Exportar registro bibliográfico

Exoenzimas e mecanismos moleculares de resistência ao fluconazol de Candida albicans isoladas de mulheres HIV positivas (2002)

  • Authors:
  • Autor USP: RIBEIRO, MARICELI ARAUJO - ICB
  • Unidade: ICB
  • Sigla do Departamento: BMM
  • Subjects: CANDIDA ALBICANS; IMUNODEFICIÊNCIA DE VARIÁVEL COMUM; ANTIFÚNGICOS; HIV; LEVEDURAS; INIBIDORES DE ENZIMAS; ATIVAÇÃO ENZIMÁTICA; RESISTÊNCIA MICROBIANA ÀS DROGAS
  • Language: Português
  • Abstract: Este estudo foi delineado para se avaliar a correlação entre as espécies de Candida isoladas da mucosa vaginal de mulheres HIV positivas, com os sintomas de candidíase vulvovaginal e com o grau de imunodeficiência. A susceptibilidade à drogas antifúngicas foi também estudada assim como a relação entre o nível de produção de exoenzimas e a terapia antiretroviral. A prevalência de candidíase vulvovaginal, com cultura positiva foi de 81%, nas 127 mulheres estudadas e de 60% nas 205 mulheres HIV negativas. Candida albicans e Candida glabrata foram as espécies mais frequentemente isoladas em ambos os grupos. Foi observada maior tendência para a presença de C. albicans e sintomas da candidíase vulvovaginal em mulheres HIV positivas, com severo comprometimento do estado imunológico. Observamos que as enzimas aspartil proteinase e fosfolipase foram secretadas em níveis mais significativos por isolados de C. albicans, provenientes de mulheres HIV positivas do que nos isolados de mulheres HIV negativas. Em ambos os grupos a secreção enzimática foi maior nos isolados de pacientes com sintomas de vulvovaginite do que no grupo das assintomáticas. O uso de inibidores de protease viral levou à uma redução na secreção destas enzimas, sugerindo um efeito direto destes inibidores de protease na evolução dos quadros de candidíase. Estes resultados mostraram ainda que todos os isolados de C. albicans de mulheres HIV negativas foram susceptíveis às drogas antifúngicas,enquanto que 4% das cepas desta espécie, isoladas de mulheres HIV positivas, foram resistentes a uma ou mais drogas azólicas. A overexpressão do gene CDR1, que codifica as proteínas transportadoras de drogas foi o principal mecanismo de resistência ao fluconazol observado nestas espécies.
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 01.07.2002

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      RIBEIRO, Mariceli Araujo; PAULA, Claudete Rodrigues. Exoenzimas e mecanismos moleculares de resistência ao fluconazol de Candida albicans isoladas de mulheres HIV positivas. 2002.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.
    • APA

      Ribeiro, M. A., & Paula, C. R. (2002). Exoenzimas e mecanismos moleculares de resistência ao fluconazol de Candida albicans isoladas de mulheres HIV positivas. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Ribeiro MA, Paula CR. Exoenzimas e mecanismos moleculares de resistência ao fluconazol de Candida albicans isoladas de mulheres HIV positivas. 2002 ;
    • Vancouver

      Ribeiro MA, Paula CR. Exoenzimas e mecanismos moleculares de resistência ao fluconazol de Candida albicans isoladas de mulheres HIV positivas. 2002 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020