Exportar registro bibliográfico

A molécula H'IND.2' em nebulosas planetárias (2002)

  • Authors:
  • USP affiliated author: ALEMAN, ISABEL REGINA GUERRA - IAG
  • School: IAG
  • Sigla do Departamento: AGA
  • Subject: ASTRONOMIA
  • Language: Português
  • Abstract: O objetivo deste trabalho é o estudo das condições de existência e a determinação da concentração da molécula 'H.IND.2' em diferentes condições típicas de nebulosas planetárias, dentro da região ionizada. Para este cálculo, desenvolvemos sub-rotinas computacionais que se acoplam ao código de fotoionização unidimensional Aangaba que, até agora, somente atômicas (H, He, C, N, O, Mg, Ne, Si, S, Ar, Cl e Fe) e seus íons. Inserimos nesse código os químico e de ionização envolvendo a molécula 'H.IND.2' e os demais compostos de hidrogênio, H, 'H.IND.2'+'H.IND.3+, além do H, 'H.POT.+' e seus elétrons que o código de fotoionização Aangaba já considerava em sua forma original. A molécula 'H.IND.3' não é considerada por ser instável. Levamos em conta 41 diferentes mecanismos de formação e destruição desses compostos do hidrogênio. Destacamos particularmente o efeito da reação de formação de 'H.IND.2' na superfície de grãos na produção global dessa molécula em nebulosas planetárias, considerada na literatura como a rota mais importante de formação dessa molécula no meio interestelar. Para isso, estudamos a possibilidade da sobrevivência de grãos dentro da região ionizada da nebulosa planetária. Analisamos também a influência das propriedades da estrela central e da densidade do gás, assim como das propriedades dos grãos astrofísicos, na concentração de 'H.IND.2'. Demonstramos que quantidades significativas de H'IND.2 podem sobreviver dentro da região ionizadade nebulosas planetárias, principalmente na região de recombinação do hidrogênio. A concentração de 'H.IND.2' relativa à densidade total de H alcança valores de até '10.POT.-4' e a razão entre a massa de 'H.IND.2' e a massa total de H da NP chega a valores de 4.'10.POT.-4'. Verificamos que a razão entre a massa de 'H.IND.2' e a massa de H total da nebulosa aumenta significativamente com o aumento da temperatura de estrela central. ) Essa maior quantidade de 'H.IND.2' em nebulosas planetárias com estrela central mais quente pode explicar porque é mais comum encontrar emissão da molécula 'H.IND.2' em nebulosas planetárias com estrutura bipolar (regra de Gatley), já que nebulosas com este tipo morfológico têm estrela central tipicamente mais quente. Na literatura, o valor 6,9.'10.POT.-5' é obtido para a razão entre a massa de 'H.IND.2' e a massa de H total da nebulosa planetária NGC 6720, a partir de dados observacionais. Usando os mesmos parâmetros deste artigo, calculamos com o código de fotoionização Aangaba o valor de 3,3.'10.POT.-5', que está razoavelmente próximo do valor da literatura
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 21.06.2002
  • Online source access
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      ALEMAN, Isabel Regina Guerra; MACIEL, Walter Junqueira. A molécula H'IND.2' em nebulosas planetárias. 2002.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/14/14131/tde-23102007-120700/ >.
    • APA

      Aleman, I. R. G., & Maciel, W. J. (2002). A molécula H'IND.2' em nebulosas planetárias. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/14/14131/tde-23102007-120700/
    • NLM

      Aleman IRG, Maciel WJ. A molécula H'IND.2' em nebulosas planetárias [Internet]. 2002 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/14/14131/tde-23102007-120700/
    • Vancouver

      Aleman IRG, Maciel WJ. A molécula H'IND.2' em nebulosas planetárias [Internet]. 2002 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/14/14131/tde-23102007-120700/

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2022