Exportar registro bibliográfico

Análise contrastiva dos pronomes de tratamento do portugês falado em São Paulo e do Baulê falado em Kokumbo (Costa do marfim) (2004)

  • Authors:
  • Autor USP: WADJA, ASSOUAN LEA HONORINE - FFLCH
  • Unidade: FFLCH
  • Sigla do Departamento: FLL
  • Subjects: PORTUGUÊS DO BRASIL (GRAMÁTICA); LÍNGUAS AFRICANAS (GRAMÁTICA); GRAMÁTICA COMPARADA
  • Language: Português
  • Abstract: Neste trabalho busca-se fazer a descrição dos pronomes de tratamento do português falado em São Paulo (Brasil) e os do baulê falado em Kokumbo, na região de Tumodi (Costa do Marfim), com o intuito de entender melhor seu funcionamento.O objetivo central da dissertação é analisar os pronomes de tratamento destacando diferenças e prováveis semelhanças que existem nas duas línguas, com vistas a uma futura proposta de estratégias de ensino de português a falantes de uma língua africana.Para tanto, baseando-se na metodologia da análise contrastiva, foram usados como materiais de análise dois corpora: o "corpus mínimo" para o português e a tese Description Phonologique et Grammaticale d'un Parler Baulê do Prof. Dr. Kouadio N'Guessan Jérémie.O "corpus mínimo" - seleção do Projeto de Estudo da Norma Culta do Brasil (Pojeto NURC) que tem por finalidade documentar e descrever a norma objetiva do português culto falado no Brasil - é baseado em três tipos de inquéritos - Elocuções Formais (EF), Diálogos entre Informantes (D2) e Diálogos entre informante e Documentador (DID) - realizados em cinco cidades do Brasil, a saber: São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Porto Alegre e Salvador. A tese de Kouadio, como expressa o título, é uma descrição fonológica e gramatical da língua baulê, que oferece pistas úteis para lingüistas interessados nessa língua.A análise dos pronomes de tratamento revelou semelhanças no uso do pronome de segunda pessoa tanto do singular quanto do plural.A diferença fundamental, no que se refere ao português, reside no fato de o português apresentar formas de terceira pessoa juntamente com formas pronominais de segunda pessoa; no que respeita ao baulê, essa língua não utiliza pronomes de tratamento exclusivos para contextos formais. A recuperação da formalidade é feita pelo uso de vocativos seguidos do pronome de segunda pessoa
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 22.10.2004

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      WADJA, Assouan Léa Honorine; PETTER, Margarida Maria Taddoni. Análise contrastiva dos pronomes de tratamento do portugês falado em São Paulo e do Baulê falado em Kokumbo (Costa do marfim). 2004.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.
    • APA

      Wadja, A. L. H., & Petter, M. M. T. (2004). Análise contrastiva dos pronomes de tratamento do portugês falado em São Paulo e do Baulê falado em Kokumbo (Costa do marfim). Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Wadja ALH, Petter MMT. Análise contrastiva dos pronomes de tratamento do portugês falado em São Paulo e do Baulê falado em Kokumbo (Costa do marfim). 2004 ;
    • Vancouver

      Wadja ALH, Petter MMT. Análise contrastiva dos pronomes de tratamento do portugês falado em São Paulo e do Baulê falado em Kokumbo (Costa do marfim). 2004 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021