Exportar registro bibliográfico

Avaliação imuno-histoquímica e ultra-estrutural da matriz extracelular da medula óssea de camundongos submetidos à desnutrição protéica (2003)

  • Authors:
  • Autor USP: FAVERO, MARIA EMILIA - FCF
  • Unidade: FCF
  • Sigla do Departamento: FBC
  • Subjects: DESNUTRIÇÃO; DESNUTRIÇÃO PROTEICO-ENERGÉTICA; HEMATOLOGIA
  • Language: Português
  • Abstract: A desnutrição protéico-energética (DPE) é a causa mundial mais comum de desnutrição. Geralmente, é encontrada em crianças, idosos, pacientes com neoplasia e doenças crônicas ou pacientes submetidos a quimioterapia e nutrição parenteral, ou ainda em pacientes sob dieta radical. A DPE modifica a resposta imune específica e inespecífica, e desta forma a associação entre doença e DPE é freqüente. Alguns estudos indicam que a desnutrição grave produz vários efeitos celulares, como redução ou perda da capacidade de proliferação, em vários órgãos. Como conseqüência da constante e elevada demanda de proteína pelo tecido hemopoético, este pode apresentar alterações qualitativas e quantitativas em condições de desnutrição protéica. A hemopoese é um processo altamente regulado em vários níveis, destacando-se a participação do microambiente hemopoético (MH). Neste trabalho, avaliamos as alterações da matriz extracelular (MEC) da medula óssea de camundongos submetidos à desnutrição protéica. Camundongos Swiss, 2 a 3 meses de idade, foram colocados em gaiolas metabólicas individuais e receberam dieta controle por 14 dias. Após este período de adaptação, foram separados em dois grupos, ao quais receberam ração controle ('20 POR CENTO' de proteína) ou ração hipoprotéica ('4 POR CENTO' de proteína) e água ad libitum. Exceto pelo conteúdo protéico, as duas rações foram idênticas e isocalóricas. Os experimentos foram realizados quando os animais do grupo desnutrido atingiramperda de '20 a 25 POR CENTO' do peso corporal inicial. As amostras de sangue foram coletadas por punção cardíaca e simultaneamente, células da medula óssea e cortes histológicos de esternos foram obtidas para a realização de análises histológicas, imunohistoquímicas e ultra-estruturais. Observamos aumento na expressão de fibronectina e laminina na medula óssea de camundongos desnutridos, particularmente na região endosteal. Ultra-estruturalmente observamos ) rarefação celular, com aumento do espaço intercelular e de MEC. Também observamos alterações na distribuição de proteoglicanos. Estas alterações microambientais relacionadas à composição da MEC e à organização da medula óssea podem estar modificando a fisiologia da célula tronca e contribuindo para a instalação da hipotrofia medular e, ao menos em parte, sendo responsáveis pela suscetibilidade às infecções
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 05.11.2003

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      FAVERO, Maria Emilia; BORELLI, Primavera. Avaliação imuno-histoquímica e ultra-estrutural da matriz extracelular da medula óssea de camundongos submetidos à desnutrição protéica. 2003.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.
    • APA

      Favero, M. E., & Borelli, P. (2003). Avaliação imuno-histoquímica e ultra-estrutural da matriz extracelular da medula óssea de camundongos submetidos à desnutrição protéica. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Favero ME, Borelli P. Avaliação imuno-histoquímica e ultra-estrutural da matriz extracelular da medula óssea de camundongos submetidos à desnutrição protéica. 2003 ;
    • Vancouver

      Favero ME, Borelli P. Avaliação imuno-histoquímica e ultra-estrutural da matriz extracelular da medula óssea de camundongos submetidos à desnutrição protéica. 2003 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021