Exportar registro bibliográfico

Prisioneiras de uma mesma história: o amor materno atrás das grades (2004)

  • Authors:
  • Autor USP: LOPES, ROSALICE - IP
  • Unidade: IP
  • Sigla do Departamento: PST
  • Subjects: AMOR; PRESO; MULHERES; MÃES; PRISÕES
  • Language: Português
  • Abstract: O estudo enfoca o amor materno em mães presas da Penitenciária Feminina do Tatuapé - São Paulo, no período de 2001 a 2003. A partir dos relatos de 30 mães entrevistadas e com referência nas áreas de Psicologia, Direito, Sociologia, História e Filosofia, identificou-se que o discurso sobre o amor materno é uma construção social de gênero com matizes de inteligibilidade específicos. O amor materno descrito por essas mães evidencia, de um lado, valores de caráter mais arcaico e universal na cultura humana, os quais conferem à experiência amorosa qualidades sobre-humanas de onipotência, imortalidade e indivisibilidade. De outro lado, exprime valores tipicamente burgueses - o sonho da maternidade, o amor romãntico, o ideal de família, filho como dom e a mãe modelar - presentes na cultura ocidental a partir dos séculos XVIII e XIX. A manifestação do amor dessas mães por seus filhos sofre a influência de suas experiências concretas enquanto filhas e da relação que puderam - ou não - construir com seus filhos antes do encarceramento. Mães presas que viveram pouco tempo com suas próprias mães ou com seus filhos tendem a manifestar um maior grau de idealização das qualidades amorosas da mãe e do amor materno. Mães que puderam experimentar o amor materno de forma consistente deixam evidente que ele é construído na relação presencial com o filho. As prisões não foram pensadas para abrigar mulheres e refletem, em suas práticas, valores androcêntricos. A forma atual como essainstituição media os contatos entre as mães presas e seus filhos indica a presença de estereótipos e preconceitos e pode ser considerada como um obstáculo à manutenção da relação amorosa O estudo aponta que se faz necessário adotar medidas corretivas no sistema prisional, de modo a garantir o direito às mães de exercerem sua maternidade, e sugere alternativas para essa situação, tendo em vista, sobretudo, que a proximidade (Continuacão) com os filhos é fator de saúde mental e estímulo no processo de reinserção social
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 23.09.2004
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      LOPES, Rosalice; BOSI, Ecléa. Prisioneiras de uma mesma história: o amor materno atrás das grades. 2004.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47134/tde-30012008-141820/ >.
    • APA

      Lopes, R., & Bosi, E. (2004). Prisioneiras de uma mesma história: o amor materno atrás das grades. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47134/tde-30012008-141820/
    • NLM

      Lopes R, Bosi E. Prisioneiras de uma mesma história: o amor materno atrás das grades [Internet]. 2004 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47134/tde-30012008-141820/
    • Vancouver

      Lopes R, Bosi E. Prisioneiras de uma mesma história: o amor materno atrás das grades [Internet]. 2004 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47134/tde-30012008-141820/


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021