Exportar registro bibliográfico

Estrutura de comunidades de formigas do cerrado (2000)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: SILVESTRE, ROGERIO - FFCLRP
  • Unidades: FFCLRP
  • Sigla do Departamento: 592
  • Subjects: ENTOMOLOGIA AGRÍCOLA
  • Language: Português
  • Abstract: O presente trabalho investiga trés aspectos da estrutura de comunidades de formigas do bioma Cerrado: interações interespecíficas, riqueza a diversidade de espécies a guïldas. Primeiramente, investiguei a influéncia dos comportamentos agressivosobservados em interações interespecificas nos levantamentos faunisticos que empregam iscas, verificando a existéncia de hierarquias de domináncia dentro das comunidades de formigas e tentando responder se essa eventual domináncia comportamentalda fonte alimentar poderia alterar os resultados de freqüéncia relativa das espécies obtidos em levantamentos. Utilizei como modelo iscas de sardinha que mimetizam fontes de proteina. Registrei os atos comportamentais de formigas visitando 60iscas oferecidas por 90 minutos sobre o solo de duas localidades de Cerrado. Setenta e duas espécies foram registradas realizando 682 atos comportamentais interativos, dos quais 3 52 foram agressivos, resultando na morte de 29 individuos. Amaioria das espécies observadas monitora constantemente o habïtat á procura de alimentos, sobrepondo as areas de forrageamento das colónias que estão próximas, resultando assim na competição freqüentemente observada. A maioria das iscas (85%)foi visitada nos primeiros cinco minutos de exposição e em média 4,8 espécies (1-8) visitaram cada isca durante os 90 minutos. O comportamento mais comum registrado foi a visita oportunista das formigas nas iscas, nesta situação a operáriaencontrasolitariamente a isca, coleta uma porção da sardinha e retorna ao ninho. Muitas vezes operárias foram observadas obstruindo o acesso das outras visitavam as mesmas iscas, por utilizarem químicos repelentes, recrutamento de massa ou porserem agressivas. Minhas observações indicam que, embora a dominância da isca por determinadas espécies possa ocorrer, resultando na exclusão das espécies subordinadas, a ordem na hierarquia de dominância pode se inverter em outra ocasião, ) possivelmente como resultado da distáncia da forte ao ninho, da composição de espécies interagïndo na mesma isca a das diferentes estratégias de recrutamento empregadas em cada situação. Na segunda etapa do trabalho, realizei umlevantamento da fauna de formigas em 7 localidades de Cerrado, utilizando métodos quantitativos e qualitativos. Para as coletas quantitativas, uma área de lha de Cerrado sensu strïcto foi escolhida em cada localidade e 25 pontos foram sorteadosde um total de 121 pontos demarcados em uma grade de coleta, formada por 11 transectos, separados lOm entre si, com 11 pontos separados, também 1Om um do outro.Em cada localidade as iscas foram oferecidas por 90 minutos no solo e na vegetaçãonos periodos diurno e notumo. Um total de 4.400 iscas foram oferecidas em todas as 7 localïdades, com o objetivo de comparar a similaridade faunística entre as áreas amostradas. Utilizei ainda, em cinco localidades, 500 iscas dispostas em MatasCiliares (100 por localidade), no soloa pa vegetação, apenas no período diurno, em transectos cobrindo 250m lineares. Para as amostragens qualitativas utilizei: coletas com pinça, fiasco aspirador, escavação de cupinzeiros, o revirar de pedras,a abertura de troncos, galhos e gravetos caídos, amostras de serapilheira submetidas a funil de Berlese- Tüllgren e extrator de Winkler, a instalação de armadilhas do tipo pit-fgll, bandejas com água a para a captura de alados Malaise aarmadilha luminosa. Um total de 331 espécies foi registrado, somando todas as espécies de formigas amostradas nos levantamentos qualitativos a quantitativos nas 7 localidades de Cerrado. Neste levantamento foram registradas as subfamíliasFormicinae, Myrmecinae, Dilichoderinae, Ecitoninae, Poneringe, Pseudomyrmecinae e Cerapachyinae. Os gêneros Camponotus, Pheidole, Crematogaster e Solenopsis foram os mais ricos em número de espécies. Pseudomyrmex mostrou uma grande diversidade ) de espécies (29), incluindo espécies ainda não descritas. Muitas espécies foram registradas pela primeira vez nestã latitude como Blepiraridatta comps, Cigantiops destruçtor, Paraponera clavata, Megalomyrmex acauna a Tingimyrmexmirabilis. Como última etapa do trabalho, analisei a comunidade amostrada no Cerrado, tentando revelar as guildas de formigas existentes, baseando-me na taxonomia, na preferência trófica, nos hábitos de nidiftcação, nas estratégias deforrageamento, no padrão de comportamento observação em interaçõesinteréspecíficas, no tamanho das operárias, na agilidade relativa das espécies a no tamanho da população das colnnias maduras. Selecionei para análise os táxons associados eçm osdados de observações de campo, considerando para este propósito um total de 110 espécies. Uma análise de agrupamento com distância Euclichaaa a ligação completa odeatorr a frmação de 12 guildas: predadoras grandes, patrulheiras, oportunistas,espécies crípticas, desfolheadoras, cultivadoras de fiingos sobre carcaças, mirmicíneas generalistas, doliehoderíneas de recrutamento massivo, nômades, especialistas mínimas, cefalotíneas a dolichoderíneas coletoras de néctar. Por fim, eucomparo a estrutura da comuaidade de uma localidade no "core" do Cerrado, com uma localidade "ilha" de Cerrado, utilizando o modelo de classificação das guildas, demonstrando que existe unia substituição de espécies dentro dos grupos e que ascomunidades são fiuncionalmente semelhantes
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 09.06.2000

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      SILVESTRE, Rogério; BRANDÃO, Carlos Roberto. Estrutura de comunidades de formigas do cerrado. 2000.Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2000. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59131/tde-23012002-104948/ >.
    • APA

      Silvestre, R., & Brandão, C. R. (2000). Estrutura de comunidades de formigas do cerrado. Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59131/tde-23012002-104948/
    • NLM

      Silvestre R, Brandão CR. Estrutura de comunidades de formigas do cerrado [Internet]. 2000 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59131/tde-23012002-104948/
    • Vancouver

      Silvestre R, Brandão CR. Estrutura de comunidades de formigas do cerrado [Internet]. 2000 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59131/tde-23012002-104948/


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020