Exportar registro bibliográfico

Controle da dor pós-operatória: comparação entre métodos analgésicos (2001)

  • Authors:
  • Autor USP: CHAVES, LUCIMARA DUARTE - EE
  • Unidade: EE
  • Sigla do Departamento: ENC
  • Assunto: DOR
  • Language: Português
  • Abstract: Neste estudo, comparou-se o alívio da dor, a ocorrência de efeitos colaterais, o consumo de analgésicos, regular e complementar, e os custos do tratamento analgésico, em doentes submetidos a diferentes métodos de analgesia pós-operatória. Analisaram-se 403 prontuários de pacientes que, no período de janeiro de 1997 a dezembro de 1998, receberam analgesia pós-operatória sob a responsabilidade do Serviço de Terapia da Dor de um hospital geral e privado de São Paulo. Os métodos analgésicos utilizados foram a Analgesia Controlada pelo Paciente, por meio de bomba de infusão, e analgesia peridural convencional, por meio de seringa. De acordo com o método de analgesia recebido, formaram-se 5 grupos: infusão intravenosa contínua associada a bolo (IVC+B), infusão intravenosa somente em bolo (IVB), infusão peridural contínua associada a bolo (PC+B), infusão peridural em bolo (PB), infusão peridural em bolo por meio de seringa (PS). Os doentes dos 5 grupos não diferiram quanto à idade e ao sexo, diferiram quanto ao porte da cirurgia a que se submeteram e não foi possível compará-los quanto ao tipo de cirurgia. A maioria (92,9 %) dos doentes referiu ausência de dor ou dor leve, considerando-se todos os métodos analgésicos. Maior ocorrência de dor moderada a intensa foi observada no método PS e a maior e a menor média de intensidade de dor nos métodos IVC+B e PC+B, respectivamente. Essas diferenças foram estatisticamente significativa (p<0,05). Efeitos colateraisocorreram em 44,8% dos doentes, perfazendo média de 0,72 por doente. Do conjunto de doentes estudados, a náusea e o vômitos foram os efeitos colaterais mais freqüentes (31,7% e 18,1%, respectivamente). Observou-se predomínio de prurido (p<0,001), no método PS, e retenção urinária (p=0,002), nos métodos PB e PC+B. A diferença quanto ao uso de analgésicos opióides de modo regular (maior consumo na via peridural) deveu-se às característica da via. ) Não houve diferença quanto ao número de analgésicos complementares utilizados. O método PS foi o mais barato, equivalendo a 51,6% do preço dos métodos mais caros (PC+B e PB). Visto que a magnitude da dor foi pequena, as diferenças observadas entre os métodos, possivelmente, apresentaram pequena expressão clínica. As diferenças de custo entre os métodos foram significativas, o que talvez possa ser fator importante na escolha da terapia
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 22.11.2001

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      CHAVES, Lucimara Duarte; PIMENTA, Cibele Andrucioli de Mattos. Controle da dor pós-operatória: comparação entre métodos analgésicos. 2001.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.
    • APA

      Chaves, L. D., & Pimenta, C. A. de M. (2001). Controle da dor pós-operatória: comparação entre métodos analgésicos. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Chaves LD, Pimenta CA de M. Controle da dor pós-operatória: comparação entre métodos analgésicos. 2001 ;
    • Vancouver

      Chaves LD, Pimenta CA de M. Controle da dor pós-operatória: comparação entre métodos analgésicos. 2001 ;


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021