Exportar registro bibliográfico

Células gonadotrópicas de Curimbatá Prochilodus scrofa (Steindachner, 1881) (Pisces, Teleostei): estudo ultra-estrutural e imuno-histoquímico (1998)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: PARREIRA, SUELY DE FATIMA - ICB
  • Unidades: ICB
  • Sigla do Departamento: BMH
  • Subjects: TELEOSTEI (ULTRA-ESTRUTURA;IMUNOLOGIA;HISTOLOGIA); PEIXES DE ÁGUA DOCE (ULTRA-ESTRUTURA;IMUNOLOGIA;HISTOLOGIA); IMUNOHISTOQUIMICA; REPRODUÇÃO ANIMAL
  • Language: Português
  • Abstract: O presente estudo visa caracterizar morfológica e ultra-estruturalmente as células gonadotrópicas (GHT) de curimbatá, no ciclo reprodutivo anual de peixes cultivados e de rio. Pretende, ainda, identificar as células GTH através deimuno-histoquímica, com anticorpos anti-GTH de jaraqui. As células GTH dispõem-se em grupos na Proximal Pars Distalis, região mediana da adeno-hipófise. São células basófilas grandes e globosas, com granulação grosseira, núcleo arredondado eexcêntrico e vacúolos de tamanhos variados. As células GTH variam sua morfologia em relação ao ciclo gonadal. Ultra-estruturalmente, são classificadas em 4 fases segundo a forma e extensão do REG, quantidade de grânulos de secreção e forma donúcleo. As células GTH na fase I exibem uma grande quantidade de grânulos de secreção, cisternas do REG pouco dilatadas e complexo de Golgi bem desenvolvido. Na fase II, mostram 1 ou 2 cisternas do REG externamente dilatadas, grande quantidadede grânulos e complexo de Golgi bem desenvolvido. Na fase III, possuem muitas cisternas dilatadas do REG e número variável de grânulos de secreção. Na fase IV, as células GTH são irregulares, com grânulos coalescidos, o núcleo perde a formaarredondada, a cromatina torna-se condensada e as cisternas do REG são numerosas e pequenas. Através da imuno-histoquímica, as células GTH são igualmente positivas aos dois anticorpos utilizados em todos os estágios do ciclo. Através dosresultados imuno-histoquímicos eultra-estruturais, podemos sugerir a existência de somente um tipo de célula GTH em curimbatá, que sofre variações no decorrer do ciclo reprodutivo
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 24.04.1998

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      PARREIRA, Suely de Fátima; BORELLA, Maria Inês. Células gonadotrópicas de Curimbatá Prochilodus scrofa (Steindachner, 1881) (Pisces, Teleostei): estudo ultra-estrutural e imuno-histoquímico. 1998.Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.
    • APA

      Parreira, S. de F., & Borella, M. I. (1998). Células gonadotrópicas de Curimbatá Prochilodus scrofa (Steindachner, 1881) (Pisces, Teleostei): estudo ultra-estrutural e imuno-histoquímico. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Parreira S de F, Borella MI. Células gonadotrópicas de Curimbatá Prochilodus scrofa (Steindachner, 1881) (Pisces, Teleostei): estudo ultra-estrutural e imuno-histoquímico. 1998 ;
    • Vancouver

      Parreira S de F, Borella MI. Células gonadotrópicas de Curimbatá Prochilodus scrofa (Steindachner, 1881) (Pisces, Teleostei): estudo ultra-estrutural e imuno-histoquímico. 1998 ;


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020