Exportar registro bibliográfico

Deslocamentos condilares entre RC e MIC, com e sem desprogramação, em indivíduos assintomáticos, com maloclusão de Cl. II (1999)

  • Authors:
  • Autor USP: FANTINI, SOLANGE MONGELLI DE - FO
  • Unidade: FO
  • Sigla do Departamento: ODO
  • Subjects: ORTODONTIA; MALOCLUSÃO; CÔNDILO MANDIBULAR
  • Language: Português
  • Abstract: Os deslocamentos condilares entre as posições mandibulares de RC e MIC são considerados ocorrências freqüentes na população em geral. Foram comparados, então, os deslocamentos condilares entre as duas posições citadas, em pacientes com maloclusãode Cl II de Angle (1899), sem sinais e sintomas clínicos perceptíveis de DTM, antes de realizarem-se os tratamentos ortodônticos. A amostra foi constituída por dois diferentes grupos. O grupo Experimental contou com 22 indivíduos distribuídosigualmente entre os sexos, com média de idade de 14a8m. Esses pacientes usaram placa oclusal desprogramadora por um período médio de 7m22d, antes de se realizarem os registros. O grupo Controle constituiu-se de 23 indivíduos, sendo 10 do sexomasculino e 13, do feminino, com média de idade de 16a8m. Esses últimos não usaram placas de desprogramação neuromuscular. Os deslocamentos condilares de ambos os grupos foram medidos nos três planos do espaço por meio de modelos montadosemarticulador semi-ajustável Panadent e do Indicador de Posição Condilar, de mesma procedência.Os deslocamentos condilares médios observados no grupo experimental, no sentido vertical, foram de 4,24mm no lado direito e 3,86mm no lado esquerdo.No sentido horizontal, aquelas medidas foram de 0,72mm no lado direito e de -0,51mm no lado esuqerdo. No sentido transversal , obteve-se a medida de 0,03mm. Os deslocamentos condilares médios do grupo de Controle mediram, no sentidovertical,1,31mm no lado direito e 1,86mm no lado esquerdo. No sentido horizontal, mediram -0,13 mm do lado direito e -0,11mm, do esquerdo. No sentido tranversal, o valor médio foi de -0,03mm. Foram encontradas diferenças estatisticamente significantesentre os grupos Experimental e Controle, apenas quando comparados os dados dos deslocamentos condilares no sentido vertical, dos lados dierito e esquerdo, sendo significantemente maiores no grupo Experimental. Encontrou-se, também, ) diferença estatisticamente significante entre as medidas dos deslocamentos verticais do grupo Experimental, dos lados direito e esquerdo, sendo significantemente maiores no lado direito. Comparações entre homens e mulheres nãorevelaram diferenças estatisticamente significantes em relação aos deslocamentos estudados, assim como não se encontrou correlação entre tempo de uso das placas e os deslocamentos verticais do grupo experimental. Finalmente, encontrou-secorrelação inversa significante entre idade cronológica e os deslocamentos condilares verticais dos lados direito e esquerdo, do grupo Experimental. A mesma correlação inversa significante foi observada entre maturidade esquelética e osreferidos deslocamentos. Assim, quanto mais velhos ou maior a maturidade esquelética, menores os deslocamentos condilares no sentido vertical, encontrados nos pacientes daquele grupo. Confirma-se então, neste estudo, a ocorrência freqüente dedeslocamento condilar entre RC e MIC, em pacientescom maloclusão de Cl. II de Angle (1899), sem sinais e sintomas de DTM. Observou-se também, que com o uso das placas desprogramadoras, são evidenciados com maior nitidez, os deslocamentoscondilares no sentido vertical, mesmo em pacientes assintomáticos
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 05.11.1999
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      FANTINI, Solange Mongelli de; ABRÃO, Jorge. Deslocamentos condilares entre RC e MIC, com e sem desprogramação, em indivíduos assintomáticos, com maloclusão de Cl. II. 1999.Universidade de São Paulo, São Paulo, 1999. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/23/23133/tde-02042009-140837/?&lang=pt-br >.
    • APA

      Fantini, S. M. de, & Abrão, J. (1999). Deslocamentos condilares entre RC e MIC, com e sem desprogramação, em indivíduos assintomáticos, com maloclusão de Cl. II. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/23/23133/tde-02042009-140837/?&lang=pt-br
    • NLM

      Fantini SM de, Abrão J. Deslocamentos condilares entre RC e MIC, com e sem desprogramação, em indivíduos assintomáticos, com maloclusão de Cl. II [Internet]. 1999 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/23/23133/tde-02042009-140837/?&lang=pt-br
    • Vancouver

      Fantini SM de, Abrão J. Deslocamentos condilares entre RC e MIC, com e sem desprogramação, em indivíduos assintomáticos, com maloclusão de Cl. II [Internet]. 1999 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/23/23133/tde-02042009-140837/?&lang=pt-br


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021