Exportar registro bibliográfico

A célula endotelial vascular na rejeição de alo e de xenoenxerto (1998)

  • Authors:
  • USP affiliated authors: LUCCHIARI, NEWTON BERGAMASCHI - ICB
  • Unidades: ICB
  • Sigla do Departamento: BMI
  • Subjects: ENDOTÉLIO VASCULAR; CÉLULAS ENDOTELIAIS
  • Language: Português
  • Abstract: Neste estudo nós investigamos o envolvimento dos anticorpos naturais xenoreativos (ANX) em xenoenxerto e os anticorpos antiendoteliais (AACE) em rejeição aguda irreversível do aloenxerto. Proteínas de membranas de células endoteliais, proteínas de membranas de plaquetas e células endoteliais foram como ligadas em gel de imunoafinidade de Sepharose 6 Fast flow e Sepharose CL-4B, utilizando-se coluna de cromatografia in vitro para absorver ANX. Eluatos provenientes de rins com rejeições irreversíveis de aloenxertos (n=22), e tromboses da veia renal (n=3), foram testados contra um painel de cultura de células endoteliais da veia do cordão umbilical (HUVECs) para o estudo dos AACE. A absorção foi avaliada pelos métodos: ELISA, imunonefelometria, e teste de citotoxicidade. Diferentes parâmetros que influenciam a imunoabsorção foram examinados: densidade do ligante sobre o gel, tempo de contato, velocidade do volume do plasma, volume de imunoabsorvente, e temperatura. Em aloenxerto os AACE ligaram-se às Células Endoteliais (CE) e aumentaram a expressão das moléculas de adesão VCAM-1, ELAM-1 e ICAM-1, que foram analisados por Citometria de Fluxo por RT-PCR semi-quantitativo. A ausência de anticorpos anti-HLA foi verificado pela negatividade dos testes clássicos de provas cruzadas pré e pós- transplantes e pré a pós-nefrectomias pelos testes de reatividade contra painel (PRA). Em xenotransplantes, in vitro, após 2 ciclos de absorção-desabsorção, 99% e 82-85%de IgG e IgM anticorpos antiespécies específicos foram absorvidos, respectivamente. E ainda, foi diminuída a citotoxicidade destes anticorpos em 74-77%. In vivo foi observado que após um ciclo de absorção-desabsorção, 97% das IgG e 96% das IgM foram absorvidos e a citotoxicidade destes foi diminuída em 85%. Em aloenxeretos, 8 eluatos provenientes de rins rejeitados ligaram-se às HUVECs, e não induziram nenhuma citotoxicidade, porém, aumentaram a expressão de RNAm codificado para VCAM-1 de 35 a 59 vezes e para ICAM-1 de 8 a 12 vezes quando comparado aos anticorpos controles. A aumento de expressão em nível de membrana de CE para VCAM-1 foi de 89% e de ELAM-1 foi 80%. O estudo em xenoenxerto possibilitou otimizar um novo método de imunoabsorção de ANX in vivo e em aloenxerto foi possível demonstrar a ação dos AACE sobre a ativação das Ces, e que estes anticorpos atuam no mecanismo de rejeição aguda do enxerto provavelmente por citotoxicidade celular dependente de anticorpo (ADCC) e não por citotoxicidade dependente de complemento (CDC)
  • Imprenta:
  • Data da defesa: 20.03.1998

  • How to cite
    A citação é gerada automaticamente e pode não estar totalmente de acordo com as normas

    • ABNT

      LUCCHIARI, Newton Bergamaschi; KALIL FILHO, Jorge Elias. A célula endotelial vascular na rejeição de alo e de xenoenxerto. 1998.Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.
    • APA

      Lucchiari, N. B., & Kalil Filho, J. E. (1998). A célula endotelial vascular na rejeição de alo e de xenoenxerto. Universidade de São Paulo, São Paulo.
    • NLM

      Lucchiari NB, Kalil Filho JE. A célula endotelial vascular na rejeição de alo e de xenoenxerto. 1998 ;
    • Vancouver

      Lucchiari NB, Kalil Filho JE. A célula endotelial vascular na rejeição de alo e de xenoenxerto. 1998 ;

    Últimas obras dos mesmos autores vinculados com a USP cadastradas na BDPI:

    Digital Library of Intellectual Production of Universidade de São Paulo     2012 - 2020