Exportar registro bibliográfico

Narração e panacéia: o poder do mito : uma análise da obra de Paulo Coelho (2003)

  • Authors:
  • Autor USP: RAMADAN, MARIA IVONETI BUSNARDO - FE
  • Unidade: FE
  • Subjects: NARRATIVA; LEITURA; LITERATURA BRASILEIRA
  • Language: Português
  • Abstract: Esta pesquisa teórico-analítica, de cunho antropo-literário, pretende compreender a amplitude de leitura da obra de Paulo Coelho, escritor de literatura de massa, de acordo com a crítica oficial. De fato, um contingente significativo de leitores justificaria esse enquadramento. No entanto, a receptividade do autor explica-se menos por isso e mais pelo fato de situar-se ele na vertente da literatura, sedimentada por um imaginário simbólico transcultural. Além disso, a leitura das cartas dos leitores revela que o momento de leitura torna-se exemplar para a emergência da subjetividade do leitor. Trata-se de depoimentos significativos sobre os efeitos que as narrativas de Paulo Coelho provocam no cotidiano do leitor. Em função disso, reavalia-se o rótulo literatura de massa e opta-se pela designação de literatura do senso comum. Baseando-se sempre nas cartas dos leitores, esta pesquisa demonstra que é pela imaginação, como faculdade do psiquismo humano, que o leitor projeta-se no texto para dimensionar sua subjetividade, o que redunda num processo de autoconhecimento. As narrativas de Paulo Coelho atuam sobre o comportamento do leitor e cumprem uma finalidade catártica. Chega-se a essas conclusões, tomando como suporte teórico as teorias da recepção de Hans Robert Jauss, associadas com as de Paul Ricoeur sobre texto e leitor, além das concepções de Kant e dos pós-kantianos sobre imaginação. O processo de autoconhecimento do leitor dá-se pela identificação com atrajetória da personagem, caracterizada nas narrativas como um percurso iniciático, de natureza mítico-arquetipal. O método mitocrítico de análise das obras, segundo a antropologia do imaginário de Gilbert Durand, indica que o autor empreende um diálogo com os símbolos míticos. As concepções do mito como uma linguagem modelar para o homem procedem de Mircea Eliade, Roger Caillois e Georges Gusdorf. O leitor hermeneuta, frente ao texto, alcança uma ) imagem mítica para torná-la sua. É possível reconhecer no mito uma função auto-educativa e no ato de ler, a cumplicidade entre um mestre/autor e um leitor/aprendiz. Uma pedagogia de leitura assim edificada dispensa cartilhas utilitaristas e resgata aquela dimensão de leitura, voltada para as potencialidades humanas do leitor
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 14.11.2003

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      RAMADAN, Maria Ivoneti Busnardo; TEIXEIRA, Maria Cecília Sanchez. Narração e panacéia: o poder do mito : uma análise da obra de Paulo Coelho. 2003.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.
    • APA

      Ramadan, M. I. B., & Teixeira, M. C. S. (2003). Narração e panacéia: o poder do mito : uma análise da obra de Paulo Coelho. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Ramadan MIB, Teixeira MCS. Narração e panacéia: o poder do mito : uma análise da obra de Paulo Coelho. 2003 ;
    • Vancouver

      Ramadan MIB, Teixeira MCS. Narração e panacéia: o poder do mito : uma análise da obra de Paulo Coelho. 2003 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021