Exportar registro bibliográfico

O arcabouço conceitual da obra de Konrad Lorenz (2001)

  • Authors:
  • Autor USP: GARCIA, AGNALDO - IP
  • Unidade: IP
  • Sigla do Departamento: PSE
  • Assunto: COMPORTAMENTO ANIMAL
  • Language: Português
  • Abstract: O presente trabalho teve por objetivo analisar o arcabouço conceitual da obra de Konrad Lorenz (1903-1989), Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina de 1973. A pesquisa teve início com o levantamento da obra completa do autor, catalogando 245 títulos. Após a leitura da obra, os livros foram escolhidos como base para a organização de seu amplo conjunto de conceitos. As idéias de Konrad Lorenz foram organizadas em seis capítulos: 1) Fundamentos Filosóficos e Científicos; 2) Organização e Dinâmica do Comportamento; 3) Evolução e Modificação do Comportamento; 4) Comportamento Social; 5) Cognição, Emoção e Valoração; 6) O Homem - Natureza, Sociedade e Cultura. Estes capítulos tratam de conceitos que se integram entre si em um amplo arcabouço conceitual. Em sua análise do comportamento animal e humano, Lorenz explicita seus pressupostos filosóficos e científicos, busca organizar as formas de comportamento em transformação ao longo da filogênese, da história e da vida individual e discutir sua dinâmica. Dentre estas formas de comportamento, vistas como sistemas, o comportamento social ocupa parte central mantendo uma relação dialética com o aparelho de construção de uma imagem da realidade, que interpreta o mundo incluindo valores. Interpreta o homem como criatura social e da cultura. O autor abrange a totalidade do comportamento, desde seus primórdios até seus níveis mais complexos, desde os Protozoários até o homem em sua complexidade psicológica, social e cultural.Apesar da diversidade temática, a obra demonstra coerência e coesão, apresentando um arcabouço teórico consistente e complexo. Sua construção teórica engloba uma visão diacrônica, que leva em conta as várias dimensões do tempo evolutivo, do tempo histórico e do tempo de vida do indivíduo, e uma visão sincrônica sistêmica. Ao longo da obra integra a visão sistêmica sincrônica com a visão diacrônica evolutiva e histórica. ) O ponto de partida de seu arcabouço conceitual é a descoberta dos padrões de movimento instintivo, pedra angular de sua obra do ponto de vista morfológico e fisiológico. Epistemologicamente, adota o realismo ingênuo em oposição a Kant. O mundo é real assim como nosso conhecimento acerca dele, ainda que limitado. Ontologicamente, o mundo é construído por sistemas que se integram, dando origem a novos sistemas com propriedades imprevisíveis. Integra uma visão sistêmica, sincrônica, cuja origem tem ligações com a Psicologia da Gestalt, com uma visão de transformação com o surgimento de novos sistemas. Na evolução, estes sistemas não são pré-determinados. Reconhece a herança filogenética do homem, ponto de partida para a análise causal, e investiga o processo de ritualização filogenética comparando-a com a ritualização cultural, relacionando fenômenos evolutivos e históricos. Discute as conquistas da razão, da moral racional e critica a civilização ocidental. Em seu arcabouço conceitual sistêmico e evolutivo-histórico articula idéiasde vários autores, como Kant, Ehrenfels, Gehlen e Spengler, entre outros. Konrad Lorenz é um dos grandes pensadores do século XX, complexo e interdisciplinar. Partindo do comportamento animal, analisa o comportamento humano de forma cada vez mais ampla e genérica. Adota uma posição política para além da direita e da esquerda, criticando o capitalismo e o socialismo. Reflete sobre o homem e sua evolução e história em relação à sociedade, à cultura e ao meio ambiente, e sobre como cada geração se defronta com o mundo em posse de um aparato cognitivo que permite a construção de uma imagem desse mundo. Quanto mais amplia sua temática, mais genéricos tornam-se seus conceitos. Constrói uma visão ampla da realidade, conseqüentemente, perde de vista os detalhes. ) Sua obra é como um grande turbilhão, cuja força centrípeta procura integrar cada vez mais conceitos em sua estrutura que avança para o plano molar, perdendo de vista o plano molecular, gerando grandes traçados esquemáticos de uma ampla ciência do comportamento
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 08.11.2001

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      GARCIA, Agnaldo; OTTA, Emma. O arcabouço conceitual da obra de Konrad Lorenz. 2001.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.
    • APA

      Garcia, A., & Otta, E. (2001). O arcabouço conceitual da obra de Konrad Lorenz. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Garcia A, Otta E. O arcabouço conceitual da obra de Konrad Lorenz. 2001 ;
    • Vancouver

      Garcia A, Otta E. O arcabouço conceitual da obra de Konrad Lorenz. 2001 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021