Exportar registro bibliográfico

Estudos farmacológicos comparativos de extratos gonadais dos ouriços-do-mar, Lytechinus variegatus e Echinometra lucunter (2000)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: GOMES, ANDRÉA MOREIRA - IP
  • Unidades: IP
  • Sigla do Departamento: PSE
  • Subjects: FARMACOLOGIA; PSICOLOGIA EXPERIMENTAL; ELETROFISIOLOGIA; ANÁLISE DO COMPORTAMENTO
  • Language: Português
  • Abstract: Lytechinus variegatus e Echinometra lucunter são ouriços-do-mar, comumente, encontrados em todo litoral brasileiro. O interesse pelo estudo das gônadas desses animais surgiu a partir de dados etnotoxicológicos obtidos na cidade de São Sebastião,no litoral norte do Estado de São Paulo. As informações indicam que os caiçaras pescadores ocasionalmente consomem gonadas do ouriço-do-mar E. lucunter, mas não as de L. variegatus, pois são consideradas "venenosas". Dessa maneira, o objetivodesse trabalho é averiguar esses fatos a partir do estudo das atividades farmacológicas dos extratos gonadais dessas espécies, utilizando experimentos que permitam detectar alterações fisiológicas em animais de laboratório e em preparaçõesfarmacológicas. As gônadas de ambos os ouriços-do-mar foram retiradas, separadas por espécie e sexo, homogeneizadas em metanol, sendo o material obtido filtrado, concentrado a vácuo e submetido à partição com diclorometano, obtendo-se as fraçõespolar e apolar. O estudo da toxicidade aguda, através de administrações orais, em camundongos, mostrou que as frações polar e apolar dos extratos gonadais de ambos os ouriços-do-mar ocasionaram baixa toxicidade nos animais, com total recuperaçãoapós 24 horas. A administração intraperitonial mostrou que as frações apolares de ambos os ouriços-do-mar não ocasionaram maiores alterações comparando-se aos animais controle, assim como as frações polares de E. lucunter. Já as frações polaresde L. variegatus,ocasionaram alterações respiratórias e convulsões levando os animais à morte em aproximadamente dez minutos indicando que esta via é mais eficaz em produzir efeitos tóxicos e letais. A fim de descobrir as possíveis causas paraa morte dos animais, foram realizados experimentos de neurotoxicidade em nervo de crustáceo, onde se observou que as frações polares de L. variegatus ocasionaram diminuição da amplitude e bloqueio dos potenciais de ação, além de ) de provocar despolarização da membrana, revelando a presença de neurotoxicidade. As frações apolares foram inativas nesta preparação. Nos ensaios hemolíticos, ambas as frações dos extratos gonadais de L. variegatus provocaramhemólise em eritrócitos de camundongo sendo a fração polar mais eficaz. Os fosfolipídios de membrana esfingomielina fosfatidilcolina foram incubados com as frações polar e apolar de ambos os ouriço-do-mar e agiram como aceptores da hemolisina. Ainativação da hemolisina de extratos pela pré-incubação com fosfolipídios e subsequente teste em nervo do crustáceo, revelou que os efeitos hemolíticos e neurotóxicos são devidos à mesma substância. Os resultados indicam que as frações polarestesticular e ovariana de variegatus apresentam substâncias que podem levar à morte por paralisia respiratória, devido a um bloqueio da condução no nervo frênico e, consequente ausência de estimulação do músculo diafragma, que também foicomprovado através da preparação neuromuscular frênico-hemidiafragma. Alémdisso, na verificação da atividade anti-mitótica das frações polares e apoiares dos extratos gonadais de ambos ouriços-do-mar sobre o desenvolvimento de ovos deouriços-do-mar, o resultados foram negativos. A ultrafiltração das frações polares de L. variegatus revelou que a substância tóxica possui peso molecular entre 500 e 1000 Da corroborando com a literatura consultada em que saponinas esteroídicasestão dentro dessa faixa de peso molecular. O procedimento de adsorção em Resina Amberlit XAD-2 foi eficiente para a purificação dos extratos, cujas frações tomaram-se mais potentes em concentrações baixas. Os resultados de caracterizaçãoquímica e o dados obtidos na literatura, sugerem que a substância existente nos extratos gonadais do ouriço-do-mar L techinus variegatus assemelha-se muito às saponina esteroídicas encontradas em estrelas-do-mar. As gônadas do ouriço-do-mar ) Echinometra lucunter apresentam quantidade residual de substâncias tóxicas, e, portanto podem ser consumidas. As gônadas de Lytechinus variegatus apresentam substâncias tóxicas de natureza esteróidica, sendo seu consumodesaconselhável, principalmente em grandes quantidades, pois podem gerar sintomas desagradáveis nos seres humanos; fato este que vem confirmar, o dado etnotoxicológico, que inspirou este trabalho
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 16.06.2000

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      GOMES, Andréa Moreira; FREITAS, José Carlos de. Estudos farmacológicos comparativos de extratos gonadais dos ouriços-do-mar, Lytechinus variegatus e Echinometra lucunter. 2000.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.
    • APA

      Gomes, A. M., & Freitas, J. C. de. (2000). Estudos farmacológicos comparativos de extratos gonadais dos ouriços-do-mar, Lytechinus variegatus e Echinometra lucunter. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Gomes AM, Freitas JC de. Estudos farmacológicos comparativos de extratos gonadais dos ouriços-do-mar, Lytechinus variegatus e Echinometra lucunter. 2000 ;
    • Vancouver

      Gomes AM, Freitas JC de. Estudos farmacológicos comparativos de extratos gonadais dos ouriços-do-mar, Lytechinus variegatus e Echinometra lucunter. 2000 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020