Exportar registro bibliográfico

Análise filogenética de lagartos do gênero Eurolophosaurus (Squamata: Tropiduridae), das dunas do médio rio São Francisco, com base em seqüências do DNA mitocondrial (2004)

  • Authors:
  • Autor USP: PASSONI, JOSE CARLOS - IB
  • Unidade: IB
  • Sigla do Departamento: BIO
  • Subjects: BIOGEOGRAFIA; RÉPTEIS; DNA MITOCONDRIAL; DUNAS; SQUAMATA; RIO SÃO FRANCISCO
  • Language: Português
  • Abstract: O gênero Eurolophosaurus de lagartos compreende três espécies: E. nanuzae, encontrada na porção sul da Serra do Espinhaço, e E. divaricatus e E. amathites ao norte, nas dunas continentais do Rio São Francisco, em margens opostas. As relações filogenéticas e os tempos de diferenciação entre as populações dessas espécies foram estudados com base na análise de 1.229 pb referentes a seqüências dos genes mitocondriais para o citocromo b, a citocromo oxidase I e para os RNAs ribossômicos 12S e 16S. Uranoscodon superciliosus, Microlophus quadrivitatus e Tropidurus hispidus foram utilizados como grupos externos. A filogenia pôde ser consistentemente resolvida, confirmando a associação entre E. amathites e E. nanuzae, e o posicionamento basal de E. divaricatus apontada anteriormente por Frost et al. (2001). Com as diferentes populações foi possível verificar que E. amathites, da margem direita do rio, forma um grupo monofilético com as populações de Caetité e Rio de Contas da espécie E. nanuzae, enquanto as populações de Pedra Menina e Serra do Cipó (MG) desta última constituem um outro grupo monofilético, indicando a condição parafilética da espécie E. nanuzae. A espécie E. divaricatus, da margem esquerda, seria a mais basal do gênero Eurolophosaurus, com suas três populações consistentemente agrupadas. O monofiletismo do gênero Eurolophosaurus pôde ser evidenciado somente nas análises com as seqüências ribossômicas. As taxas de evolução molecular foram semelhantes para ossegmentos gênicos da citocromo b e citocromo oxidase I, bem como entre os ribossômicos 12S e 16S. Entretanto, as seqüências codificadoras de proteínas teriam evoluído a uma taxa de três a quatro vezes maior do que as ribossômicas. A hipótese do "relógio molecular" foi aceita somente para as seqüências do citocromo b e do gene ribossômico 16S isoladamente, e para o segmento formado pelas quatro seqüências concatenadas. Com base nas distâncias ) genéticas para as seqüências concatenadas, foram estimados os tempos de divergência entre as populações e espécies do gênero Eurolophosaurus e dos grupos externos, tendo-se proposto, no presente estudo, as taxas de evolução de 1,2 e 1,7% para esse segmento. Os tempos de divergência estimados entre E. divaricatus e as outras duas espécies foram de mesma ordem (9 a 14 ma), e os observados entre E. amathites e E. nanuzae foram inferiores (2,5 a 8,7 ma), sendo maior a proximidade de E. amathites com as populações de E. nanuzae do sul da Bahia (2,5 a 3,6 ma) do que com as de Minas Gerais (6,1 a 8,7 ma). As populações de E. divaricatus situadas em corpos de dunas diferentes estariam se diferenciando há cerca de 3,5 a 5 ma. Com relação a E. nanuzae, as populações do sul da Bahia estariam divergindo das de Minas Gerais há cerca de 6 a 8,5 ma, ao passo que as duas populações de Minas Gerais estariam se diferenciando de 1,9 a 2,8 ma. Portanto, a história evolutiva dos Eurolophosaurus teria envolvido uma separação inicial entreas linhagens a oeste e a leste do Rio São Francisco, no Mioceno. A divergência entre o grupo da Bahia e o de Minas Gerais, a leste do rio, teria se iniciado no Mioceno Superior, e os eventos de cladogênese em cada um destes grupos teriam ocorrido mais recentemente, no Plioceno. A diferenciação no gênero Eurolophosaurus estaria relacionada a alterações climáticas, associadas à expansão de corpos de água continentais, provavelmente decorrentes de uma transgressão oceânica que teria havido no final do Mioceno, há cerca de 2,5 ma. O ancestral da subfamília Tropidurinae dataria de 16 a 23 ma., e o do gênero Eurolophosaurus, de 11,5 a 16,3 ma. São propostas novas espécies, uma delas compreendendo as populações de E. nanuzae da Bahia, e outras três para as suas diferentes populações de Minas Gerais. As populações de E. divaricatus das duas dunas, à margem esquerda do Rio São Francisco, ) também constituiriam espécies diferentes
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 26.05.2004

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      PASSONI, José Carlos; BENOZZATI, Maria Lúcia. Análise filogenética de lagartos do gênero Eurolophosaurus (Squamata: Tropiduridae), das dunas do médio rio São Francisco, com base em seqüências do DNA mitocondrial. 2004.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.
    • APA

      Passoni, J. C., & Benozzati, M. L. (2004). Análise filogenética de lagartos do gênero Eurolophosaurus (Squamata: Tropiduridae), das dunas do médio rio São Francisco, com base em seqüências do DNA mitocondrial. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Passoni JC, Benozzati ML. Análise filogenética de lagartos do gênero Eurolophosaurus (Squamata: Tropiduridae), das dunas do médio rio São Francisco, com base em seqüências do DNA mitocondrial. 2004 ;
    • Vancouver

      Passoni JC, Benozzati ML. Análise filogenética de lagartos do gênero Eurolophosaurus (Squamata: Tropiduridae), das dunas do médio rio São Francisco, com base em seqüências do DNA mitocondrial. 2004 ;


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021