Exportar registro bibliográfico

O fósforo dos solos de Rondônia: variabilidade espacial e temporal na conversão de floresta em pastagens (1998)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: BRITO, MARCIANO DE MEDEIROS PEREIRA - ESALQ
  • Unidades: ESALQ
  • Subjects: FLORESTAS; PASTAGENS (MANEJO;CONSERVAÇÃO); PRÁTICAS CULTURAIS (FITOTECNIA); QUÍMICA DO SOLO
  • Language: Português
  • Abstract: O fósforo contido nos solos de Rondônia foi analisado em duas escalas de observação. Na primeira, em nível regional (334.000 'km POT. 2') as informações da literatura foram reunidas para constituir um banco de dados informatizado e um mapa digital de solo. A partir da distribuição dos diferentes tipos de solo foram elaborados mapas de conteúdos de fósforo. Nas profundidades 0-20 e 0-100cm estão estocados respectivamente 2,2 Gg P e 6,9 Gg P. Os Latossolos e Solos Podzólicos que juntos cobrem 73% da área, representam 68% e 77% destes totais para as profundidades 0-20 e 0-100cm. Na segunda escala, em nível local, antes da derrubada da floresta, procedeu-se a análise da variabilidade espacial em uma área de um hectare mostrada à cada 10 metros. Um estudo geoestatístico mostrou uma estrutura espacial com alcance de 50 metros, significado que existem fatores que influenciam a distribuição do fósforo orgânico em distâncias inferiores a este limite.Em seguida uma área de três hectares de floresta foi derrubada e queimada para, no período de um ano, seguir a evolução das frações orgânicas e inorgânicas do fósforo do solo. O fracionamento do fósforo, analisado pelo método de Hedley, mostrou que as frações de fósforo, principalmente as inorgânicas, aumentaram inicialmente com a queimada da biomassa, e em seguida decresceram após 2 meses. Assim, na profundidade 0-5cm do solo, os valores de fósforo disponível (P-Resina) e lábil (P-bicarbonato) foram, respectivamente, de 6,3 e 3,6mg 'kg POT. -1' sob floresta, 9,4 e 6,9 mg 'kg POT.-1' dois meses após a queima e, 8, 6 e 4,9 mg 'kg POT. -1' doze meses após a queima. Não foi evidenciado nenhuma variação significativa ao longo do período de doze meses para o fósforo orgânico. Para interpretar as informações sobre a dinâmica das frações orgânicas e inorgânicas em períodos mais longos de utilização do solo utilizou-se uma cronosseqüência formada por uma floresta nativa e pastagens estabelecidas há 3, 5, 9 e 20 anos, sobre a mesma umidade de solo. Utilizou-se, então, os métodos de Bowman e Menon. O decréscimo observado anteriormente para as frações inorgânicas do fósforo, continua a se manifestar após os doze primeiros meses da mudança do uso da terra. A exemplo do ocorrido nos primeiros doze meses, os resultados da fração orgânica total do fósforo não mostraram variações significativas ao longo de 20 anos de instalação de pastagens. O fósforo contido na biomassa microbiana do solo foi menor nas áreas sob pastagem (< 16mg P 'kg POT.-1') do que sob floresta nativa (24 mg P 'kg POT.-1')
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 06.05.1998

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      BRITO, Marciano de Medeiros Pereira; CERRI, Carlos Clemente. O fósforo dos solos de Rondônia: variabilidade espacial e temporal na conversão de floresta em pastagens. 1998.Universidade de São Paulo, Piracicaba, 1998.
    • APA

      Brito, M. de M. P., & Cerri, C. C. (1998). O fósforo dos solos de Rondônia: variabilidade espacial e temporal na conversão de floresta em pastagens. Universidade de São Paulo, Piracicaba.
    • NLM

      Brito M de MP, Cerri CC. O fósforo dos solos de Rondônia: variabilidade espacial e temporal na conversão de floresta em pastagens. 1998 ;
    • Vancouver

      Brito M de MP, Cerri CC. O fósforo dos solos de Rondônia: variabilidade espacial e temporal na conversão de floresta em pastagens. 1998 ;


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020