Exportar registro bibliográfico

Estimativa diária da evapotranspiração de referência com dados de estação meteorológica convencional e automática (1998)

  • Authors:
  • Autor USP: SENTELHAS, PAULO CESAR - ESALQ
  • Unidade: ESALQ
  • Sigla do Departamento: LER
  • Assunto: AGROMETEOROLOGIA
  • Language: Português
  • Abstract: como para a EMA. OS resultados indicaram estimativas mais precisas e exatas da Rn do que aquelas obtidas pela associação das equações de Angström e de Brunt. Para dados obtidos na EMC, pode-se estimar a RN com boa confiabilidade(b=1,0043 e ´r POT.2´ = 0,88) a partir de T e de n/N. Para dados da EMA, essa estimativa pode ser obtida a partir da Qg, com a relação Rn= 0,9073). Segundo, após essas análises preliminares, efetuou-se a estimativa da ETo a partir dos dados das ) duas estações, empregando-se os três métodos. De modo geral, foi observada tendência de melhores estimativas da ETo a partir de dados da EMA em relação à EMC, por qualquer dos métodos, com valores menores (aproximadamente 18%) nasestimativas a partir da EMC. Essa tendência foi reduzida quando se utilizou estimativa da Rn pelos modelos de regressão linear. Tomando-se como referência os dados da EMA, o método de Penman estimou bem a ETo no período seco (b=1,0589 e ´rPOT.2´= 0.9013). No entanto, no período úmido a superestimativa média foi de 1% (b=1,3108 r ´r POT.2´=0,9143). O método de P-T, apresentou resultados semelhantes aos de Penman quando utilizou-se ´alfa´=1,26, sugerido como padrão. Porém, com´alfa´=1, no período úmido, e igual a 133 no período seco, houve excelente estimativa de ETo, com b=1,028 e ´r POT.2´= 0,91. O método de P-M foi o que apresentou as melhores estimativas e ETo, considerando-se o período integral da análise.Porém, analisando-se distintamente os períodos úmido e seco,observou-se resultados diferentes aos demais métodos, ou seja, superestimativa no período úmido de 14% e subestimativa de 10% no período seco. Empregando-se a este método a estimativada relação ´r IND. c´/´r IND. a´. sugerida por Pereira et al. (1998), observou-se melhoria nas estimativas de ETo no período úmido (b=0,9977 e ´r POT.2´ = 0,90); porém, piora no periodo seco, que passou a ter subestimativas da ordem de 27%.Terceiro, para a estimativa da ETo a partir da EMC, os melhores resultados foram obtidos estimando-se a Rn pelo método da regressão linear e a ETo pelo método de Penman, para o período integral; pelo método de P-M com ´r IND.c´/ ´r IND.a´ porPereira et al. (1998), para o período úmido; e pelo método de Penman, para o período seco. Para as estimativas a partir de dados da EMA, os melhores ajustes aos dados de ETo medidos foram com o método de P-M com ´r IND.C´/´r IND.a´ segundo Smith )(1991) para o período integral; com o método de P-M com ´r IND.c´/´r IND.a´ segundo Pereira et al (1998), para o período úmido; e com o método de P-T (´alfa´=1,26) ou Penman para o período secoForam avaliados os efeitos da utilização de dados meteorológicos obtidos com estações convencional (EMC) e automática (EMA) na estimativa diária de evapotranspiração de referência (ETo), pelos métodos de Penman (P), Priestley-Taylor (P-T) ePenman-Monteith (P-M), padrão FAO, em Piracicaba, SP (Lat.: 22 graus 42´30" S; Long: 47 graus 30´00" W; e 546m de altitude). Para tanto foram utilizadas medidas de ETo obtidas em lisímetro de pesagem automatizada com célula de carga, em doisperíodos; 1) úmido - entre dezembro de 1995 e maio de 1996; e 2) seco - de agosto a dezembro de 1996. Primeiro, comparou-se os dados meteorológicos provenientes da EMC e da EMA, observando-se boa concordância para temperatura média (T) e umidaderelativa média do ar (UR), com coeficiente angular (b) de 0,97 e 0,99, e o coeficiente de determinação (´r POT.2´) igual a 0,97 e 0,81, respectivamente. Para velocidade média do vento (´U IND. 2m´) e radiação líquida (Rn), não houve boaconcordância entre os dados das duas estações, em razão da estimativa desses elementos na EMC, o que proporcionou baixa precisão para ´U IND. 2m´ (´r POT.2´= 0,57) e baixa exatidão para Rn (b=1,23). Com o objetivo de minimizar as diferenças deRn entre a EMC e a EMA, foram desenvolvidos, testados e validados modelos de regressão linear de estimativa desse elemento a partir da temperatura (T), presão parcial de vapor (ea), razão de insolação (n/N), e radiação solar global (Qg), tantopara a EMC
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 03.12.1998
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      SENTELHAS, Paulo Cesar; FOLEGATTI, Marcos Vinícius; PEREIRA, Antonio Roberto. Estimativa diária da evapotranspiração de referência com dados de estação meteorológica convencional e automática. 1998.Universidade de São Paulo, Piracicaba, 1998. Disponível em: < https://teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11143/tde-20200111-140350/ >.
    • APA

      Sentelhas, P. C., Folegatti, M. V., & Pereira, A. R. (1998). Estimativa diária da evapotranspiração de referência com dados de estação meteorológica convencional e automática. Universidade de São Paulo, Piracicaba. Recuperado de https://teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11143/tde-20200111-140350/
    • NLM

      Sentelhas PC, Folegatti MV, Pereira AR. Estimativa diária da evapotranspiração de referência com dados de estação meteorológica convencional e automática [Internet]. 1998 ;Available from: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11143/tde-20200111-140350/
    • Vancouver

      Sentelhas PC, Folegatti MV, Pereira AR. Estimativa diária da evapotranspiração de referência com dados de estação meteorológica convencional e automática [Internet]. 1998 ;Available from: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11143/tde-20200111-140350/


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021