Exportar registro bibliográfico

Análise cladística dos bivalves do Grupo Passa Dois (Neopermiano), Bacia do Paraná, Brasil: implicações taxonômicas evolutivas e paleobiogeográficas (1999)

  • Authors:
  • Autor USP: MELLO, LUIZ HENRIQUE CRUZ DE - IGC
  • Unidade: IGC
  • Sigla do Departamento: GPE
  • Subjects: PALEOZOOLOGIA; ZOOLOGIA (CLASSIFICAÇÃO)
  • Language: Português
  • Abstract: No presente estudo são conduzidas, paralelamente, duas análises cladísticas envolvendo 76% dos bivalves conhecidos da malacofauna do Grupo Passa Dois (Neopermiano), da Bacia do Paraná, Brasil. A Primeira análise inclui 14 gêneros da Família Megadesmidae Vokes, 1967, que são os elementos predominantes das assembléias de bivalves das formações Serra Alta, Terezinha e Corumbataí (assembléias de Anhembia froesi, Pinzonella illusa, Pinzonella neotropica), que ocorrem em sucessão estratigráfica no Estado de São Paulo. Essa análise teve por objetivo avaliar a consistência da Família Megadesmidae Vokes, 1967 e das duas subfamílias (Megadesmidae Vokes, 1967 e Plesiocyprinellinae Simões et al., 1997), recentemente propostas na literatura. A análise inicial de máxima parsimônia resultou em 128 cladogramas igualmente parcimoniosos (L=78; CI=51;RI=70), sendo que sua árvore de consenso estrito (L=111; CI=36; RI=45) apresenta uma grande politomia basal envolvendo os táxons das duas subfamílias. Através da análise de pesagem sucessiva, foram obtidos 9 cladogramas (L=283; CI=85; RI=91) e sua árvore de consenso estrito (L=286; CI=84; RI=90) foi adotada como hipótese de trabalho, apresentando a seguinte topologia: Astartila, Pleurikodonta, 'Vacunella POT.+' {=Vacunella+Pyramus+Australomya+Megadesmas+Myonia}, guiratinga, Itatamba, Jacquesia, 'Plesiocypinella POT.+'{Plesiocyprinella+Ferrazia}, 'Casterella POT.+'{Casterella+Favalia+Roxoaintrincans+Roxoa 'intrincansPOR.+'[Roxoa intrincans+Roxoa corumbataiensis], Holdhausiella 'elongata AST'+Holdahausiella almeidai+Othonella+ 'Tambaquyra POT.+'[=Tambaquyra+Cawperesia+Runnegariella+Anhembi+Leinzia]. Os resultados obtidos confirmam a consistência da Família Megadesmidae Vokes, 1967 e das subfamílias Megadesmidae Vokes, 1967 e Plesiocyprinellinae Simões et al., 1997. Além disso, suportaram o monofiletismo de Roxoa Mendes, 1952, sendo este gênero composto pelas espécies Roxoa ) corumbatatensis Mendes, 1952 e Roxoa intricans (Mendes), 1944. O mono filetismo de Jacquesia Mendes, 1944 não foi corroborado, devendo ser retomados os gêneros Holdhausiella Mendes, 1952 e Favalia Mendes, 1962, respectivamente. Os gêneros Othonella Mendes, 1963 e Guiratingia Petri & Fúlfaro, 1966 (Formação Tatuí) podem ser considerados distintos, respectivamente, de Plesiocyprinella Holdhaus, 1918 e Cowperesia Mendes, 1952, contrariando sinonímias anteriores. Por sua vez, os gêneros Relogiicola Rohn, 1985, Tambaquyra Simåeos et al., no prelo b, Anhembia (Mendes), 1949 e Leinzia Mendes, 1949 são imbuídos, pela primeira vez, à Família Megademidae Vokes, 1967. A segunda análise tem por objetivo esclarecer as relações de parentesco dos gêneros bivalves da Ordem Veneroida (Pinzonella Reed, 1932 e Terraia Cox, 1934 e Nothoterraia Rohn, 1985) comuns nas formação Terzina, Corumbataí e Rio do Rasto (assembléias de Pinzonella illusa, Pinzonella neotropica, Terraia curvata e Leinzia similis). Foram obtidos28 cladogramas (L=104; CI=44; RI=102) através da análise de máxima parcimônia e sua árvore de consenso estrito (L=116; CI=39; RI=67) apresenta uma grande politomia envolvendo aqueles gêneros. A análise de pesagem sucessiva resultou em 20 cladogramas (L=318; CI=77; RI=91), e sua árvore de consenso estrito (L=326; CI=76; RI=90) trás uma politomia envolvendo os táxons da Uperfamília Crassatelacea, ao passo que as relações entre os táxons do Grupo Passa Dois (Pinzonella Reed, 1932, Terraia Cox, 1934 e Nothoterraia Rohn, 1985) estão bem resolvidas, tendo sido esse resultado adotado como hipótese de trabalho. Desta forma a topologia obtida para os táxons do Grupo Passa Dois apresenta os seguintes grupos, fora da Superfamília Crassatelacea: Terraiopis {=Terraiopsis curvata + Terraiopsis aequilateralis + Terraiopsis bipleura}, Nothoterraia, Terraia {=Terraia altíssima} e Pinzonella illusa + Pinzonella neotropica} ) O gênero Pinzonella Reed, 1932 é monofilético, pertencente à família Pinzonellidae Beurlen, 1954. Porém, o gênero Terraia Cox, 1934 não teve seu monofiletismo corroborado (grupo parafilético), sendo atribuída a este táxon apenas a espécie Terrais sltíssima (Holdhaus), 