Exportar registro bibliográfico

Revolução contra a literatura: parque industrial, de Patrícia Galvão (1998)

  • Authors:
  • Autor USP: CAMELO, THELMA LUCIA GUEDES - FFLCH
  • Unidade: FFLCH
  • Sigla do Departamento: FLC
  • Assunto: LITERATURA BRASILEIRA (HISTÓRIA E CRÍTICA)
  • Language: Português
  • Abstract: Este trabalho procura refletir sobre a obra literária de Patrícia Galvão, assim como sobre o quase absoluto silêncio que a circunscreve, no âmbito da história e da crítica de nossa literatura.Detém-se no exame do primeiro romance da escritora, Parque Industrial, buscando revelar, ao mesmo tempo, a experiência literária instigante que a obra representa e o seu caráter problemático, enquanto romance proletário. Assim, nos termos do problemático e lidando com noções suscitadas pela forma final do romance de Patrícia Galvão, como impasse, angústia, impossibilidade e até fracasso, esta leitura crítica de Parque Industrial procura aproximar-se do ser-ou-não-ser deste romance difícil. Pensar a natureza do que o estudo chama derrocada significa sondar se o romance se frustra pelo que tem de excepcional e de irrealizável em sua matéria, forma ou autoria: em que termos e sob quais perspectivas o fracasso do romance Parque Industrial de fato teria ocorrido. O estudo tenta ser abrangente e, na medida do possível, atravessar o extenso leque de referências que ocupam a órbita de interesse da atuação literária de Pagu e da elaboração de seu primeiro romance. Examina os aspectos mais singulares e complexos do projeto de romance proletário de Patrícia Galvão, no que diz respeito ao seu duplo compromisso com o engajamento político e a experimentação literária. Procura enxergar a obra a partir das grandes questões estéticas que ela coloca em pauta, e do contato com ascomplicações urdidas em sua própria proposição. Elabora e demonstra hipóteses possíveis sobre os pressupostos teóricos com os quais a escritura de Pagu teria dialogado, denotando também as relações de proximidade entre o romance e outras realizações artísticas. Em vista da classificação de romance proletário, o trabalho busca verificar as relações que podem ser estabelecidas entre o texto de Pagu e as categorias criadas em torno do que se chamou arte engajada e arte proletária, além de tratar das complicações de gênero sugeridas por um projeto romanesco como esse, cujo caráter de experimentação inspira-se na idéia de autonomia da esfera estética
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 14.08.1998

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      CAMELO, Thelma Lúcia Guedes; FACIOLI, Valentim Aparecido. Revolução contra a literatura: parque industrial, de Patrícia Galvão. 1998.Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.
    • APA

      Camelo, T. L. G., & Facioli, V. A. (1998). Revolução contra a literatura: parque industrial, de Patrícia Galvão. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Camelo TLG, Facioli VA. Revolução contra a literatura: parque industrial, de Patrícia Galvão. 1998 ;
    • Vancouver

      Camelo TLG, Facioli VA. Revolução contra a literatura: parque industrial, de Patrícia Galvão. 1998 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020