Exportar registro bibliográfico

Desenvolvimento do óvulo e aspectos da biologia da reprodução de espécies de Velloziaceae da serra do cipó (MG) (1998)

  • Authors:
  • Autor USP: CASTRO, NEUZA MARIA DE - IB
  • Unidade: IB
  • Sigla do Departamento: BIB
  • Assunto: BOTÂNICA
  • Language: Português
  • Abstract: O desenvolvimento dos óvulos e dos estágios iniciais das sementes de Aylthonia blackii, Barbacenia flava var. flava, Vellozia leptopella e Vellozia caruncularis foi acompanhado, desde a iniciação dos primórdios ovulares em Aylthonia blackii e Vellozia caruncularis, até 10 dias após a antese. Para os eventos pós-antese, foram feitas análises comparativas entre os óvulos/sementes em desenvolvimento, de flores controle, autopolinizadas e submetidas à polinização cruzada. O óvulo é anátropo em Aylthonia blackii e Barbacenia flava var. flava e varia de anátropo a anacampilótropo em Vellozia leptopetalla e Vellozia caruncularis. Nestas quatro espécies o óvulo é bitegumentado. Os tegumentos são dermais quanto a origem e iniciam-se, a partir de divisões inclinadas nas células da protoderme, que levam à formação de células apicais piramidais. O tegumento interno inicia-se antes do externo e, ambos atingem o completo desenvolvimento no botão em antese. Os tegumentos são bisseriados e a camada interna do tegumento interno diferencia-se em um endotélio. O tegumento externo aparece como estrutura livre, apenas no lado oposto ao funículo, exceto em Vellozia leptopetalla, onde também forma uma estrutura independente ao lado do funículo. A micrópila é formada pelos dois tegumentos. Nas quatro espécies o óvulo é tenuinucelado e, ao final da megagametogênese é completamente consumido (Vellozia leptopetalla e Vellozia caruncularis), ou quase completamente consumido (Aylthoniablackii e Barbacenia flava var. flava). A megagametogênese é do tipo Polygonum, e o saco embrionário ainda encontra-se tetranucleado no momento da antese, completando a sua diferenciação 3-5 dias após a antese, o que acontece também nas flores emasculadas. As células do aparelho oosférico são altamente polarizadas, as três antípodas são efêmeras, a célula central é grande e vacuolada e os núcleos polares completam a fusão, geralmente, após a fecundação. Os ) grãos de pólen germinam em menos de 24 horas. Não foram observadas diferenças entre a germinação do pólen, crescimento dos tubos polínicos ou taxa de óvulos penetrados por tubos polínicos, entre os pistilos autopolinizados e aqueles submetidos à polinização cruzada. A fertilização nestas espécies é do tipo porogânica e ocorre a partir de 4-5 dias após a polinização. O endosperma é helobial e o seu desenvolvimento inicia-se antes da divisão do zigoto, que em Barbacenia flava var. flava, Vellozia leptopetalla e Vellozia caruncularis permanece indiviso até o décimo dia após a antese. O desenvolvimento do embrião de Aylthonia blackii inicia-se, aproximadamente, 7 dias após a polinização e é caracterizado, por duas divisões horizontais consecutivas, seguida da divisão vertical da célula apical, que leva à formação de um embrião tetracelular, 10 dias após a polinização. Não foram observadas diferenças embriológicas, entre as sementes em desenvolvimento, dos diferentes tratamentos, embora tenham sidoencontrados sementes abortivas de diferentes tamanhos, principalmente, nos pistilos autopolinizados. As alterações anatômicas mais freqüentes nos óvulos e sementes abortivas, relacionavam-se ao endotélio. A ausência de um mecanismo de rejeição, operando poucos dias após a fecundação, a formação de frutos a partir de flores autopolinizadas (em menor número) e a presença de sementes abortivas, em diferentes estágios do desenvolvimento, parece sugerir que a auto-esterelidade observada em Aylthonia blackii, Barbacenia flava var. flava e Vellozia leptopetalla, deva-se à depressão de endogamia, ou seja, à expressão de genes letais recessivos. Durante o acompanhamento da megasporogênese e megagametogênese das espécies estudadas, foram encontrados vários óvulos teratológicos, principalmente, em Aylthonia blackii, Vellozia leptopetalla e Velloza caruncularis. A principal anomalia observada foi o desenvolvimento de ) gametófitos múltiplos: binucelados; derivados da diferenciação de duas células-mãe de megásporo, em um único nucelo, ou ainda, de dois megásporors funcionais ao final da megasporogênese. Outra anomalia comum foi a presença de óvulos exibindo estágios de desenvolvimento atrasado, em relação aos demais óvulos do mesmo ovário
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 16.09.1998

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      CASTRO, Neuza Maria de; MENEZES, Nanuza Luiza de. Desenvolvimento do óvulo e aspectos da biologia da reprodução de espécies de Velloziaceae da serra do cipó (MG). 1998.Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.
    • APA

      Castro, N. M. de, & Menezes, N. L. de. (1998). Desenvolvimento do óvulo e aspectos da biologia da reprodução de espécies de Velloziaceae da serra do cipó (MG). Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Castro NM de, Menezes NL de. Desenvolvimento do óvulo e aspectos da biologia da reprodução de espécies de Velloziaceae da serra do cipó (MG). 1998 ;
    • Vancouver

      Castro NM de, Menezes NL de. Desenvolvimento do óvulo e aspectos da biologia da reprodução de espécies de Velloziaceae da serra do cipó (MG). 1998 ;


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021