Exportar registro bibliográfico

Comunidades macrobênticas como indicadores da qualidade ambiental de ecossistemas costeiros rasos: estudo de caso-Enseada de Ubatuba (SP, Brasil) (2003)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: MACIEL, PABLO MUNIZ - IO
  • Unidades: IO
  • Sigla do Departamento: IOB
  • Subjects: BENTOS; POLUIÇÃO DO MAR; IMPACTOS AMBIENTAIS
  • Language: Português
  • Abstract: Os contaminantes derivados das atividades antrópicas que ingressam nos ecossistemas costeiros acabam acumulando-se nos sedimentos, alcançando concentrações capazes de causar efeitos biológicos adversos. Embora o componente bêntico seja considerado bom como indicador da qualidade ambiental, apresenta restrições devidas, principalmente, ao elevado custo que implica a sua inclusão nestes estudos. O presente trabalho analisou a maneira mais eficiente (custo/benefício) de se utilizar a composição e estrutura de comunidades bênticas como ferramenta para a avaliação de impactos em ecossistemas costeiros. Nove estações foram monitoradas, a cada dois meses, de dezembro de 1999 a fevereiro de 2001, em Ubatuba, analisando a macrofauna e as características dos sedimentos: matéria orgânica, metais pesados, hidrocarbonetos, esteróis e pigmentos fotossintéticos. Os resultados indicaram poluição moderada pelos metais pesados. Foram detectados 4 áreas com diferentes graus de qualidade ambiental. Na área mais comprometida houve uma predominância de poliquetas, a que diminuiu em função do aumento da qualidade ambiental, o que se reflitiu no aumento do predomínio dos crustáceos. A diversidade, riqueza e equitatividade foram menores nas áreas mais pertubadas, enquanto que a abundância foi maior. Poucas espécies foram favorecidas pela diminuição da qualidade do sedimento. O efeito antrópico foi mais marcante no verão, com o aumento do turismo e consequente aumento da quantidadede esgotos despejados nos rios que desembocam na Enseada de Ubatuba. Nesta época ocorreu o estabelecimento e a proliferação de pequenos poliquetas, como Mediomastus cf. capensis, Scolelepis squamata e Magelona papillicornis. A qualidade do sedimento também afetou a distribuição vertical dos organismos em seu interior. As perturbações puderam ser observadas também ao nível da família e nas espécies de poliquetas e seus grupos funcionais de alimentação. ) Esta abordagem possibilita uma redução dos custos para estudos de monitoramento, oferecendo resultados de forma rápida e com nível de precisão, já que a identificação em níveis taxonômicos superiores implica em menor quantidade de erros que a níveis mais detalhados
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 23.06.2003

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      MUNIZ, Pablo; PIRES-VANIN, Ana Maria Setubal. Comunidades macrobênticas como indicadores da qualidade ambiental de ecossistemas costeiros rasos: estudo de caso-Enseada de Ubatuba (SP, Brasil). 2003.Universidade de São Paulo, São Paulo, BSP, 2003.
    • APA

      Muniz, P., & Pires-Vanin, A. M. S. (2003). Comunidades macrobênticas como indicadores da qualidade ambiental de ecossistemas costeiros rasos: estudo de caso-Enseada de Ubatuba (SP, Brasil). Universidade de São Paulo, São Paulo, BSP.
    • NLM

      Muniz P, Pires-Vanin AMS. Comunidades macrobênticas como indicadores da qualidade ambiental de ecossistemas costeiros rasos: estudo de caso-Enseada de Ubatuba (SP, Brasil). 2003 ;
    • Vancouver

      Muniz P, Pires-Vanin AMS. Comunidades macrobênticas como indicadores da qualidade ambiental de ecossistemas costeiros rasos: estudo de caso-Enseada de Ubatuba (SP, Brasil). 2003 ;


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020