Exportar registro bibliográfico

Análise estratigráfica e estrutural da Bacia Pernambuco (1998)

  • Authors:
  • Autor USP: LIMA FILHO, MARIO FERREIRA DE - IGC
  • Unidade: IGC
  • Sigla do Departamento: GGG
  • Subjects: ESTRATIGRAFIA; GEOLOGIA ESTRUTURAL
  • Language: Português
  • Abstract: A Bacia Pernambuco é uma bacia marginal atlântica localizada entre o Lineamento Pernambuco, seu limite norte, e o Alto de Maragogi-Barreiros, seu limite sul. O Limite oeste da bacia é dominado por rochas graníticas, gnaíssicas e migmatitos doMaciço Pernambuco/Alagoas. São identificadas três direções principais de falhas e fraturas: E-W, NW-SE e NE-SW. O sistema de falhas NE é composto por subsistemas com atividades progressivas desde a separação dos dois continentes até sua fasetardia, com a deposição da Formação Estivas. Os grandes falhamentos E-W, que, praticamente, são os seus limites, as falhas horizontais NW-SE do embasamento; e as falhas de gravidade na direção NE-SW. O esforço que gerou a bacia, tem direçãoNW-SE, escalonado em direção à plataforma. O Lineamento Pernambuco atuou como uma zona de transferência, separando duas bacias com histórias deposicionais distintas; a Bacia Permabuco e Bacia Paraíba. A Bacia Pernambuco possui dos grabens, naverdade dois semi-grabens, separados por um alto estrutural. O semi-graben interno composto pelo Baixo de Piedade e o Baixo do Cupe, e o semi-graben externo. A Formação do cabo é a primeira sequência sedimentar a ser depositada na bacia sobre osriolitos da Suíte Vulcânica de Ipojuca. Representa uma série de ciclos deposicionais desenvolvidos em ambiente continental semi-árido, através de leques aluviais subaéreos e subaquosos, mergulhando num lago. Ela é caramente subdividida, estandocada qual depositada em ambientesdeposicionais distintos. A facies proximal ('KC IND.1' é restrita à borda da bacia, sendo formada esssencialmente por conglomerados polimíticos grossos e desorganizados, praticamente desprovidos de matriz,depositados na forma de fluxos detríticos coesos em nível de lago raso. A facies mediana do leque aluvial ('KC IND.2') foi depositada por correntes em lençol (sheet flow) num fluxo hiperconcentrado. A fácies distal do leque ('KC IND 3') é representada por ritmitos, compostos por argila e arenito arcosiano médio a fino. Possui estratificações plano - paralelas, cruzadas, cavalgantes, tabulares e feições deformacionais, como resultado dos sedimentos mais finos quechegavam ao lago, mostrando-se por vezes bioturbados. Essa facies horizontes de folhelhos negros de ambientes anóxicos, que progradam sobre os leques devido à subida do nível do lago; trato de lago profundo. A evolução desse sistema pode sercompreendida através do empilhamento dessas fácies. Os ciclos iniciam-se pela deposição dos conglomerados, indicando um soerguimento da área fonte, associado à sazonalidade, com enxurradas esporádicas que permitiram a deposição dos arenitosarcoseanos na parte mediana, terminando pela deposição dos sedimentos finos num lago tectônico. A Formação Cabo demonstra variações de espessura em subsuperfície que estão claramente relacionadas as falhas de borda da bacia. A Formação Estiva,sobreposta à Formação Cabo, mostra as primeiras ingressõesmarinhas dentro da bacia, num total de, pelo menos, 3 ciclos T-R. O primeiro ciclo, no mínimo, é de idade albiana, e o segundo e terceiro são de idade cenomaniana até santoniana. Oambiente deposicional da Formação Estiva é típico de Planície de Maré. São identificados os subambientes de plataforma rasa, inframaré e supramaré. Os dados de poços e campo sugerem que o vulcanismo Ipojuca está intimamente associado com ossedimentos clásticos e não-clásticos da bacia, formando sills, diques, lacólitos, etc. A presença de ignimbritos, púmice e rochas vulcanoclásticas sugere um vulcanismo explosivo. As intercalações com rochas carbonátoicas e fluxos piroclásticossubaquosos sugerem evidências de processos, predominantemente, de vulcanismo subaquático. A Formação Algodoais tem sua deposição em ambiente de leques aluviais continentais, resultante do tectonismo pós-turoniano, o qual provocou oretrabalhamento das rochas vulcânicas e dos clásticos da Formação Cabo. Duas unidades informais podem ser subdivididas dentro da Formação Algodoais: uma unidade basal (água Fria) e uma superior (Tiriri). São identificados na Bacia Pernambuco seiseventos de grande magnitude intimamente relacionados a sua evolução: Evento Magmático Inicial - Esse evento ainda assume um caráter especulativo, face à não datação, ainda, das rochas vulcânicas envolvidas. Porém, as relações de campo nosmostram que a base da Formação Cabo, principalmente na parte emersa da bacia, é compostaessencialmente por riolitos. Evento Rifteamento - Esse evento representa a época da deposição dos conglomerados sin-tectônicos da bacia. EventoTransgressivo - Esse evento é marcado pela deposição de carbonatos. Uma rápida inundação é responsável pela deposição de folhelhos pretos anóxicos na base do calcário Estiva Transgressivo. - Esse evento é marcado pela deposição de carbonatos.Uma rápida inundação é responsável pela deposição de folhelhos pretos anóxicos na base da clacário Estiva. Evento Magmático Básico - As relações de campo mostram um fenômeno magmático de grande expressão, essencialmente básico (basaltos ediabásio), que corta os riolitos da base, a Formação Cabo e a Formação Estiva; Evento Tectônico - Na Bacia Pernambuco, verifica-se um forte tectonismo posterior ao magmatismo do evento anterior, pois atinge as rochas vulcânicas, principalmente obasalto, gerando uma série de grabens e horsts, criando, assim, espaço para a deposição dos sedimentos da Formação Algodoais, e o Evento Magmático Ácido - No topo da Formação Algodoais existe uma mancha sedimentar esbranquiçada, formando colunassextavadas já caulinizadas. Quanto a presença de hidrocarbonetos, a Bacia Pernambuco tem características estratigráficas, sedimentares e estruturais semelhantes as demais bacias marginais brasileiras onde ocorrem óleo e gás
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 17.04.1998
  • Acesso à fonte
    How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      LIMA FILHO, Mário Ferreira de; BRITO NEVES, Benjamim Bley de. Análise estratigráfica e estrutural da Bacia Pernambuco. 1998.Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998. Disponível em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44134/tde-03092013-090232/pt-br.php >.
    • APA

      Lima Filho, M. F. de, & Brito Neves, B. B. de. (1998). Análise estratigráfica e estrutural da Bacia Pernambuco. Universidade de São Paulo, São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44134/tde-03092013-090232/pt-br.php
    • NLM

      Lima Filho MF de, Brito Neves BB de. Análise estratigráfica e estrutural da Bacia Pernambuco [Internet]. 1998 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44134/tde-03092013-090232/pt-br.php
    • Vancouver

      Lima Filho MF de, Brito Neves BB de. Análise estratigráfica e estrutural da Bacia Pernambuco [Internet]. 1998 ;Available from: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44134/tde-03092013-090232/pt-br.php

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2021