Exportar registro bibliográfico

Geologia, petrografia e geoquímica dos granitóides da região de Piedade, SP (1997)

  • Authors:
  • Autor USP: LEITE, RENATO JORDAN - IGC
  • Unidade: IGC
  • Sigla do Departamento: GMP
  • Subjects: PETROLOGIA ÍGNEA; GEOLOGIA; GEOQUÍMICA
  • Language: Português
  • Abstract: As rochas granitóides que ocorrem na região de Piedade (SP), agrupadas na literatura como parte de um extenso batólito alongado que recebeu designação variada (Complexo Piedade, Batólito Ibiúna, Batólito Agudos Grandes), foram estudadas através de mapeamento faciológico, petrografia, geoquímica e isotopia Rb-Sr. O presente trabalho define nesta área o maciço granítico Piedade, como um corpo subcircular zonado, com cerca de 100 'km POT.2' , formado por uma seqüência de pulsos magmáticos de composição essencialmente granítica s.s. As rochas exibem foliação de origem magmática (alinhamento de megacristais tabulares de feldpsato) que continuou a se desenvolver no estado sólido, e se dispõe de modo paralelo ao contato dos corpos e se intensifica nas porções de borda; a foliação dos sistos e gnaisses encaixantes acompanha esses contatos. O maciço parece, assim, constituir uma intrusão forçada, embora estudos específicos sejam necessários para distinguir o mecanismo de alojamento (diapirismo x "ballooning") . O caráter sinorogênico do maciço é confirmado pela idade isocrônica Rb-Sr aqui obtida (654 '+ OU-' 24 Ma; r.i. = 0,7099). Com base em estudos petrográficos, foram discriminadas duas associações petrográficas distintas, uma peraluminosa, formada por muscovita-biotita granodioritos a monzogranitos porfiríticos portadores de monazita, e a outra metaluminosa, formada por biotita monzogranitos porfiríticos com titanita e allanita como acessórios importantes. Essescontrastes, também refletidos pela geoquímica, especialmente através do índice A/CNK, do Mg# e dos padrões de ETR, podem refletir a origem dos magmas a partir de fontes crustais distintas. A linhagem metaluminosa apresenta afinidades com granitos tipo 1, enquanto a peraluminosa guarda, sob alguns aspectos, semelhanças com os de tipo S, dos quais contudo difere em alguns aspectos petrográficos (e.g. ausência de cordierita) e químicos (e.g. A/CNK nunca superior a 1,1). Por outro lado, granitos típicos das duas linhagens apresentam similaridades petrográficas (IC aproximadamente 8-10, caráter porfirítico) e químicas (principalmente em relação aos teores de CaO, 'Fe IND.2 O IND.3', 'Na IND.2 O', 'K IND.2 O', TiO IND.2' e 'P IND.2 O IND.5', além de Ba e Sr), o que aponta para a possibilidade de que as diferenças observadas sejam devidas a processos de contaminação de magmas originais metaluminosos, álcali-cálcicos, por metassedimentos pelíticos relativamente redutores. Enclaves microganulares máficos a intermediários são relativamente comuns nas várias unidades do maciço, e devem corresponder a manifestações de magmatismo mais máfico invadindo os magmas graníticos e com eles interagindo em graus variados. O fracionamento magmático interno às duas linhagens principais envolveu a extração de plagioclásio, biotita e (na linhagem peraluminosa) muscovita, além de acessórios (apatita, zircão e óxido de Fe-Ti em ambas as linhagens; monazitana linhagem peraluminosa; titanita e allanita, ao menos no final da diferenciação da linhagem metaluminosa). Os diferenciados finais da duas linhagens tendem a convergir composicionalmente, de modo que a unidade mais félsica mapeada (biotita monzogranitos róseos) pode incluir termos derivados de ambas. Por outro lado, outros maciços da região reconhecidos como tardi-orogênicos (Serra dos Lopes, Pilar do Sul) são constituídos por granitos félsicos que têm semelhanças petrográfcias (IC = 6,7; caráter equi-inequigranular) e químicas (índices A/CNK, Mg#, teores de Rb) com esta última unidade, o que não permite descartar a possibilidade de ela também incluir manifestações mais jovens
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 03.09.1997
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      LEITE, Renato Jordan; JANASI, Valdecir de Assis. Geologia, petrografia e geoquímica dos granitóides da região de Piedade, SP. 1997.Universidade de São Paulo, São Paulo, 1997. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44135/tde-26102015-131820/pt-br.php >.
    • APA

      Leite, R. J., & Janasi, V. de A. (1997). Geologia, petrografia e geoquímica dos granitóides da região de Piedade, SP. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44135/tde-26102015-131820/pt-br.php
    • NLM

      Leite RJ, Janasi V de A. Geologia, petrografia e geoquímica dos granitóides da região de Piedade, SP [Internet]. 1997 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44135/tde-26102015-131820/pt-br.php
    • Vancouver

      Leite RJ, Janasi V de A. Geologia, petrografia e geoquímica dos granitóides da região de Piedade, SP [Internet]. 1997 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44135/tde-26102015-131820/pt-br.php


Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021