Exportar registro bibliográfico

Análise quantitativa de células tronco hematopoéticas e de céluas T em medula óssea, sangue periférico estimulado e sangue de cordão (2000)

  • Authors:
  • Autor USP: LEMOS, MARTA MARIA MOREIRA - FMRP
  • Unidade: FMRP
  • Sigla do Departamento: RCM
  • Assunto: MEDICINA INTERNA
  • Language: Português
  • Abstract: A porcentagem, número absoluto e número total de células CD34 positivas obtidas por coleta de medula óssea e de sangue periférico estimulado por G-CSF são maiores do que as obtidas em sangue de cordão umbilical, porém não existe diferença entre a medula óssea e o sangue periférico estimulado. Este achado tem implicações importantes para o sucesso do enxertamento dos transplantes de células tronco hematopoéticas. Ele sugere que o número de células tronco hematopoéticas obtidas em sangue de cordão umbilical é insuficiente para transplantes alogênicos em adultos, e que é possível coletar número adequado de células tronco hematopoéticas do sangue periférico, após estímulo, através de leucocitaférese, que pode substituir a medula óssea como fonte de células para transplante alogênicos no futuro. A quantidade de células T presentes no produto da leucocitaférese pós estímulo com G-CSF é significativamente maior do que o coletado na medula óssea. Este fato pode ter grande importância clínica na seleção da fonte de células tronco hematopoéticas para transplante alogênico, podendo influenciar o enxertamento, a reconstituição imunológica e as reações enxerto-contra-leucemia e enxerto-contra-hospedeiro aguda acrônica. Existe correlação entre a quantidade de células CD34 positivas em sangue periférico e no produto obtido por leucocitaférese após estímulo com quimioterapia e G-CSF, sendo possível determinar, através de contagens periféricas, o melhor momento para o iníciodas coletas por aférese, obtendo-se, assim, maior número de células CD34 positivas com menor número de procedimentos. Não existe diferença na quantidade de células tronco hematopoéticas, mobilizadas com quimioterapia e fator de crescimento G-CSF, em sangue periférico de pacientes com Doença de Hodgkin e Linfoma não Hodgkin. Assim, outros fatores, além da doença de base, influenciam o sucesso da coleta de células tronco hematopoéticas do sangue periférico
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 27.10.2000

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      LEMOS, Marta Maria Moreira; VOLTARELLI, Júlio César. Análise quantitativa de células tronco hematopoéticas e de céluas T em medula óssea, sangue periférico estimulado e sangue de cordão. 2000.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2000.
    • APA

      Lemos, M. M. M., & Voltarelli, J. C. (2000). Análise quantitativa de células tronco hematopoéticas e de céluas T em medula óssea, sangue periférico estimulado e sangue de cordão. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.
    • NLM

      Lemos MMM, Voltarelli JC. Análise quantitativa de células tronco hematopoéticas e de céluas T em medula óssea, sangue periférico estimulado e sangue de cordão. 2000 ;
    • Vancouver

      Lemos MMM, Voltarelli JC. Análise quantitativa de células tronco hematopoéticas e de céluas T em medula óssea, sangue periférico estimulado e sangue de cordão. 2000 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020