Exportar registro bibliográfico

Sistemática e evolução da tribo Spathicarpeae (Araceae) (2002)

  • Authors:
  • Autor USP: GONÇALVES, EDUARDO GOMES - IB
  • Unidade: IB
  • Sigla do Departamento: BIB
  • Subjects: ARACEAE; FILOGENIA
  • Language: Português
  • Abstract: Sistemática e evolução da tribo Spathicarpeae (Araceae). A sistemática da tribo neotropical Spathicarpeae é aqui amplamente reavaliada, sob uma abordagem filogenética. A tribo é tradicionalmente reputada por ter oito gêneros, todos eles com caules tuberosos e a maioria deles peculiarmente adaptados a ambientes fortemente sazonais, normalmente sujeitos a um período seco e/ou frio no ano. Esta tribo tem sido considerada "natural" por quase um século, mas a circunscrição dos gêneros (notadamente dos taxa andinos) pode ser considerada algo complexa. Dois gêneros não tuberosos (Dieffenbachia e Bognera) tem sido ocasionalmente sugeridos como grupos proximamente relacionados às Spathicarpeae, mas raramente incluidas na mesma tribo. A filogenia molecular da tribo foi aqui reconstruída a partir de dois marcadores de DNA de cloroplasto (trnL-F e matK), associados com dados fenotípicos. Os dados fenotípicos foram incrementados por um levantamento sistemático de aspectos da morfologia floral (incluindo anatomia), cujos resultados foram também apresentados aqui. Melhores resultados foram obtidos usando "evidência total", isto é, quando três fontes de evidência distintos são (dois marcadores moleculares e morfologia) são usados em conjunto. Os resultados demonstraram que a tribo Spathicarpeae surge sempre como monofilética quando os gêneros Dieffenbachia e Bognera são incluídos como grupos internos. Gearum, um gênero endêmico do Brasil central, parece divergir precocemente dalinhagem com caules tuberosos. Um clado andino é claramente observado, usualmente incluindo os gêneros de grandes altitutes Gorgonidium e Spathantheum. O gênero Asterostigma torna-se parafilético se a espécie andina Asterostigma pavonii é incluída, uma vez que esta sempre posiciona-se no clado andino. As espécies restantes de Asterostigma surgem como proximamente relacionadas às espécies Taccarum. Uma sinopse taxonômica é também apresentada aqui, ) com uma revisão introdutória à história do gênero, assim como alguns aspectos biológicos gerais. Onze gêneros são reconhecidos, incluindo um gênero novo proposto para os Andes, que acomodaria duas espécies andinas originalmente descritas em Asterostigma. Três subtribos são propostas: Spathicarpeae (oito gêneros tuberosos, incluindo o gênero novo proposto); Dieffenbachiineae (um gênero - Dieffenbachia) e Bognerineae (um gênero - Bognera). Chaves para as subtribos e gêneros são aqui apresentados, assim como descrições de todos os gêneros. Com exceção de Dieffenbachia (com mais ou menos 150 espécies, a maioria delas ainda não descritas), chaves para as espécies em todos os gêneros são apresentadas. Todas as espécies reconhecidas dos 10 gêneros restantes são descritas em detalhes e ilustradas, sendo apresentadas com mapas de distribuição para cada uma. A biogeografia do grupo é aqui revisada, usando a filogenia reconstruída como um ponto de partida para analisar os padrões biogeográficos encontrados. Observou-se quea distribuição dos gêneros com caules tuberosos é completamente congruente com o padrão proposto para espécies de florestas secas, denominado "Arco Seco Pleistocênico". Propõe-se que a evolução de caules tuberosos e sementes com endosperma abundante foram cruciais durante a expansão de florestas secas no passado e devem ter levado a uma radiação de gêneros pequenos mas morfologicamente diversos, como podemos observar atualmente. Glaciações foram aqui reputadas como uma das principais forças atuando na evolução deste grupo
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 13.12.2002

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      GONÇALVES, Eduardo Gomes; SALATINO, Antonio. Sistemática e evolução da tribo Spathicarpeae (Araceae). 2002.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.
    • APA

      Gonçalves, E. G., & Salatino, A. (2002). Sistemática e evolução da tribo Spathicarpeae (Araceae). Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Gonçalves EG, Salatino A. Sistemática e evolução da tribo Spathicarpeae (Araceae). 2002 ;
    • Vancouver

      Gonçalves EG, Salatino A. Sistemática e evolução da tribo Spathicarpeae (Araceae). 2002 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021