Exportar registro bibliográfico

Hepatite C crônica em pacientes com insuficiência renal crônica (IRC) em hemodiálise (HD): avaliação da gravidade da lesão hepática e sua relação com depósitos de ferro e ativação das células estreladas do fígado (2004)

  • Authors:
  • Autor USP: RODRIGUES, CARLA MARIA - FMRP
  • Unidade: FMRP
  • Sigla do Departamento: RCM
  • Subjects: HEPATOPATIAS; GASTROENTEROLOGIA; PATOLOGIA CLÍNICA
  • Language: Português
  • Abstract: Introdução: Infecção crônica pelo HCV é freqüente nos pacientes com IRC em HD. A sobrecarga de ferro nestes pacientes é comum. Depósitos de ferro no fígado têm sido associados à doença hepática mais grave na infecção pelo HCV. A proliferação e diferenciação das células estrela das (CEH) hepáticas em miofibroblastos é importante fator no desenvolvimento de fibrose no fígado. Depósitos de ferro no fígado podem ativar as CEH. As mutações no gene HFE podem contribuir com a determinação de depósitos de ferro no fígado. Objetivos: Avaliar, em pacientes com hepatite C crônica e IRC em HD, a gravidade da lesão necroinflamatória e da fibrose no fígado e, sinais de sobrecarga de ferro no soro e fígado. Relacionar o grau de lesão hepática com sobrecarga de ferro, presença de mutação no gene HFE e carga viral e genótipo do HCV. Avaliar a população de CEH e estudar sua associação com sobrecarga de ferro e a gravidade da lesão hepática. Casuística e Métodos: Foram incluídos pacientes com hepatite C crônica e IRC em HD. Foram avaliadas variáveis epidemiológicas (idade na época da infecção e tempo de infecção), laboratoriais (aminotransferase e bioquímica de ferro ) e histológicas (biopsia hepática). Realizados genotipagem e carga viral do HCV e pesquisa no gene HFE. Na biopsia hepática foram avaliados: o Índice de Atividade Histológica (HAI), graus de fibrose, os depósitos de ferro (análise semi-quantitativa) e a população de CE hepáticas, proliferadas (GFAP) e ativadas ('alfa'-SMA).Resultados: Trinta e nove pacientes foram estudados, 19 sexo masculino e 20 do feminino com idade média de 37,1 anos. Valores médios da ALT foram de 1,52 '+ ou -' 0,75 LSN (limite superior da modalidade). Valores médios de saturação de transferrina sérica foram de 63,3 '+ ou -' 26,2 %. Valores médios de ferritina foram de 8,1 '+ ou -' 6,3 LSN. A idade média dos pacientes na época da infeçcão e o tempo médio de infecção foram: 30,6 '+ ou -' ... 8,1 e 6,3 '+ ou -' 4,3 anos, respectivamente. Na histologia hepática 15 pacientes apresentavam hepatite mínima e leve e 24 hepatite moderada a grave e quanto ao estadiamento 2 apresentavam ausência de fibrose, 11 fibrose leve, 22 fibrose moderada e 4 grave. Nenhuma das variáveis mostrou relação com gravidade da lesão hepática. O genótipo viral 1 esteve presente em 83% dos pacientes e a carga viral média encontrada foi de 455.523,4 '+ ou -' 341.571 UI/ml. O tipo de genótipo e os valores de carga viral não se associaram a lesões hepáticas mais graves. Depósitos de ferro no fígado foram encontrados em 94,9% dos pacientes, em diferentes graus. A mutação no gene HFE foi encontrada em 8 pacientes (1 C282Y e 7 H63D). A presença da mutação não mostrou relação com maiores depósitos de ferro no tecido. Correlações dos escores totais de ferro com escores de HAI, graus de fibrose, população de GFAP e 'alfa'-SMA no tecido foram positivas e significativas (r=0,443 e p=0,004; r=0,3743 e p=0,01; r=0,7593e p<0,0001 e r=0,7569; p<0,0001, respectivamente). Quando comparamos os grupos com menor (0-9) e maior (10-20) graus de depósito de ferro no tecido observamos diferenças entre os escores de HAI, graus de fibrose hepática, e a população de CE- GFAP e 'alfa'-SMA (p=0,0094; p=0,0015; p<0,0001 e p=0,0001).Conclusões: Pacientes co HCV e IRC em H apresentaram, na sua maioria, graus de inflamação e de fibrose hepática de moderada a grave intensidade e, alta prevalência de depósitos de ferro no tecido hepático. O genótipo e a carga viral do HCV não se associaram a lesões hepática mais graves. As mutações no gene HFE não se associaram a depósitos de ferro no fígado. Os depósitos de ferro associaram-se a maiores graus de inflamação e de fibrose hepática e maior proliferação e ativação das CE hepáticas. Esses achados reforçam que pacientes com hepatite C e IRC em HD podem apresentar doença hepática mais grave e sugerem ... importante participação dos depósitos de ferro no fígado
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 03.05.2004

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      RODRIGUES, Carla Maria; MARTINELLI, Ana de Lourdes Candolo. Hepatite C crônica em pacientes com insuficiência renal crônica (IRC) em hemodiálise (HD): avaliação da gravidade da lesão hepática e sua relação com depósitos de ferro e ativação das células estreladas do fígado. 2004.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2004.
    • APA

      Rodrigues, C. M., & Martinelli, A. de L. C. (2004). Hepatite C crônica em pacientes com insuficiência renal crônica (IRC) em hemodiálise (HD): avaliação da gravidade da lesão hepática e sua relação com depósitos de ferro e ativação das células estreladas do fígado. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Rodrigues CM, Martinelli A de LC. Hepatite C crônica em pacientes com insuficiência renal crônica (IRC) em hemodiálise (HD): avaliação da gravidade da lesão hepática e sua relação com depósitos de ferro e ativação das células estreladas do fígado. 2004 ;
    • Vancouver

      Rodrigues CM, Martinelli A de LC. Hepatite C crônica em pacientes com insuficiência renal crônica (IRC) em hemodiálise (HD): avaliação da gravidade da lesão hepática e sua relação com depósitos de ferro e ativação das células estreladas do fígado. 2004 ;


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021