1918, gênero tipo da Família Terraidae Beurlen, 1957a. Para as demais espécies, i.e., Terraia curvata (Reed), 1929, Terraia bipleura (Reed), 1929 e Terraia aequilateralis Mendes, 1952, foi resgatado o gênero Terraiopsis Beurlen, 1953, sendo proposta a nova Família Terraiopsidae para abrigá-lo. Damesma forma, o gênero Norotherraia Rohn, 1985 mostrou-se válido e distinto de Terraia Cox, 1934 e Terraiopsis Beurlen, 1953, sendo ainda, o único representante da nova Família Nothoterraiidae. As famílias Pinzonellidae Beurlen, 1954, Terraiidae Beurlen, 1957a, Terraiopsidae fam. N. e Nothorraiidae fam. N. formam um importante grado basal da Ordem Veneroida. Por sua vez, as famílias Schizoidae Newell & Boyd, 1975 e Pachycardiidae Cox, 1961, e Astartidae d'Orbigny, 1844 e Crassatellidae Férussac, 1822, não são monofiléticas não encontraram suporte na topologia obtida, muito embora a baixa representatividade de seus gêneros na análise possa ter conduzido a esse resultado, o qual poderá ser refutado em estudos ulteriores. Adicionalmente, as análises cladísticas realizadas não comprovam as relações de parentesco entre os gêneros de bivalves do Grupo Passa Dois (Pinzonella Reed, 1932 e Terraia Cox, 1934), com táxons do Triássico da América do Norte, Europa e da Nova Zelândia (Balantioselena Speden, 1962, Trigonodus Alberti, 1864, Kaibabella Chronic, 1952, Pachycardia Hauer, 1857 e Heminajas Neumayr, 1891), sugeridas por autores prévios, com base na semelhança morfológica. Desta forma, a similaridade morfológica de táxons típicos das assembléias de Pinzonella neotropica com elementos triássicos, deve-se, provavelmente, à homoplasia. Portanto, os ) modelos paleobiogeográficos que sugerem afinidade tethiana e uma idade triássica para os táxons do grupoPassa Dois, com base em relações de parentesco estabelecidas a partir da morfologia daqueles táxons, devem ser reexaminados. O confronto dos resultados obtidos com os dois principais esquemas de classificação prévia, para os bivalves do Grupo Passa Dois, permite constatar (1) um aumento na diversidade da malacofauna do Grupo Passa Dois, com o resgate de 3 gêneros e o reconhecimento de 4 famílias novas; (2) um aumento no conhecimento morfológico de todos os táxons examinados, resultando na emenda das diagnoses genéricas de Anhembia (Mendes), 1949, Linzia Mendes, 1949, Jacquesia Mendes, 1944 e Orthonella Mendes, 1963, e descrições específicas de Pinzonella illusa Reed, 1932, Pinzonella neotropica (Reed), 1928, Terraiopsis aequilateralis (Mendes), 1952 e Terraiopsis curvata (Reed), 1929 e (3) o esclarecimento do posicionamento taxonômico e das relações de parentesco entre os táxons da Família Megadesmidae Vokes 1967 { Guiratingia Petri & Fúlfaro, 1966, Jacquesia Mendes, 1944, Roxoa Mendes, 1952, Othonella Mendes, 1963, Tambaquyra Simões et al., no prelo b, Relogiicola Rohn, 1985, Leinzia Mendes, q949 e Anhembia (Mendes), 1949} e da Ordem Veneroida (Pinzonella Reed, 1932, Terraia Cox, 1934 e Nothoterraia Rohn, 1985). Finalmente, o a;to grau de endemismo da malacofauna do Grupo Passa Dois é novamente ressaltado
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 17.05.1999
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      MELLO, Luiz Henrique Cruz de; SIMÕES, Marcello Guimarães. Análise cladística dos bivalves do Grupo Passa Dois (Neopermiano), Bacia do Paraná, Brasil: implicações taxonômicas evolutivas e paleobiogeográficas. 1999.Universidade de São Paulo, São Paulo, 1999. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44136/tde-05102015-131815/pt-br.php >.
    • APA

      Mello, L. H. C. de, & Simões, M. G. (1999). Análise cladística dos bivalves do Grupo Passa Dois (Neopermiano), Bacia do Paraná, Brasil: implicações taxonômicas evolutivas e paleobiogeográficas. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44136/tde-05102015-131815/pt-br.php
    • NLM

      Mello LHC de, Simões MG. Análise cladística dos bivalves do Grupo Passa Dois (Neopermiano), Bacia do Paraná, Brasil: implicações taxonômicas evolutivas e paleobiogeográficas [Internet]. 1999 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44136/tde-05102015-131815/pt-br.php
    • Vancouver

      Mello LHC de, Simões MG. Análise cladística dos bivalves do Grupo Passa Dois (Neopermiano), Bacia do Paraná, Brasil: implicações taxonômicas evolutivas e paleobiogeográficas [Internet]. 1999 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44136/tde-05102015-131815/pt-br.php


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021