experimental. Camundongos C57B1/6, de 6 a 8 semanas, foram imunizados intraperitonealmente (i.p) com 10 ‘mü’ paracoccina emulsificada em adjuvante completo de Freund. Após duas semanas, os animais foram infectados ip com 5 x ’10 POT. 6’ leveduras de P. brasiliensis em 500 ml de PBS. Após oito semanas da infecção, nós observamos níveis mais elevados de IL-10 no tecido pulmonar de animais imunizados com paracoccina e infectados, em relação aos animais apenas infectados. A concentração de IL-10 foi associada com níveis elevados de IL-12 e níveis baixos de IFN-‘gama’ em todos os períodos analisados (30, 60 e 90 dias após a infecção), enquanto níveis de IL-4 e TNF-‘alfa’. não foram detectados. Por outro lado, animais apenas infectados apresentaram níveis elevados de IL-10 e IL-l2 somente no ínico da infecção (4 semanas após a infecção). A imunização com paracoccina induziu uma resposta significativa de anticorpos, com ativação preferencial delinfócitos do padrão Th2, manifesta por níveis IgG1 mais elevados do que os níveis de IgG2b. A análise histopatólogica de secções de figado revelou diferenças significantes entre os 2 grupos de animais. Os camundongos imunizados e infectados, além de apresentarem uma densidade mais elevada de lesões granulomatosas, comparada com os animais apenas infectados, apresentaram um número mais elevado de leveduras no tecido hepático em todos ... os períodos estudados. Além disso, aos 60 dias da infecção, foi: observado disseminação dos fungos para os rins e pulmões somente nos animais imunizados com paracoccina préviamente a infecção. Nossos resultados sugerem que a paracoccina exerça um efeito negativo na PCM experimental. Nós postulamos que o paracoccina é um fator chave relacionado com a susceptibilidade à infecção por P brasiliensis
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 30.09.2004

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      FORTUNATO, Anália Sulamita Casabona; BARREIRA, Maria Cristina Roque Antunes. Efeito da paracoccina sobre macrófagos: um possível mecanismo de supressão da imunidade medida por células na paracoccidioidomicose. 2004.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2004.
    • APA

      Fortunato, A. S. C., & Barreira, M. C. R. A. (2004). Efeito da paracoccina sobre macrófagos: um possível mecanismo de supressão da imunidade medida por células na paracoccidioidomicose. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Fortunato ASC, Barreira MCRA. Efeito da paracoccina sobre macrófagos: um possível mecanismo de supressão da imunidade medida por células na paracoccidioidomicose. 2004 ;
    • Vancouver

      Fortunato ASC, Barreira MCRA. Efeito da paracoccina sobre macrófagos: um possível mecanismo de supressão da imunidade medida por células na paracoccidioidomicose. 2004 ;


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021